Tempo Real

BTG Pactual inicia cobertura da Hypera (HYPE3); confira recomendação

Em relatório, analistas avaliam que a empresa tem um perfil de negócios defensivo, diversificado e resiliente

BTG Pactual inicia cobertura da Hypera (HYPE3); confira recomendação
Complexo industrial farmacêutico da Hypera, em Anápolis (GO) Foto: Hypera/ Divulgação

O BTG Pactual (BPAC11) iniciou cobertura de Hypera (HYPE3) com recomendação neutra. Os analistas Samuel Alves, Yan Cesquim e Luiz Guanais, que são “grandes fãs” do mercado farmacêutico, segundo relatório, avaliam que a empresa tem um perfil de negócios defensivo, diversificado e resiliente, com forte potencial de crescimento e sólidas perspectivas de fluxo de caixa livre (FCF).

“A Hypera está muito bem posicionada para surfar os ventos favoráveis do setor. No entanto, apesar de uma liquidação no acumulado do ano (-27% em relação ao pico de 2023 e -23% no acumulado do ano), nossa recomendação neutra reflete, em última análise a fraca dinâmica dos lucros do curto prazo (guidance recentemente reduzido para o ano fiscal de 2023; potenciais novos cortes nas estimativas de consenso (lucro por ação estimado pelo BTG está 10% abaixo do mercado para 2024), já que o guidance para o ano fiscal de 2024 não deve oferecer muita alegria; e potencialmente mais ruído no curto prazo sobre incentivos fiscais”, dizem Alvez, Cesquim e Guanais.

Mesmo supondo a continuidade dos subsídios do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), mas com o fim dos incentivos fiscais para juros sobre capital próprio (JCP), o modelo da casa orientado por Fluxo de Caixa Descontado (DCF) indica um preço-alvo de R$ 37,50/ação para o ano de 2024, oferecendo um baixo potencial de alta, de 9,3%.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Em relação ao setor farmacêutico, os analistas dizem que todos os olhos estão voltados para a Reforma Tributária e suas “potencialmente enormes implicações”. “Nosso caso base: fim do benefício fiscal do JCP a partir de 2025 e continuidade dos subsídios do ICMS (o fim desses subsídios reduziria em 25% o valor líquido do ativo justo da Hypera). Claramente, as ações serão fortemente influenciadas por todos os novos desenvolvimentos deste assunto”, afirma o BTG.