EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Comportamento

Ex-chefe de diversidade do Morgan Stanley processa banco por racismo

Marilyn Booker trabalhou por 16 anos no banco à frente de projetos de inclusão racial

Marilyn Booker, Morgan Stanley
Marilyn Booker ingressou, nesta terça-feira (16/6), com uma ação contra o Morgan Stanley por discriminação e retaliação racial. (Bryan Anselm/The New York Times)
  • Demitida em dezembro, Marilyn Booker é um raro caso de executiva de alto escalão a processar um banco de Wall Street por discriminação
  • Ela diz ter decidido mover a ação após protestos tomarem os Estados Unidos em decorrência do assassinato de George Floyd
  • Em 2007, Morgan Stanley fechou acordo para encerrar ação coletiva de US$ 24 milhões movida por ex-funcionários negros

(Emily Flitter, The New York Times News Service) – Durante os 26 anos de carreira de Marilyn Booker no Morgan Stanley, incluindo 16 anos como chefe global de diversidade do banco, ela sempre sentiu o fato de que poucos de seus funcionários eram negros. Ela ainda estava tentando corrigir a situação, até uma manhã de dezembro, quando foi demitida.

Booker, que é negra, agora está processando o Morgan Stanley e seu ex-chefe, Barry Krouk, diretor administrativo da divisão de gerenciamento de patrimônio, por discriminação e retaliação racial. Ela acredita que foi demitida porque se esforçou demais para conseguir que os executivos seniores da divisão adotassem seu plano de reestruturar um programa de treinamento de consultores financeiros negros. Ela pensou que a reestruturação ajudaria os novatos a ter sucesso.

Processos de discriminação racial contra bancos de Wall Street não são novos. Nos últimos 15 anos, quase todos os grandes bancos sofreram uma ação coletiva por dezenas ou mesmo centenas de milhões de dólares. Booker, no entanto, é uma das funcionárias negras de maior destaque a entrar com uma ação judicial contra um banco nos últimos anos.

Marilyn Booker foi o rosto público do esforço de diversidade do banco

Booker ingressou no Morgan Stanley em 1994 para se tornar a primeira chefe global de diversidade do banco, um cargo de alto escalão no departamento de recursos humanos. Ela foi o rosto público dos esforços do banco para diversificar, representando-o em uma audiência no Congresso sobre diversidade em grandes bancos e fazendo aparições na TV. Em 2011, ela se mudou para o braço de gerenciamento de fortunas da empresa, onde fundou um grupo, o Urban Markets, que buscava conquistar mais clientes negros para a gestão financeira e ajudar as comunidades negras a construir sua riqueza, um papel que ela mantinha até ser demitida.

No início, Booker tentou lidar com sua separação da empresa em silêncio. Ela continuou a oferecer ajuda e conselhos aos funcionários negros que a procuravam. Mas, em junho, enquanto assistia aos protestos em todo o país contra a brutalidade policial e a desigualdade generalizada que os americanos negros enfrentam, ela decidiu que era hora de falar. Seus advogados entraram com um processo na terça-feira (16) em um tribunal federal no Brooklyn, Nova York.

“Minha história é a mesma de muitas pessoas negras em Wall Street”, disse ela, em entrevista. “Nosso destino está ligado à bondade de qualquer pessoa branca que esteja no comando. Não é assim que se tem uma carreira.”

Mary Claire Delaney, porta-voz do Morgan Stanley, disse que o banco rejeitou fortemente as alegações e se defenderia “no fórum apropriado”.

“Estamos firmes em nosso compromisso de melhorar a diversidade de nossos funcionários e fizemos progressos constantes, reconhecendo que ainda temos mais progressos a fazer”, disse Delaney. “Continuaremos a avançar nossos esforços de alta prioridade para nos tornarmos uma empresa mais diversificada e inclusiva”.

Morgan Stanley dedicou US$ 25 milhões a um novo programa de diversidade

Booker disse que também queria destacar a quantidade relativamente pequena de dinheiro que o banco destinou para programas de diversidade. Na semana passada, seu principal executivo, James P. Gorman, disse que o Morgan Stanley dedicaria US$ 25 milhões a uma nova iniciativa dentro do banco e doaria US$ 5 milhões à NAACP.

“O Morgan Stanley faturou US$ 41 bilhões no ano passado, que é uma queda no balde, que nem sequer é um erro de arredondamento”, disse Booker sobre a promessa de US$ 25 milhões de Gorman. “As pessoas precisam colocar essas coisas em contexto. Se houver uma iniciativa de negócios real em que eles estejam focados, ele colocará mais de seis dígitos nela.”

Ação coletiva em 2007 condenou Morgan Stanley a pagar US$ 24 milhões

Outros funcionários negros haviam processado o Morgan Stanley no passado, dizendo que estavam marginalizados e isolados enquanto tentavam fazer seu trabalho, e foram expulsos depois de falarem. Em 2007, o banco firmou um acordo para encerrar processo de ação coletiva de quase US$ 24 milhões em relação ao tratamento dos gerentes de nível médio dos funcionários negros e concordou em gastar US$ 7,5 milhões em uma ampla revisão de suas práticas de contratação e gerenciamento, incluindo novos programas de recrutamento e mentoria.

Mas os funcionários atuais e ex-funcionários dizem que nada mudou. O banco foi processado por pelo menos oito ex-funcionários nos últimos quatro anos (sem contar Booker), a maioria dos quais trabalhou como consultores financeiros e não ocupava cargos gerenciais. Nos arquivos dos tribunais, eles descreviam serem afastados de equipes formadas por seus colegas brancos, privados de liderança nos negócios que esses colegas compartilhavam rotineiramente entre si e deixavam de lado as reuniões com potenciais novos clientes.

Booker também sofreu incidentes de racismo, de acordo com seu processo. Em 2013, quando ela propôs a criação de um fundo mútuo com um capital mínimo de US$ 5.000 que poderia ser comercializado em comunidades negras com a ajuda do apresentador de TV negro Steve Harvey, o diretor de marketing do banco disse a ela que Harvey não era “condizente com nossa marca ou nosso público-alvo. ”

(O fundo acabou sendo criado sem o envolvimento de Booker, mas foi descrito como uma maneira de atrair a geração do milênio.)

Marilyn Booker foi demitida quando tentava aprovar novo projeto de diversidade

Ainda assim, Booker achava que ela poderia fazer a diferença, especialmente no que diz respeito aos consultores financeiros do Morgan Stanley. Seu trabalho é atrair novos clientes, indivíduos ricos ou instituições bem dotadas, e gerenciar seus investimentos para eles. Eles acabariam ganhando todo o seu dinheiro com comissões sobre esses investimentos e operações. Booker argumentou que os consultores negros precisavam de apoio extra, porque o isolamento que eles costumavam sofrer como novos contratados, geralmente recém-chegados da faculdade, estava tornando quase impossível para eles sobreviverem ao programa de treinamento de três anos do banco.

Ela chamou seu plano de Project Genesis. Krouk, disse ela, inicialmente parecia entusiasmado, designando dois analistas para trabalharem na equipe de Booker. Ela logo examinou os registros dos trainees de gestão de patrimônio negro e identificou áreas nas quais eles poderiam usar mais apoio, além de determinar quanto custaria ao banco fornecer esse apoio. Krouk insistiu que o diretor de operações da divisão de gerenciamento de patrimônio e seu chefe de diversidade também estivessem envolvidos.

Mas Booker foi frustrada em suas tentativas de apresentar a ideia e suas descobertas a executivos que não eram Krouk, de acordo com seu processo. O diretor de operações e o chefe de diversidade começaram a cancelar as reuniões com ela. Se tornou cada vez mais difícil falar com Krouk. E sempre que ela mencionava, era lhe dito que Krouk teria que ouvir sua apresentação primeiro e aprová-la.

Em 9 de dezembro, segunda-feira, ela foi ao escritório de Krouk para o que considerava uma reunião para finalmente discutir suas ideias para o projeto. Em vez disso, ele a conduziu a uma sala de conferências no corredor, onde um representante de recursos humanos estava esperando.

“Isso não pode ser bom”, disse Booker.

“Sinto muito”, disse a representante, antes de informar Booker que sua posição havia sido eliminada e que não haveria oportunidade para ela encontrar outro emprego dentro do banco. Então, ela se ofereceu para enviar uma nota dizendo que Booker “decidiu deixar a empresa e buscar outras oportunidades”.

“Eu estava pensando: ‘Antes de tudo, não decidi deixar a empresa; vocês me demitiram ”, disse Booker.

Ela recusou a oferta. “Eu nunca teria participado de algo assim”, disse ela, “porque essa não era a verdade”.

Bem informado você investe melhor. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos