EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Comportamento

Os ricos estão cortando gastos. Mas isso prejudica uma série de trabalhadores

Esse choque econômico tem sido devastador para a baixa renda que depende de gorjetas

(Foto: Evanto Elements)
  • Os gastos da alta renda têm sido retomados de maneira muito mais lenta
  • À medida que a desigualdade de renda cresce nos Estados Unidos, o mesmo ocorre com a desigualdade no consumo
  • Nos bons tempos, a proximidade com os ricos proporciona aos trabalhadores com salários mais baixos um nível mais alto de segurança no emprego

(Emily Badger e Alicia Parlapiano/NYT News Service) – Nos restaurantes próximos ao Lincoln Center, em Manhattan, as gorjetas geralmente aumentavam e diminuíam com a mudança da programação. Um musical popular pode significar mais clientes pré-show e mais renda. Uma atriz mais famosa como Eliza Doolittle poderia fazer o mesmo. O final de uma peça longa, como “My Fair Lady”, significa o contrário: as gorjetas demorariam um pouco.

“Estávamos dependentes de como os programas estavam indo no Lincoln Center e prestamos muita atenção a isso”, afirma Emma Craig, que trabalhava no Atlantic Grill, que fica a um quarteirão de distância, antes da crise do coronavírus. Ela ainda não retornou a esse emprego ou a outro em um clube privado no centro da cidade. Nos dois empregos, ela diz: “Eu sou dependente dessas gorjetas”. A recessão esmagou, em particular, esse tipo de trabalho: serviços que dependem diretamente dos gastos – e dos caprichos – dos ricos.

Economistas do grupo de pesquisa Opportunity Insights, de Harvard, estimam que a parcela de maior renda dos americanos seja responsável por cerca de metade do declínio no consumo durante essa recessão. E isso causou estragos nos trabalhadores de serviços com salários mais baixos, dizem os pesquisadores. “Uma das coisas que esta crise tornou saliente é a interdependência de nossa saúde”, diz Michael Stepner, economista da Universidade de Toronto. “Estamos vendo o espelho disso no lado econômico.”

À medida que a desigualdade de renda cresce nos Estados Unidos, o mesmo ocorre com a desigualdade no consumo. Isso significa que, quando os ricos gastam dinheiro, eles dirigem mais da economia do que há 50 anos. E mais trabalhadores dependem deles. Em outras palavras, esse choque econômico em particular – que interrompeu muitos gastos pessoais, mesmo por pessoas ricas que nunca perderam o emprego – tem sido devastador para uma parte da economia na qual muitos trabalhadores de baixa renda contam com pessoas de alta renda gastando dinheiro.

Stepner e os economistas Raj Chetty, Nathaniel Hendren e John Friedman coletaram dados de processadores de cartão de crédito, empresas de folha de pagamento e outras empresas privadas que monitoram como e onde as pessoas gastam seu dinheiro, e como as empresas e seus trabalhadores foram afetados como resultado. Ao vincular os gastos com cartão de crédito e débito para milhões de moradores de bairros mais pobres, eles estimam que o corte de gastos foi de cerca de 30% dos níveis pré-coronavírus.

Agora, com a ajuda do estímulo do governo, os gastos da baixa renda caem apenas cerca de 5%. “Não é apenas um pouco maior em termos percentuais”, diz Chetty sobre as mudanças feitas pelos ricos. “Em dólares absolutos, isso é como metade do jogo.” Os pesquisadores apontam para vários padrões curiosos ligados a esse fato: as reivindicações de desemprego têm sido altas em países ricos que estavam imunes à última recessão. E os americanos de baixa renda que vivem nesses países mais ricos foram particularmente atingidos. Seus gastos caíram mais do que os trabalhadores de baixa renda nos municípios mais pobres.

Esta crise é diferente para o setor de serviços

No endereço onde Craig trabalhava, perto do Lincoln Center, a receita das pequenas empresas caiu 72% no ponto mais baixo. Ainda está na metade. Nas recessões anteriores, o setor de serviços era uma das partes mais resilientes da economia. Em tempos de inatividade, os consumidores geralmente reduzem grandes bens duráveis, como a compra de uma nova máquina de lavar ou de um carro. Mas enquanto você pode dirigir um pouco mais seu carro velho, talvez não consiga prolongar sua próxima viagem à lavanderia por um ano ou dois.

No passado, os restaurantes já foram o local onde trabalhadores demitidos em outras áreas da economia encontraram trabalho. Portanto, nunca vimos nada parecido com essa recessão no setor de serviços – onde os garçons perdem seus empregos antes dos trabalhadores da construção, onde restaurantes e salões anteriormente prósperos sofreram as maiores perdas. O setor de serviços também vinha se expandindo ao longo do tempo, substituindo empregos de colarinho azul na fabricação, que eram mais estáveis ​​e pagavam mais. Especialmente nas cidades grandes e caras, o vasto setor de serviços é agora o lugar onde os ricos e os pobres se encontram.

Agora, cidades como Washington, que passaram relativamente incólume na Grande Recessão – graças à alta renda média e a todos os serviços prestados -, sofrem muito mais com a recessão do coronavírus. Os dados iniciais de desemprego confirmam isso. Até abril, Washington perdeu 10% de seus empregos. Durante a Grande Recessão, a cidade aumentou o emprego em 3%. Os municípios de San Francisco e San Mateo perderam 16% de seus empregos durante a pandemia, praticamente em linha com as perdas de empregos em todo o país. Durante a recessão anterior, esses municípios conseguiram empregos, enquanto o emprego no resto do país caiu 3% no total e quase 5% nos municípios mais pobres.

O desemprego foi ainda mais desigual nas recessões de 1991 e 2001, com maiores perdas de empregos nos municípios mais pobres. Em outras palavras, nos bons tempos – ou mesmo em crises mais típicas – a proximidade com os ricos proporciona aos trabalhadores com salários mais baixos um nível mais alto de segurança no emprego. Neste momento peculiar do coronavírus, esse arranjo parece notavelmente precário, principalmente para mulheres e trabalhadores negros e hispânicos, mais dependentes de empregos no setor de serviços.

Esperando que os ricos gastem novamente

Nas últimas semanas, os gastos dos pobres quase voltaram aos níveis pré-crise, graças à ampliação dos benefícios de desemprego – o consumo de baixa renda disparou após 15 de abril no momento em que foram depositados os estímulos federais. Mas a taxa de desemprego permanece em seu nível mais alto desde a Grande Depressão. Os gastos da alta renda têm sido retomados de maneira muito mais lenta. Parte do consumo também passou a ser on-line, o que não ajuda as empresas locais.

Para os formuladores de políticas de Washington, é difícil persuadir mais gastos com pessoas cautelosas em deixar suas casas e direcionar esses gastos para as empresas e trabalhadores mais afetados. “Se o problema subjacente é que as pessoas têm medo de interagir em estreita proximidade e têm medo de ir às compras, a única maneira de fazer as coisas voltarem ao normal é resolver o problema da saúde pública”, afirma Friedman, economista da Brown e pesquisador do projeto. Isso pode significar expandir a rede de segurança para trabalhadores com baixos salários, sugerem os pesquisadores, para ajudá-los a sobreviver até o momento.

Bem informado você investe melhor. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos