DÓLAR R$ 5,14 +0,51% BBDC4 R$ 18,90 +1,83% EURO R$ 5,25 +0,68% MGLU3 R$ 3,10 -5,20% IBOVESPA 108.744,85 pts +0,32% ITUB4 R$ 25,93 +2,73% PETR4 R$ 37,29 +1,80% ABEV3 R$ 14,72 -0,54% GGBR4 R$ 25,15 +1,21% VALE3 R$ 69,95 +2,00%
DÓLAR R$ 5,14 +0,51% BBDC4 R$ 18,90 +1,83% EURO R$ 5,25 +0,68% MGLU3 R$ 3,10 -5,20% IBOVESPA 108.744,85 pts +0,32% ITUB4 R$ 25,93 +2,73% PETR4 R$ 37,29 +1,80% ABEV3 R$ 14,72 -0,54% GGBR4 R$ 25,15 +1,21% VALE3 R$ 69,95 +2,00%
Delay: 15 min
Mercado

Ação da Eletrobras desaba após resultados e adiamento de privatização

Lucro líquido caiu 65,6% no 3º tri de 2021, na esteira do aumento de provisões para pagamento de compulsórios

Ação da Eletrobras desaba após resultados e adiamento de privatização
Lucro líquido da Eletrobras caiu 65,6% no 3º tri de 2021; ações sentiram o impacto nesta quarta-feira e abriram em forte queda (Foto: Brendan McDermid/Reuters)
  • Os papéis da Eletrobras abriram em forte queda nesta quarta-feira (17)
  • A reação acontece após a divulgação do balanço do 3º trimestre, que veio com uma queda de 65,7% no lucro líquido. O montante passou de R$ 2,8 bilhões, entre julho e setembro do ano passado, para os atuais R$ 965 milhões
  • De acordo com a empresa, o resultado foi afetado por ajustes na contabilização de provisões para contingências de R$ 9,4 bilhões, principalmente relacionadas a processos judiciais de empréstimos compulsórios

Os papéis da Eletrobras abriram em forte queda nesta quarta-feira (17). Até às 12h58, a ELET6 estava em baixa de 4,32%, aos R$ 32,58. A reação acontece após a divulgação do balanço do 3º trimestre, que veio com uma queda de 65,7% no lucro líquido. O montante passou de R$ 2,8 bilhões, entre julho e setembro do ano passado, para os atuais R$ 965 milhões.

De acordo com a empresa, o resultado foi afetado por ajustes na contabilização de provisões para contingências de R$ 9,4 bilhões, principalmente relacionadas a processos judiciais de empréstimos compulsórios. Por outro lado, o lucro líquido recorrente (sem os efeitos pontuais, como as provisões) foi de R$ 3,7 bilhões, o que representa uma alta de 3.754% na comparação com o mesmo período de 2020.

O EBITDA (Lucro antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização) cresceu 4% nos últimos 12 meses, atingindo os R$ 5,5 bilhões. A receita operacional líquida também apresentou crescimento, de 45%, chegando aos R$ 9,9 bilhões. Para Alexandre Achui, head da mesa private de ações e sócio da BRA, apesar da melhora operacional, a explosão de provisões foi uma surpresa bastante negativa para o mercado.

“O mercado vê a provisão de contingências judiciais, relativo à disputas de empréstimos compulsórios, aumentando para R$ 9,4 bilhões de reais como bem negativo. São taxas que foram cobradas nas contas de energia e que o governo se comprometeu à devolver em ações ou dinheiro como crédito na conta de luz”, afirma Achui.

Ainda assim, a queda nas ações no pregão desta quarta-feira aconteceria mais na esteira do noticiário recente sobre privatizações, do que pelos números. “Uma informação de ontem é que a privatização da Eletrobras pode atrasar porque seu relator no TCU, ministro Aroldo Cedraz, não deve liberar o julgamento pelo plenário até 8 de dezembro. Ou seja, deve ficar somente para ano que vem”, afirma João Beck, economista e sócio da BRA.

Já o BTG Pactual manteve recomendação de compra para os papéis, com preço-alvo de R$ 68 – isto é, uma alta de quase 100% em relação ao patamar atual. Ainda assim, a instituição ressaltou que é necessário ‘entender melhor’ o que levou ao aumento expressivo do empréstimo compulsório, uma vez que seria um relevante componente do processo de privatização.

E para os próximos meses?

Na visão de Beck, há pouco o que se esperar da Eletrobras no longo prazo, principalmente considerando que a privatização ficará para 2022, ano das eleições presidenciais. “Privatizações são processos impopulares que têm dificuldade de serem executados em ano eleitoral”, explica o economista. “ Como 2022 é ano eleitoral, o processo de privatização deve ficar para o primeiro ano do próximo presidente.”

Segundo Achui, fora as questões políticas, um das principais riscos no curto prazo em relação à companhia é o agravamento de uma crise hídrica. “O destaque positivo fica somente por conta do setor de transmissão, com forte desempenho operacional e com o possível afastamento temporário de um crise hídrica, graças às chuvas de outubro”, explica.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos