Publicidade

Comportamento

Qual palavra o brasileiro mais usa para descrever suas finanças? Estudo responde

Os dados são reflexo de mais de 2 mil pessoas entrevistadas

Qual palavra o brasileiro mais usa para descrever suas finanças? Estudo responde
Foto: Envato Elements
  • Pesquisa aponta a relação do brasileiro com o dinheiro e traz observações sobre o perfil nacional, como o dado que sete em cada dez brasileiros descrevem suas vidas financeiras com discursos negativos
  • Insuficiência da renda mensal, acesso ao mercado de crédito e serviços bancários são alguns dos motivos citados pelos entrevistados
  • Os gatilhos que as pessoas sentem com relação ao tema finanças moldam como elas vão consumir e tomar as suas decisões financeiras

Palavras negativas, alternativas para complementar a renda e uso de crédito para crescer. São estes alguns pontos levantados sobre a vida financeira dos brasileiros, segundo estudo inédito sobre dismorfia financeira da instituição bancária Will Bank. Apresentada nesta quinta-feira, 15, em um bate-papo com convidados, a pesquisa aponta a relação do brasileiro com o dinheiro e traz observações sobre o perfil nacional, como o dado que sete em cada dez brasileiros descrevem suas vidas financeiras com discursos negativos, representando 47,3%, ou neutros, com 24%.

Uma realidade reforçada pela pesquisa é a insuficiência da renda mensal do brasileiro para o pagamento das contas como luz, água e moradia, uma vez que 44,8% das pessoas da classe B2 buscaram renda extra nos últimos 12 meses e 50,5% da classe DE declarou que não consegue ou tem dificuldade para pagar as contas do mês. A palavra “desespero” é associada não somente para descrever gastos para pessoas negras, mas também pela classe C1 ao associar a atividades como abrir um negócio, guardar dinheiro para a aposentadoria ou realizar um projeto pessoal.

O acesso ao mercado de crédito e serviços bancários também é um dos apontamentos que a pesquisa aborda. Dados mostram como as ofertas de crédito representam uma forma de driblar as vulnerabilidades sociais para as mulheres negras da classe DE (52,3%), mas que a maior porcentagem de solicitações de empréstimo ainda é concentrada em classes mais privilegiadas (24,1%). Isso se confirma ao observar que a maior parcela é de usuários de serviços financeiros são homens da classe AB1, que utilizam, em média, 5,8 produtos, entre cartões de crédito e débito, conta corrente, investimentos, débito automático, seguros ou crédito pessoal.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Os dados são reflexo de mais de 2 mil pessoas entrevistadas, entre homens e mulheres, na faixa etária de 18 a 40 anos, de todas as etnias e regiões do Brasil. O estudo foi dividido em três fases: a primeira consistiu em análise interna com equipes e clientes; a segunda foi uma pesquisa expandida entre as regiões do país e, por fim, a pesquisa se debruçou em análises quantitativas e qualitativas.

Mais resultados deste trabalho estão compilados em 22 páginas que mostram como os brasileiros possuem uma visão distorcida das finanças, que despertam sentimentos diferentes entre as classes sociais. Isso explica o conceito de dismorfia financeira.

Segundo Felipe Félix, fundador do Will Bank, a instituição percebia este comportamento em seus clientes e sentiu a necessidade de explorar em um estudo os gatilhos que promovem o problema entre os brasileiros. Para ele, os gatilhos são irracionais e moldam como as pessoas vão consumir e tomar as suas decisões financeiras.

“Quais são esses gatilhos que impedem as pessoas de serem incluídas financeiramente? A pesquisa mostra que tem muito a ver sobre a falta de pertencimento (ao ambiente bancário). As pessoas não se enxergarem. Então, acho que a gente tem uma expectativa muito positiva de que a partir do conhecimento é possível mudar essa realidade e esse vai ser um dos nossos objetivos, tendo o crédito como direito humano. O estudo envelopa todos esses aprendizados e dá o nome a ele ?, mas isso é um processo contínuo”, reforçou Félix.

Ainda segundo o executivo, a visão geral do estudo já é trabalhada internamente e irá auxiliar a equipe a simplificar os seus produtos, entender como devem se comunicar e levar clientes para uma posição de protagonista.

Publicidade

Web Stories

Ver tudo
<
>

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos