MGLU3 R$ 3,67 -1,61% EURO R$ 5,19 +0,71% BBDC4 R$ 19,68 +1,39% DÓLAR R$ 4,86 +0,00% ABEV3 R$ 13,98 -1,13% ITUB4 R$ 25,18 +1,45% PETR4 R$ 34,95 +2,28% IBOVESPA 108.487,88 pts +1,39% VALE3 R$ 81,37 +1,90% GGBR4 R$ 27,95 +3,33%
MGLU3 R$ 3,67 -1,61% EURO R$ 5,19 +0,71% BBDC4 R$ 19,68 +1,39% DÓLAR R$ 4,86 +0,00% ABEV3 R$ 13,98 -1,13% ITUB4 R$ 25,18 +1,45% PETR4 R$ 34,95 +2,28% IBOVESPA 108.487,88 pts +1,39% VALE3 R$ 81,37 +1,90% GGBR4 R$ 27,95 +3,33%
Delay: 15 min
Mercado

XP: Commodities, varejo e transporte são as apostas para 2022

Após fazer um balanço de 2021, a XP espera um ambiente macroeconômico mais desafiador para o Brasil

XP: Commodities, varejo e transporte são as apostas para 2022
Foto: Shutterstock
  • A taxa de juros Selic, que começou 2021 em 2% ao ano, deve subir até 11,5% em 2022, e fechar o ano em 11%

Após fazer um balanço do ano de 2021, a XP espera um ambiente macroeconômico mais desafiador para o Brasil em 2022. Nesse cenário, a corretora mantém três temas principais nas ações brasileiras: Commodities, que continuam sendo um bom hedge de inflação e dólar; histórias de crescimento secular como papéis de varejo, transportes e bens de capital isoladas de uma história Macro mais dura; e oportunidades específicas em alguns nomes de qualidade que sofreram forte correção recentemente, como shoppings e alguns bancos.

Em extenso relatório assinado pelo estrategista chefe e Head do Research, Fernando Ferreira; a estrategista de ações, Jennie Li e a analista de estratégia de ações, Rebecca Nossig, a corretora contextualiza os principais acontecimentos macroeconômicos de 2021 e suas repercussões para o mercado de ações, a XP informa que a equipe da casa espera que o crescimento econômico desacelere consideravelmente – para 0% – resultado de um aperto material nas condições monetárias, que teve início em 2021.

A taxa de juros Selic, que começou 2021 em 2% ao ano, deve subir até 11,5% em 2022, e fechar o ano em 11%.

“Um dos principais tópicos de discussão para o Brasil nos próximos cinco anos será a trajetória fiscal, das contas públicas do governo, avalia a XP.

Para a corretora, a combinação de um alto nível de dívida em relação ao PIB (83%, um dos maiores entre mercados emergentes) com taxas de juros muito elevadas, é muito desafiadora.

“Como resultado, o Brasil deve decidir entre apertar a política fiscal no médio prazo e estabilizar a dinâmica da dívida ou correr o risco de retornar ao velho cenário macroeconômico: gastos altos, inflação pressionada e taxas de juros elevadas: Essa será a questão-chave para monitorar no ciclo eleitoral do ano que vem”, avalia.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos