Publicidade

Educação Financeira

Mesmo com incentivo, carro popular era mais acessível há 10 anos; compare

Nesta quinta-feira (25), o governo anunciou incentivos fiscais para abaixar o preço do carro popular no Brasil

Mesmo com incentivo, carro popular era mais acessível há 10 anos; compare
Pandemia e modernização dos veículos foram os responsáveis por encarecer o preço do carro zero KM (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)
  • Segundo dados da Jato, empresa de dados do setor automotivo, o carro popular mais barato em 2023 é o Renault Kwind por R$ 68.190 mil
  • Com os incentivos fiscais, o valor deve ficar entre R$ 67.955 e R$ 61.428
  • Já em maio de 2013, o Ford Ka era o veículo popular mais barato do mercado e custava R$ 21.800
  • Ao considerar a inflação ao longo desses 10 anos, o mesmo automóvel estaria sendo vendido por R$ 48.751 mil

Os incentivos do governo federal, anunciados na quinta-feira (25), ainda não são suficientes para tornar os preços dos carros populares zero km compatíveis aos valores que eram vendidos há 10 anos. Para comprar um carro novo, o brasileiro precisa desembolsar cerca de R$ 12,6 mil a mais do que em 2013.

Segundo dados da JATO, empresa de dados do setor automotivo, o Ford Ka era o carro popular mais barato vendido pelo mercado em 2013. Na época, o automóvel era vendido por R$ 21.800. Se levarmos em consideração a inflação da época, medido pelo IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), o preço teria aumentado cerca de 123,6% e estaria sendo vendido por R$ 48.751,14.

Já o carro popular zero km mais barato deste ano, segundo a Jato, é o Renault Kwind. Neste mês, o carro está sendo vendido por R$ 68.190 mil. Com os incentivos anunciados pelo governo, o automóvel pode ser vendido por até R$ 61.428,70, como mostramos nesta reportagem. Ou seja, o consumidor teria que desembolsar R$ 12.677 a mais do que há 10 anos para ter um veículo da mesma categoria.

Publicidade

Conteúdos e análises exclusivas para ajudar você a investir. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

De acordo com Milad Kalume Neto, diretor de desenvolvimento de negócios da JATO do Brasil, a diferença significativa tem relação com a falta de semicondutores no mercado decorrente da pandemia da covid-19. No entanto, esse não é o único motivo. “Hoje, os veículos são mais tecnológicos. Os motores são mais eficientes, e os automóveis são mais seguros. Possuem mais elementos de entretenimento”, afirma Neto. A desvalorização do real também contribuiu para elevação dos preços já que a produção envolve diversos custos em dólar.

Se organize ao comprar um carro

Antes de escolher o modelo, o ideal é que o consumidor faça um planejamento financeiro para que consiga comprar o veículo à vista ou financiar o menor valor possível. Segundo Wanessa Guimarães, sócia da HCI Invest e Planejadora Financeira CFP© pela Planejar, o consumidor pode se organizar da seguinte forma: reserva 20% da sua renda para a compra do carro novo e aplicar os recursos em um investimento atrelado à taxa Selic.

Dependendo da renda salarial, o tempo de investimento para comprar um automóvel à vista pode variar de dois a 10 anos. Veja as simulações nesta reportagem. No entanto, o valor do veículo não deve ser a única preocupação. O consumidor precisa colocar “na ponta do lápis” as despesas com manutenção, seguro e impostos.

“Existem os custos fixos como seguro, impostos (IPVA, DPVAT e licenciamento). Além dos variáveis como combustível, manutenção, estacionamento e eventuais multas. Então quando se pensa na aquisição de um carro, deve considerar todos esses custos”, cita Jefferson Souza, analista da Semeare, escritório de agente autônomo especializado em investimentos ESG.

 

Web Stories

Ver tudo
<
>

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos