DÓLAR R$ 5,26 -1,74% MGLU3 R$ 19,69 -1,06% EURO R$ 6,34 -1,34% ITUB4 R$ 27,26 -0,76% BBDC4 R$ 23,87 +0,13% ABEV3 R$ 16,09 +8,28% GGBR4 R$ 35,29 +2,44% IBOVESPA 119.444,13 pts -0,10% PETR4 R$ 23,63 -0,84% VALE3 R$ 113,35 +2,38%
DÓLAR R$ 5,26 -1,74% MGLU3 R$ 19,69 -1,06% EURO R$ 6,34 -1,34% ITUB4 R$ 27,26 -0,76% BBDC4 R$ 23,87 +0,13% ABEV3 R$ 16,09 +8,28% GGBR4 R$ 35,29 +2,44% IBOVESPA 119.444,13 pts -0,10% PETR4 R$ 23,63 -0,84% VALE3 R$ 113,35 +2,38%
Delay: 15 min

Mercado Intraday: Ibov negocia abaixo dos 119 mil pontos

Foto: Amanda Perobelli/Reuters

A primeira semana de maio começou com comportamento positivo nas bolsas da Europa . Na zona do euro, o PMI Industrial atingiu patamar recorde de 62,9 pontos em abril, indicando continuidade no processo de retomada econômica na região.

Após iniciar o pregão em alta, as bolsas de Nova York seguiram caminhos divergentes, com o índice Nasdaq virando para o negativo no fim da manhã, com as quedas da Amazon e Tesla. Na agenda de indicadores, o índice de gerentes e compras (PMI) industrial dos EUA subiu a 60,5 em abril, em nível recorde, ante previsão de 60,6 dos analistas.

Já o PMI da indústria americana do ISM recuou a 60,7 em abril no país, abaixo da expectativa de 65. A perspectiva de reativação da economia dos Estados Unidos, com avanço na vacinação contra a covid-19 e estímulos fiscais, antes da divulgação do dado de payroll na sexta-feira, seguem no radar e devem sustentar o apetite a risco na premira semana de maio. O sentimento é limitado pela expectativa pelo discurso, hoje, do presidente do banco central americano, Jerome Powell.

No Brasil, a semana será agitada por uma agenda importante, com destaque para a decisão de política monetária do COPOM, na quarta-feira, os números das vendas no varejo e produção industrial além da safra de balanços corporativos do 1T21.

Fica ainda no radar dos investidores o cenário político e as discussões sobre a Reforma Tributária. O Ibovespa, negociava a pouco, ao redor de 118.700 pontos, (-0,14%). Entre as ações Sabesp, Usiminas e equatorial figuravam entre as maiores quedas e CCR, Iguatemi e Totvs entre as maiores altas. No câmbio, o dólar negociava em queda, abaixo de R$ 5,40.

Invista com o apoio de conteúdos exclusivos e diários. Cadastre-se na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos