EURO R$ 5,94 +0,29% MGLU3 R$ 20,77 -0,95% DÓLAR R$ 4,97 +0,25% ITUB4 R$ 32,42 +1,22% ABEV3 R$ 18,19 -0,55% VALE3 R$ 113,90 +2,24% BBDC4 R$ 27,41 +0,92% PETR4 R$ 29,43 +1,13% IBOVESPA 129.596,37 pts +0,64% GGBR4 R$ 30,02 +0,74%
EURO R$ 5,94 +0,29% MGLU3 R$ 20,77 -0,95% DÓLAR R$ 4,97 +0,25% ITUB4 R$ 32,42 +1,22% ABEV3 R$ 18,19 -0,55% VALE3 R$ 113,90 +2,24% BBDC4 R$ 27,41 +0,92% PETR4 R$ 29,43 +1,13% IBOVESPA 129.596,37 pts +0,64% GGBR4 R$ 30,02 +0,74%
Delay: 15 min
Ana Paula Hornos, colunista do E-Investidor (Foto: Divulgação)

Mente sã em bolso são

Ana Paula Hornos é mediadora, palestrante e produtora de conteúdo sobre finanças e comportamento. Dedicada à psicologia, educação financeira e orientação profissional, com mais de 20 anos de experiência como executiva e empresária, trabalha assessorando pessoas na formulação e alcance de seus objetivos. Mestranda em psicologia e graduada em Engenharia, ambas pela USP, com MBA em finanças pelo Insper e especializações pela FGV e IMD, foi diretora de grandes empresas nacionais como o Grupo Pão de Açúcar e membro de Conselho de Administração da Essencis Ambiental. É autora da coleção ‘Educação Financeira e Valores’, de apoio didático escolar para educação financeira de crianças e adolescentes e do livro infanto-juvenil ‘Crise Financeira na Floresta’. Atualmente também professora na FGV-IDE e na Casa do Saber.

Escreve às segundas-feiras, a cada 15 dias.

Ana Paula Hornos

Saiba se você está em uma relação abusiva e o impacto nas suas finanças

Vítimas de abuso emocional podem desenvolver comportamentos financeiros compulsivos

Foto: Envato Elements
  • De forma coletiva, a igualdade de diretos e oportunidades em uma sociedade trazem equilíbrio nas relações de poder
  • O problema ocorre quando a balança pende para um único lado, abrindo espaço para o triste cenário das relações abusivas, com forte impacto na vida financeira de quem é vítima
  • Vítimas de abuso emocional podem desenvolver comportamentos compulsivos como comprar, investir, trabalhar em demasia e até mesmo gastar muito dinheiro com presentes, tentando agradar parceir@s, familiares, chefes ou amigos

Poder e dinheiro andam juntos. Em uma das primeiras escalas desenvolvidas para medir atitudes humanas frente ao dinheiro, feitas por Yamauchi e Templer em 1982, o poder foi destacado como um dos principais pilares a serem observados. Exercido positivamente, o poder resulta em autonomia e empoderamento.

De forma coletiva, a igualdade de diretos e oportunidades em uma sociedade trazem equilíbrio nas relações de poder. O problema ocorre quando a balança pende para um único lado, abrindo espaço para o triste cenário das relações abusivas, com forte impacto na vida financeira de quem é vítima.

Relacionamentos abusivos são claramente identificados na forma de violência física. No entanto, são menos óbvios, e igualmente prejudiciais, quando se apresentam na forma de abuso psicológico, como no caso do controle coercitivo. O assunto é tão sério que, em setembro de 2020, o governo britânico incluiu o tema como assunto obrigatório da grade escolar.

Como saber se estou em uma relação abusiva?

Pelas características sutis e manipulativas, às vezes é muito difícil identificar a situação. Não raro, nem @ própri@ abusador (a), percebe que está agindo assim. São diversos episódios de ameaças, falas ou comportamentos não verbais subliminares através de humilhações, punições e ameaças com a  finalidade de sujeitar, isolar e controlar a vítima. O processo normalmente é duradouro e cíclico em quatro fases.

O momento de tensão, onde as manifestações de desaprovação são implícitas, disfarçadas e começam a alimentar a insegurança. Nesse momento a vítima faz tudo para agradar, para tentar deixar as coisas sob controle, para tentar mudar a outra pessoa, evitar a agressão ou a perda da relação.

O segundo momento é o da agressão em si, muito mais explicita, em frases como “Você me faz passar vergonha”, “Você não é capaz ou tem algum problema mental”, “Faço tudo por você e olha como me corresponde”, “Sem mim você não tem mais ninguém no mundo”, “Dificilmente conseguirá sozinh@”,  “Ninguém te ama mais do que eu”, “Faço isso por culpa sua”.

Nesse momento, a vítima começa a sentir-se culpada, tem sua autoestima e autoconfiança minadas, e seu parâmetro de “normalidade” passa a ser @ agressor (a). Quando a corda é esticada demais, vem a terceira fase, através do pedido de desculpas e promessas de que as coisas serão diferentes dali  para frente. Então vem a quarta fase, da “lua de mel”, onde @ abusador (a) usa de toda sedução e recompensas possíveis para manter a vítima feliz e por perto, até que se reinicie todo o ciclo, uma tensão gradativa.

Existem variados tipos de relações abusivas

Podem ser as amorosas, conjugais, familiares, com colegas no ambiente de trabalho, entre pais e filhos, entre amigos. Mulheres, infelizmente, são vítimas desde cedo e pesquisas mostram que pelo menos uma em cada três mulheres no mundo já sofreu algum tipo de abuso. Mas homens também  não escapam do controle coercitivo que pode aparecer através do bullying, do preconceito, da alienação parental, do abandono afetivo e até mesmo da superproteção, tema que abordei em uma coluna anterior.

Que impacto relações abusivas tem na vida financeira?

Vítimas de abuso emocional podem desenvolver comportamentos compulsivos como comprar, investir, trabalhar em demasia e até mesmo gastar muito dinheiro com presentes, tentando agradar parceir@s, familiares, chefes ou amigos. Às vezes, por sentirem-se incapazes, abandonam suas carreiras, ou mesmo nem iniciam, e estabelecem situação de dependência financeira e psicológica. Carregam culpa e sentem-se incapazes de serem amad@s e esforçam-se cada vez mais para agradar, emprestando dinheiro, conta do banco, CPF, ou mesmo entregando suas rendas para administração d@ agressor(a).

Se você se identificou com alguma das descrições acima, saiba que já deu o primeiro passo na direção de mudar a situação, uma vez que pode ser difícil perceber a relação abusiva.

O segundo passo importante é buscar ajuda e intensificar o autoconhecimento para observar comportamentos estabelecidos ao longo de sua história de vida que podem ser trabalhados.

Mesmo sendo um dos caminhos possíveis, nem sempre é necessário que a relação seja rompida. O imprescindível é que limites sejam colocados, que o equilíbrio de poder seja restabelecido e que todos os envolvidos possam desfrutar de autonomia, liberdade e empoderamento.

Que sejam abolidos os papéis vítima-agressor(a), onde todos são prejudicados, transformando-os em relações de igualdade, parceria, empatia e compaixão.

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos