DÓLAR R$ 5,23 +0,00% MGLU3 R$ 19,79 +1,70% EURO R$ 6,37 +0,00% BBDC4 R$ 24,07 +0,46% ITUB4 R$ 27,65 +1,28% IBOVESPA 122.038,11 pts +1,77% PETR4 R$ 24,29 +3,36% ABEV3 R$ 16,26 +0,49% GGBR4 R$ 36,40 +1,05% VALE3 R$ 115,49 +0,38%
DÓLAR R$ 5,23 +0,00% MGLU3 R$ 19,79 +1,70% EURO R$ 6,37 +0,00% BBDC4 R$ 24,07 +0,46% ITUB4 R$ 27,65 +1,28% IBOVESPA 122.038,11 pts +1,77% PETR4 R$ 24,29 +3,36% ABEV3 R$ 16,26 +0,49% GGBR4 R$ 36,40 +1,05% VALE3 R$ 115,49 +0,38%
Delay: 15 min
Últimas notícias

Rio Bravo: Projeção de PIB 2021 deve subir de 3,2% a 3,8%

(Estadão Conteúdo) – A Rio Bravo Investimentos está mais otimista com a atividade econômica no Brasil e deve elevar a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2021 de 3,20% para 3,80% com a avaliação de que o impacto do recrudescimento da pandemia de covid-19 e do aumento de medidas restritivas não parece ter sido tão negativo quanto se esperava, explica o economista João Leal. Contudo, Leal pondera que permanece no radar o risco de uma terceira onda de contaminação no início do terceiro trimestre, que pode limitar a recuperação mais vigorosa prevista no cenário para a segunda metade do ano.

Diante do desempenho surpreendentemente positivo do varejo e de serviços em fevereiro, Leal já alterou a projeção de queda de 0,50% inicialmente prevista para o primeiro trimestre para alta de 0,40%. No segundo trimestre, o cenário ainda é de queda, de cerca de 0,50%, mas indicadores preliminares apontam que a “economia está voltando”, o que deve provocar revisão para estabilidade.

Mas, segundo Leal, pode estar se formando uma “tempestade perfeita” para uma nova onda de infecções, uma vez que as decisões políticas para a reabertura econômica ocorrem mesmo diante da situação crítica da doença e a vacinação dos grupos de risco só deve terminar em julho, em sua projeção.

“Com essa reabertura que está se intensificando, e os dados da pandemia não apontam para essa liberdade, corremos risco grande de nova onda. Aí é discussão será política de novo. Se vai fechar a economia, e o que vai ser feito para evitar nova queda da atividade, se terão novas rodadas de auxílio emergencial… Vamos viver um limbo fiscal até fim do ano, até a vacinação avançar.”

Citando pressões já existentes no Congresso para a expansão do auxílio emergencial, Leal diz que o risco para novas exceções ao teto de gastos é razoável, sobretudo considerando que o benefício está previsto para acabar em julho, quando pode haver nova piora da pandemia. Mas ele avalia que a reação dos mercados e de agências de classificação de risco deve depender do tamanho do novo gasto, considerando sua necessidade em meio à pandemia.

“Mas, no longo prazo, considerando 2022, um período eleitoral, temos um risco muito grande de ficar em um limbo em que não sabemos se o governo está realmente se importando com o teto de gastos, se vai ser rompido ou não.”

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos