Mercado

Como Bezos, Musk e Zuckerberg perderam US$ 1,4 trilhão

O cenário marca uma mudança em relação aos dois anos anteriores

Como Bezos, Musk e Zuckerberg perderam US$ 1,4 trilhão
Foto: Hannibal Hanschke/ File Photo/ Reuters

As 500 pessoas mais ricas do mundo perderam, ao todo, US$ 1,4 trilhão no primeiro semestre de 2022. Nomes como Jeff Bezos e Elon Musk viram a fortuna minguar quase US$ 63 bilhões e US$ 62 bilhões, respectivamente, enquanto Mark Zuckerberg perdeu mais da metade de seu patrimônio líquido, segundo informações da Bloomberg.

O cenário marca uma mudança em relação aos dois anos anteriores, quando a riqueza dos multimilionários cresceu por conta das políticas adotadas por governos, no contexto da pandemia da covid-19.

Agora, bancos centrais do mundo todo adotam uma postura hawkish, de aumento da taxa de juros para conter a inflação elevada. Na sexta-feira  (14), o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) afirmou que há urgência para reduzir a inflação no país e sinalizou que continuará a aumentar a taxa de juros, atualmente no intervalo de 3% a 3,25% ao ano.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Os números já refletem na empresas de tecnologia. Segundo analistas do mercado, as empresas do setor tec costumam ser penalizadas com aumento da taxa de juros e da inflação por terem fluxo de caixa previsto para os próximos anos.

No segundo trimestre de 2022, a Tesla, por exemplo, reportou o resultado mais fraco desde 2010, com variação negativa de 38% nas ações. Já a Apple registrou uma queda de quase 22% no mesmo período.

Segundo Aline Tavares, analista da Spiti, a maior parte do valor de mercado dessas empresas está projetado para os próximos anos.

Na prática, quando se calcula o valuation (termo em inglês para estimar o valor real de uma empresa), os analistas projetam o fluxo de caixa das companhias e definem o valor de mercado com uma taxa de desconto. “Nesta taxa de desconto, usamos os juros futuros que são uma precificação do mercado sobre a perspectiva dos juros para daqui a 10 anos”, diz.

Quando há um cenário de aumento da inflação, Tavares diz que os investidores costumam prever novas altas da taxa de juros para os próximos anos. Com isso, o valor das empresas tende a cair. “Quando temos altas na taxa de juros, há uma desaceleração econômica. Então, teoricamente, o crescimento das empresas nos próximos anos pode ser prejudicado”, acrescenta a analista da Spiti.

Publicidade

Web Stories

Ver tudo
<
Golpes eletrônicos: confira 7 golpes digitais para roubar o seu dinheiro
Ataque cibernético: relembre 7 sabotagens que afetaram o mercado financeiro
Como investir em IA para ganhar dinheiro?
5 passos para planejar a independência financeira dos seus filhos
Como identificar as notas antigas do real que saíram de circulação?
Reforma tributária: quais alimentos terão imposto zerado ou reduzido? Confira lista
Voo cancelado pelo apagão cibernético? Veja o que fazer
Apagão cibernético: veja quais bancos brasileiros foram afetados
Novo aumento da gasolina? Entenda porque Petrobras pode mexer de novo no preço dos combustíveis
Bancos digitais: confira 5 contas que melhor pagam seus clientes
O que é BPC? Por que governo quer fazer pente-fino neste benefício social?
Mega-Sena: como aumentar minhas chances de vencer?
>