Investimentos

Vacância recua e dá nova perspectiva para FIIs. Veja como aproveitar

Aumento de ocupações das propriedades beneficia o caixa dos fundos e melhora a remuneração dos dividendos

Vacância recua e dá nova perspectiva para FIIs. Veja como aproveitar
valor médio pago aos investidores de lajes corporativas foi de R$ 12,10 no último ano, 128,39% maior que o distribuído em 2021 - Fonte: Pixabay
  • Quando há uma queda no número de lugares desocupados, o caixa dos fundos imobiliários são beneficiados
  • A queda no poder de compra da população por conta dos juros e inflação obrigou os locatários de imóveis localizados principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro a abaixar o aluguel
  • Apesar de alguns segmentos terem uma redução na vacância no comparativo anual, na totalidade, o setor apresentou alta de 5,8%

A queda no poder de compra da população por conta da inflação obrigou os locatários de imóveis comerciais localizados principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro a abaixar o valor do aluguel ou oferecer descontos pontuais para não aumentar o nível da vacância. Esse movimento beneficiou o caixa dos fundos imobiliários (FIIs) e, consequentemente, os dividendos dos cotistas.

Antônio Lopes, sócio-diretor da Guardian Gestora, explica que a redução na vacância beneficia o investidor. Quando um inquilino encerra o contrato o proprietário do imóvel perde duas vezes, pois não terá a receita do aluguel e vai precisar arcar com os custos do condomínio e do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) – cobrados independente se o local está ocupado ou não.

Quando as propriedades estão ocupadas, o caixa dos fundos imobiliários são beneficiados e, consequentemente, a remuneração do investidor aumenta – o dividendo consiste em uma parcela do lucro apurado, podendo ser pago de forma mensal, trimestral ou semestral. A lógica funciona para todos os fundos imobiliários que investem em ativos reais, como as lajes corporativas.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

O metro quadrado em São Paulo caiu de R$ 83,89 em 2021 para R$ 80,13 em 2022, enquanto no Rio de Janeiro foi de R$ 65,96 para R$ 64,98, no mesmo período. A vacância, por sua vez, saiu de 24,80% para 20,80% no comparativo anual em São Paulo, enquanto no Rio de Janeiro ela recuou de 35,20%, para 34,30%, aponta um levantamento realizado por Guilherme Palma, especialista em fundos imobiliários da Manchester Investimentos, a pedido do E-Investidor.

Em consequência, o valor médio pago em dividendos aos investidores de lajes corporativas pulou de R$ 5,30 em 2021 para R$ 12,10 no ano passado, uma alta de 128,39%, aponta um estudo realizado pela Economatica.

Veja abaixo a remuneração dos cotistas de outros setores de fundos imobiliários e quais pagaram os melhores dividendos no último ano:

  • Residencial: R$ 17,17 (98,23% a mais que o valor distribuído ao acionista em 2021);
  • Agências: R$ 13,40 (+ 14,59%);
  • Educacional: R$ 10,51 (+ 18,75%);
  • Logística: R$ 9,23 (3,89% menor que o ano anterior);
  • Shoppings: R$ 35,14 (+ 69,52%);
  • Hospital: R$ 16,19 (+ 17,92%);
  • Híbrido: R$ 19,42 (+ 12,67%).

 

Vale investir no setor?

Não é só o valor da remuneração que o investidor precisa ficar atento. Palma, o especialista da Manchester Investimentos, explica que o investidor de FIIs precisa observar a taxa de vacância dos fundos e qual a perspectiva de repor os inquilinos. “Deve-se avaliar as regiões onde os imóveis estão inseridos, estar atento a futuras ofertas de imóveis na região, como está a dinâmica de preços do segmento e acompanhar o cenário macroeconômico do País”.

Para o especialista, fundos imobiliários só são bons investimentos se os imóveis estiverem ocupados ou prestes a serem ocupados. Além disso, é importante que o nível de vacância dos ativos seja pequeno para que consiga reportar uma parcela do lucro aos acionistas. E mesmo que na pandemia os locais tenham ficado desocupados, os bons FIIs se encaminham para adquirir novos inquilinos e, assim, retomar o caixa perdido no período que as propriedades ficaram desocupados. Com volume financeiro entrando, há possibilidades de oferecer melhores pagamentos de dividendo aos cotistas.

Publicidade

Veja como está a vacância em cada segmento dos tipos de imóveis:

 

Apesar de alguns segmentos terem apresentado redução na vacância no comparativo anual, o setor de imóveis na totalidade apresentou uma alta de 5,8% na taxa de 2022, 1,9 ponto percentual maior que 2021. Porém, o número do ano passado é 1,8 ponto porcentual maior que o patamar alcançado em 2020, quando foi anunciada a pandemia da Covid-19 no País.

O sócio-diretor Guardian Gestora diz que é importante o investidor analisar as vacâncias dos imóveis e os motivos. “A queda de vacância significa uma melhora de mercado”, diz. Ele afirma também que fundos que pagam dividendos e estão com um nível de vacância de 20% ou 30%, podem melhorar com esse cenário e “potencialmente aumentar o pagamento aos cotistas”.

Publicidade

Já Carol Borges, analista de fundos da EQI Research, diz que o investidor precisa olhar para o futuro, especificamente o “quanto do que foi apontado em vacância e preço de aluguel historicamente permanecerá e refletirá no caixa e nos dividendos em 2023”. Ela cita como uma boa oportunidade de investimento as lajes corporativas, por conta da retomada ao trabalho presencial com o arrefecimento da pandemia no País.

“Hoje, ainda temos muitas áreas para serem locadas, principalmente em São Paulo, nas regiões da avenida Chucri Zaidan, Paulista e Vila Olímpia. Com isso, nos próximos meses e anos, poderemos vislumbrar um possível aumento no caixa dos fundos”, afirma a especialista.

Veja como estava a taxa de vacância das regiões paulistanas nos últimos dois anos:

O head de mercado de capitais da Warren, o Gustavo Kosnitzer, por sua vez, tem um olhar diferente para o setor. Com o Comitê de Política Monetária (Copom) optando, em 1º de fevereiro, por manter pela quinta vez consecutiva os juros em 13,75% ao ano, os investidores decidiram por desmontar suas posições nos fundos imobiliários, assim como na renda variável. “Naturalmente, os preços das cotas vão depreciar. E, com um cenário positivo para a redução de vacância, os FIIs farão parte das pechinchas da renda variável”, afirma o especialista.

Publicidade

A XP espera que a Selic permaneça no nível atual até meados de 2024, quando deve começar a abaixar, até terminar o ano em 11%. O boletim Focus de segunda-feira (13) aponta para um juros na casa dos 12,75% até o final deste ano. Segundo analistas da corretora, o patamar deve ser mantido a níveis mais elevados para controlar expectativas e evitar repiques na inflação.

Web Stories

Ver tudo
<
Golpes eletrônicos: confira 7 golpes digitais para roubar o seu dinheiro
Ataque cibernético: relembre 7 sabotagens que afetaram o mercado financeiro
Como investir em IA para ganhar dinheiro?
5 passos para planejar a independência financeira dos seus filhos
Como identificar as notas antigas do real que saíram de circulação?
Reforma tributária: quais alimentos terão imposto zerado ou reduzido? Confira lista
Voo cancelado pelo apagão cibernético? Veja o que fazer
Apagão cibernético: veja quais bancos brasileiros foram afetados
Novo aumento da gasolina? Entenda porque Petrobras pode mexer de novo no preço dos combustíveis
Bancos digitais: confira 5 contas que melhor pagam seus clientes
O que é BPC? Por que governo quer fazer pente-fino neste benefício social?
Mega-Sena: como aumentar minhas chances de vencer?
>

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos