ITUB4 R$ 23,54 -4,25% MGLU3 R$ 12,42 +0,89% DÓLAR R$ 5,65 +0,00% EURO R$ 6,58 -0,01% BBDC4 R$ 20,45 -3,91% IBOVESPA 106.296,18 pts -1,34% GGBR4 R$ 26,73 +0,72% PETR4 R$ 27,18 -1,13% ABEV3 R$ 15,00 -1,39% VALE3 R$ 76,08 +1,05%
ITUB4 R$ 23,54 -4,25% MGLU3 R$ 12,42 +0,89% DÓLAR R$ 5,65 +0,00% EURO R$ 6,58 -0,01% BBDC4 R$ 20,45 -3,91% IBOVESPA 106.296,18 pts -1,34% GGBR4 R$ 26,73 +0,72% PETR4 R$ 27,18 -1,13% ABEV3 R$ 15,00 -1,39% VALE3 R$ 76,08 +1,05%
Delay: 15 min

Comprar uma cópia digital de uma obra de arte já não é algo incomum nos dias de hoje. Os tokens não fungíveis, ou NFTs, como são popularmente conhecidos, são usados para estabelecer direitos autorais na esfera da internet.

É como se fosse um certificado de autenticidade, por exemplo.

Mas algumas compras têm causado certo estranhamento e geram a dúvida: até onde vai o limite dos NFTs?

O empreendedor de criptomoedas Justin Sun anunciou no Twitter que havia pagado meio milhão de dólares pela foto de uma rocha com olhos de raio laser. A imagem, porém, não tinha algum tipo de mérito artístico como a maioria dos tokens não fungíveis.

Um outro caso também deu o que falar nas redes sociais este ano. A grife italiana Gucci lançou uma coleção de tênis digitais por 12 dólares. Mas lembre-se: não é um produto físico.

O aquecimento desse mercado tem levantado a discussão sobre gastar dinheiro para exibir produtos digitais nas redes sociais. E você já parou pra pensar até que ponto a barreira física vai ultrapassar a on-line? Quais são as suas apostas?

Esse foi mais um boletim. Eu sou Valéria Bretas, editora-chefe do Estadão Investidor. Até a próxima!

 

 

Conteúdos e análises exclusivas para ajudar você a investir. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos