EURO R$ 5,18 -0,05% DÓLAR R$ 5,10 +0,05% MGLU3 R$ 4,04 +13,41% BBDC4 R$ 19,43 -0,56% ABEV3 R$ 15,42 +1,45% ITUB4 R$ 26,97 +0,97% PETR4 R$ 31,72 -0,35% GGBR4 R$ 25,82 -1,07% IBOVESPA 113.031,98 pts +0,24% VALE3 R$ 68,30 -2,08%
EURO R$ 5,18 -0,05% DÓLAR R$ 5,10 +0,05% MGLU3 R$ 4,04 +13,41% BBDC4 R$ 19,43 -0,56% ABEV3 R$ 15,42 +1,45% ITUB4 R$ 26,97 +0,97% PETR4 R$ 31,72 -0,35% GGBR4 R$ 25,82 -1,07% IBOVESPA 113.031,98 pts +0,24% VALE3 R$ 68,30 -2,08%
Delay: 15 min

Os contratos futuros de cobre fecharam em alta hoje, em dia marcado pela avaliação dos dados recentes publicados para a indústria, especialmente os índices de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da China, e os impactos da variante Ômicron do coronavírus. A sessão representou ainda a volta das operações em Londres, que estiveram fechadas nos últimos dias em virtude dos feriados.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o cobre com entrega prevista para março subiu 1,21%, a US$ 4,3925 por libra-peso, enquanto a tonelada do metal para três meses na London Metal Exchange (LME), às 15h00, tinha alta de 0,85%, para US$ 9.803,50 a tonelada.

O PMI industrial chinês medido pela IHS Markit em parceria com a Caixin Media subiu de 49,9 em novembro para 50,9 em dezembro. Já o PMI industrial oficial, divulgado na semana passada, mostrou avanço de 50,1 para 50,3 no mesmo período.

“A Ômicron está se espalhando pelo mundo como um incêndio, mas o complexo de manufatura global conseguiu suportar o aumento de casos. A demanda por commodities está se mostrando resistente, especialmente porque a demanda por bens permanece muito mais isolada do que a de serviços”, avalia o TD Securities. Por sua vez, o banco lembra que os riscos tanto para a demanda quanto para a oferta estão aumentando à medida que a China segue em sua estratégia de tolerância zero com a Covid-19

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos