Publicidade

Mercado

Abertura de Mercado: frustração com China derruba bolsas e commodities

Abertura de Mercado: frustração com China derruba bolsas e commodities
Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) 19/05/2022 REUTERS/Andrew Kelly

A primeira sessão desta semana começa com um tom mais negativo nos mercados internacionais em
decorrência dos preços das principais commodities em baixa após a divulgação de dados de indústria e varejo mais fracos do que o esperado na China – o que provocou um (inesperado) corte de juros por lá para estimular a economia. Neste cenário, petróleo, minério de ferro e cobre aceleraram perdas de mais de 3%, enquanto os índices futuros de Nova York e as principais bolsas da Europa operam no vermelho.

Além disso, os investidores também aguardam indicadores de atividade nos Estados Unidos, assim como os discursos de dirigente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), após os dados de inflação abaixo do esperado na semana passada elevarem as expectativas sobre um aperto de juros em menor magnitude em setembro.

Considerando as preocupações com a economia chinesa e os impactos sobre a dinâmica das commodities, é provável que muito ativos domésticos tenham um dia de ajustes negativos – principalmente o Ibovespa, depois da alta firme na última sexta-feira, acima dos 112 mil pontos.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Como direcionadores locais, os agentes acompanharão as falas do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e, na frente fiscal, propostas em discussão de elevar o salário de algumas carreiras públicas podem elevar as preocupações em torno do rumo das contas do governo – neste e nos próximos anos –, voltando a sugerir adição de prêmios ao longo de toda a curva futura de juros.

Agenda econômica (15/08)

Brasil: O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), indicador que tenta antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), de junho será divulgado hoje (9h) e a mediana das estimativas aponta alta de 0,38% após queda de 0,11% em maio. Na comparação anual os economistas projetam avanço de 2,60%, abaixo dos 3,74% registrados em maio.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, faz palestra (9h20).

Dados da balança comercial referentes à segunda semana de agosto também são esperados (15h), assim como os resultados do segundo trimestre de Nubank, Inter, Caixa Seguridade, CSN Mineração e Itaúsa, todos após o fechamento dos mercados.

Nos próximos dias, destaque para o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) de agosto, que sai na quarta-feira (17).

EUA: A ata referente à última reunião de política monetária do Federal Reserve é o destaque da semana, mas será conhecida apenas na quarta-feira. Antes disso, hoje saem os índices de agosto de atividade industrial Empire State (9h30) e de confiança das construtoras (11h), assim como o diretor do Fed, Christopher Waller, que vota no Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC) fala em evento (11h50).

Publicidade

Amanhã, sai a produção industrial em julho, enquanto na quarta-feira as vendas no varejo e discursos da diretora do Fed, Michelle Bowman (vota) estão programados. Finalmente, a dirigente do Fed de Kansas City, Esther George (que também vota no FOMC) faz um pronunciamento ao mercado na quinta-feira.

Europa: Amanhã será conhecido o Índice ZEW de expectativas econômicas da Alemanha em agosto. Na quarta-feira o PIB da zona do euro do segundo trimestre será divulgado e, no dia seguinte, sai o índice de preços ao consumidor (CPI) da zona do euro final para o mês de julho.

China: A produção industrial aumentou 3,8% em relação ao ano anterior em julho, ligeiramente abaixo do aumento de 3,9% em junho, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas (NBS), um resultado que ficou aquém do crescimento de 4,5% esperado. Enquanto isso, as vendas no varejo, cresceram 2,7% em relação ao ano anterior em julho, abaixo da expansão de 3,1% de junho e do aumento de 5% esperado por economistas pesquisados.

Como resultado desses números mais fracos, o Banco do Povo da China (PBoC, o banco central do país asiático) baixou a taxa de empréstimos de médio prazo (MLF) de um ano para 2,75% e a taxa de recompra reversa de sete dias para 2,0%, gerando expectativas de redução também das taxas de empréstimo e referência da China – a taxa básica de empréstimo – no final deste mês.

Com isso, o banco central local injetou liquidez de 400 bilhões de yuans (algo como US$ 59 bilhões) na economia.

Publicidade

Web Stories

Ver tudo
<
>