Criptomoedas

Bitcoin Pizza Day: os 13 anos da compra de duas pizzas por 10 mil BTC

Em 2010, valor da moeda digital era de apenas US$ 0,0041. Atualmente, ativo vale cerca de US$ 26.440

Bitcoin Pizza Day: os 13 anos da compra de duas pizzas por 10 mil BTC
O bitcoin é o maior ativo digital em valor de mercado. (Foto: Envato Elements)
  • O que hoje compra duas vezes a mansão mais cara do mundo, vendida em 2022 por US$ 141 milhões, há exatos 13 anos comprou apenas duas pizza
  • No dia 22 de maio de 2010, ocorreu a primeira transação financeira com bitcoins, quando as redondas foram compradas pelo valor de 10 mil BTC. O dia ficou conhecido como Bitcoin Pizza Day e é um marco no mundo cripto
  • Especialistas dizem que mesmo após quebra de empresas do setor cripto, bitcoin segue forte no mercado

O que hoje compra duas vezes a mansão mais cara do mundo, vendida em 2022 por US$ 141 milhões, há exatos 13 anos comprou apenas duas pizzas.

No dia 22 de maio de 2010, ocorreu a primeira transação financeira com bitcoins, quando as redondas foram compradas pelo valor de 10 mil BTC. O dia ficou conhecido como Bitcoin Pizza Day e é um marco no mundo cripto. Entenda se a criptomoeda pode voltar a valer duas pizzas aqui

“Esse dia é importante porque a gente viu alguém da outra ponta comercial aceitando bitcoins como forma de pagamento por um bem, no caso as duas pizzas. Isso é simbólico porque é o começo de uma jornada de entendimento que havia valor naquela moeda para troca”, comenta Bruno Diniz, professor de inovação financeira na USP, Bruno Diniz.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

À época, a moeda digital valia US$ 0,0041 e foi anunciada como meio de pagamento no dia 18 de maio em um fórum na internet sobre criptos, o Bitcointalk.org.

Quem oferecia era um programador da Flórida (EUA), Laszlo Hanyecz, que desejava comprar as duas pizzas e, em troca, pagaria o valor de US$ 41, aproximadamente, com os milhares de bitcoins.

O BTC, criado um ano antes, ainda não possuía um valor de lastro correspondente ao dólar e parecia ousado propor qualquer troca comercial com ele, por menor que fosse. Mas, quatro dias depois, o estudante Jeremy Sturdivant, também participante do fórum, topou o desafio e enviou para a casa de Hanyecz duas pizzas da conhecida rede Papa John’s.

Atualmente, na cotação desta segunda-feira (22), a moeda vale US$ 26.844,2. Caso o estudante ainda estivesse em posse de seus bitcoins, teria hoje US$ 268,44 milhões, ou cerca de R$ 1,33 bilhão na cotação atual do dólar em R$ 4.97.

Se tivesse vendido seus 10 mil BTC em novembro de 2021, quando o preço da moeda bateu seu recorde,de US$ 69 mil, Sturdivant poderia ter embolsado US$ 690 milhões ou R$ 3,42 bilhões. Contudo, meses antes, em maio de 2021, o estudante contou, em entrevista ao New York Post, que gastou os bitcoins em viagens e games ao longo dos anos – mas que, mesmo perdendo “riquezas ilimitadas” estava “orgulhoso de ter desempenhado um papel” no “fenômeno global”.

De centavos para milhares de dólares

Segundo Diniz, uma somatória de fatores levou o bitcoin a essa valorização que já chega a quase 644.000.000%, da primeira transação em 2010 até hoje. Para ele, a moeda virtual mostrou seu potencial e resiliência.

Publicidade

“A tecnologia do ativo se provou resiliente. É um ativo que é a prova de censura, que circula pela internet e não necessita seguir alguns ritos tradicionais do mercado. Ele é, de uma forma geral, um ecossistema financeiro paralelo viável. Por muitas vezes, já até auxiliou a efetuação de pagamentos em situações onde havia algum tipo de sanção ou bloqueio”, disse.

Yuri Landim, especialista em criptoativos da WIT (Wealth, Investments & Trust), Yuri Landim, concorda e acrescenta que a valorização também derivou-se da oferta limitada do BTC, combinada com a crescente demanda, o que contribuiu para sua escassez e aumentou seu valor ao longo do tempo.

“Além disso, a adoção cada vez maior do bitcoin como uma forma de investimento e meio de pagamento, juntamente com a confiança na tecnologia subjacente, a descentralização do sistema financeiro e a busca por proteção contra a inflação, ajudaram a impulsionar seu crescimento”, disse.

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos