DÓLAR R$ 5,04 -1,66% BBDC4 R$ 18,96 +0,69% EURO R$ 5,21 -0,41% MGLU3 R$ 3,20 +3,90% ITUB4 R$ 26,20 +1,16% PETR4 R$ 37,04 -0,51% ABEV3 R$ 14,95 +1,42% GGBR4 R$ 25,40 +0,59% IBOVESPA 109.893,28 pts +1,14% VALE3 R$ 69,50 -0,71%
DÓLAR R$ 5,04 -1,66% BBDC4 R$ 18,96 +0,69% EURO R$ 5,21 -0,41% MGLU3 R$ 3,20 +3,90% ITUB4 R$ 26,20 +1,16% PETR4 R$ 37,04 -0,51% ABEV3 R$ 14,95 +1,42% GGBR4 R$ 25,40 +0,59% IBOVESPA 109.893,28 pts +1,14% VALE3 R$ 69,50 -0,71%
Delay: 15 min

No mercado corporativo, é cada vez mais valorizado o conceito de sustentabilidade, conhecido como ESG (Environmental, Social and Governance), usado para medir as práticas ambientais, sociais e de governança de uma companhia.

Na bolsa de valores, as empresas alinhadas com essas práticas se tornam mais atrativas para os investidores, pois tendem a apresentar resultados socioeconômicos mais sustentáveis e se tornam mais competitivas e promissoras.

Apesar da tendência, as empresas que atendem aos critérios ainda são a minoria no mercado brasileiro de ações.
Das quase 500 companhias listadas na B3, cerca de 60 ações estão alinhadas com essa agenda.

Mas há cinco exemplos que você precisa conhecer:

A varejista Lojas Americanas, a Suzano, maior produtora global de celulose de eucalipto e líder mundial no mercado de papel. A varejista de moda Lojas Renner, o Grupo Natura e a companhia de processamento de carne bovina Marfrig.

Cada uma delas possui uma política interna voltada para melhores práticas sustentáveis.

Esse foi mais um boletim. Eu sou Valéria Bretas, editora-chefe do Estadão Investidor. Até a próxima!

Conteúdos e análises exclusivas para ajudar você a investir. Abra sua conta na Ágora Investimentos