Publicidade

Tempo Real

BofA: Ambev (ABEV3) é a ação que mais caiu nos últimos 5 anos em seu segmento

O banco avalia, no entanto, que a empresa tem operações mais fortes do que há 10 anos

BofA: Ambev (ABEV3) é a ação que mais caiu nos últimos 5 anos em seu segmento
Ambev é dona de mais de 100 rótulos de cervejas pelo mundo. Foto: Divulgação/Ambev

A Ambev (ABEV3) é a ação da cobertura de Alimentos e Bebidas do Bank of America (BofA) que sofreu a maior desvalorização nos últimos cinco anos. O banco, no entanto, acredita que a pessimismo parece exagerado, considerando a expectativa de um “sólido impulso” de lucros nos próximos trimestres e a desaceleração dos custos.

Os papéis estão sendo negociados a 5,8 vezes a relação entre valor da empresa e o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, o Ebitda, (EV/Ebitda) e 11,8 vezes a relação entre preço e lucro (P/E). Segundo cálculos do banco, este é um desconto de 38% sobre a média de cinco anos com base no EV/Ebitda e de 30% com base no P/E.

Enquanto isso, pares do setor negociam com um desconto médio de 11% em relação aos históricos no EV/Ebitda e em linha com base no P/E.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

“Nestes níveis, acreditamos que há desvantagens limitadas, embora permaneçamos construtivos quanto à dinâmica dos lucros e reiteramos a compra”, afirmaram os analistas Isabella Simonato, Julia Zaniolo e Fernando Olvera.

A redução do valuation (valor do ativo, cálculo em que é possível estimar o preço mais provável do ativo ou empresa em dado momento) da Ambev acelerou após a pandemia em 2021 e 2022, impulsionada pela contração sequencial da margem, principalmente no Brasil. O banco ainda destaca que as preocupações na Argentina, em meio à forte desvalorização do peso e à inflação elevada também motivaram a desvalorização.

Por outro lado, o BofA avalia que a indústria de cerveja no Brasil está crescendo e que a empresa tem operações mais fortes do que há 10 anos, com um portfólio mais amplo e mais premium em meio a um ambiente competitivo mais racional.

O preço-alvo é de R$ 15,50, o que representa um potencial de valorização de 12,9% em relação ao fechamento de ontem, segunda-feira (17).

Web Stories

Ver tudo
<
>