EURO R$ 6,13 -0,04% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 -0,04% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Investimentos

Starbucks chinesa vira o grande pesadelo do Credit Suisse

Ação está suspensa na Nasdaq em meio às investigações de fraude fiscal

Loja da Luckin Coffee, a Starbucks chinesa, em Pequim (Foto: Jason Lee/Reuters)
  • Os executivos da Luckin podem ter forjado US$ 310 milhões em vendas
  • O banco está conduzindo uma análise interna do caso
  • O Credit Suisse não foi a única empresa afetada pelo escândalo. Os primeiros investidores da empresa incluíam gigantes como o GIC, o fundo soberano de Cingapura

(Washington Post) – Antes do escândalo contábil, da quebra das ações e dos empréstimos inadimplentes, o bilionário fundador da Luckin Coffee, Lu Zhengyao, era o cliente ideal para o Credit Suisse. “Eu já não sei quantos jantares fiz com ele em Pequim e ele é absolutamente o garoto propaganda do que queremos fazer”, disse Tidjane Thiam, em uma conferência em 2019, quando ainda era chefe global do banco. Ele elogiou o relacionamento de Lu com a empresa que variava de banco privado a vendas de ações. “Ele é um cliente dos sonhos.”

A dramática queda da Luckin surpreendeu alguns dos principais nomes das finanças globais, mas poucos viram uma queda maior do que o Credit Suisse. O credor perdeu um IPO de alto nível em Hong Kong após o escândalo e relatou um aumento de cinco vezes nas provisões para perdas com empréstimos em sua unidade na Ásia-Pacífico, principalmente devido a um default de Lu.

O banco está conduzindo uma análise interna do caso, e o escrutínio sobre empréstimos a empresas chinesas aumentou, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto, que não quiseram ser identificadas. Embora Lu não tenha sido acusado de irregularidades, a revelação de que os executivos seniores da Luckin podem ter forjado US$ 310 milhões em vendas ressalta o risco de os bancos de investimento fazerem negócios na China, após uma série de escândalos contábeis.

A segunda maior economia do mundo é essencial para a estratégia do Credit Suisse de obter negócios de empresários ricos em toda a Ásia. “Luckin é um microcosmo do que pode acontecer quando padrões de subscrição fracos podem persistir na busca de um crescimento rápido”, disse Mark Williams, professor da Universidade de Boston e ex-examinador de banco do Federal Reserve dos EUA. “Luckin exibiu muitos sinais de um negócio de alto crescimento e alto risco”.

Uma porta-voz do Credit Suisse em Hong Kong se recusou a comentar a história, nem elaborar os comentários de Thiam. O CEO Thomas Gottstein, que assumiu o cargo de Thiam em fevereiro deste ano, se recusou a comentar sobre Luckin em uma entrevista à Bloomberg TV.

O credor ainda estava no início das investigações envolvendo auditores e advogados, disse ele. “Muitas partes envolvidas para concluir cedo”, afirmou Gottstein, que sinalizou que o colapso das ações da Luckin não levará a uma mudança estratégica. E o banco continuará tendo como alvo empreendedores ricos na China. “É uma estratégia em que nossa empresa acredita, porque combina nossa força em bancos privados e de investimento e tivemos muitos sucessos em todo o mundo”, disse ele.

O Credit Suisse não foi a única empresa apanhada pelo escândalo da Luckin, cujos escritórios foram invadidos esta semana por órgãos reguladores chineses. Os primeiros investidores da Luckin incluíam gigantes globais como o GIC, o fundo soberano de Cingapura.

O Morgan Stanley fazia parte do grupo do IPO e concedeu alguns dos empréstimos de margem a Lu, assim como o Barclays, entre outros. O Morgan Stanley, o Credit Suisse e os outros bancos do IPO enfrentam uma ação de investidores após o colapso de 91% das ações da Luckin em relação à alta de janeiro. A SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA, também está investigando Luckin, informou a Dow Jones. Morgan Stanley, Barclays e GIC se recusaram a comentar.

No entanto, o Credit Suisse tinha os maiores laços com a Luckin. Foi o principal subscritor da oferta pública inicial no ano passado em Nova York e da venda secundária em janeiro, recebendo 60% das taxas bancárias. Isso totalizou cerca de US$ 30 milhões no negócio que arrecadou mais de US$ 1,2 bilhão para a cadeia de café e para um acionista, segundo dados compilados pela Bloomberg.

O banco também liderou uma venda de títulos conversíveis em ações de US$ 460 milhões em janeiro e está no “gancho” por uma parte dos US$ 518 milhões em empréstimos de margem para Lu, que agora estão em default.

A empresa trabalha com o fundador desde que abriu sua empresa de aluguel de carros seis anos atrás. Além das transações, o banco tem outras conexões com o varejista. O diretor financeiro da Luckin, Reinout Hendrik Schakel, trabalhou por oito anos como analista e banqueiro de investimentos do Credit Suisse em Hong Kong, até 2016. E a filha de Lu, Nancy, trabalha no Credit Suisse em Hong Kong em um papel não relacionado à conta da Luckin. Ela não respondeu a telefonemas e mensagens de texto, enquanto o banco se recusou a comentar.

Dadas essas ligações, a queda da Luckin atingiu o Credit Suisse com mais força do que outras instituições financeiras. Devido ao escândalo, a empresa foi retirada de um IPO de US$ 500 milhões em Hong Kong para a WeDoctor, a startup de assistência médica apoiada pela Tencent Holdings.

O banco também aumentou o escrutínio dos empréstimos chineses após o colapso e a pandemia. A empresa encerrou as negociações para um empréstimo de US$ 1,5 bilhão à Melco Resorts and Entertainment, uma operadora de cassinos de Macau listada nos EUA, afetada pelo coronavírus, depois que o financiamento não obteve aprovação interna. Uma porta-voz da Melco se recusou a comentar.

Thiam identificou a Ásia como um importante impulsionador do crescimento quando foi nomeado CEO em 2015. A região foi escavada na Europa, dando aos gerentes locais mais influência sobre empréstimos e capital. A medida adaptou a mudança global da banca de investimento para a gestão de patrimônio, particularmente na China, que coroa um novo bilionário a cada três dias. Enquanto vários bilionários são bem servidos nos EUA e na Europa, o mercado na Ásia está apenas começando. Thiam não foi encontrado para comentar.

Mudanças

Após anos de reorganização e redução de custos, principalmente na divisão de mercados, o banco está começando a ver os resultados de sua mudança. A receita de private banking aumentou 36% na Ásia no primeiro trimestre, enquanto a receita de consultoria, subscrição e financiamento caiu 78%.

A renda antes dos impostos na região saltou 38%, para 252 milhões de francos suíços (US$ 258 milhões), conforme as estimativas do banco superam os lucros. O foco da riqueza veio às custas da equipe de banco de investimento. Vários banqueiros seniores da Ásia saíram nos últimos anos, incluindo Mervyn Chow, que estava no banco por duas décadas, e Isabella Luan, banqueira de tecnologia. O Credit Suisse viu mais rotatividade em sua equipe na China do que em alguns de seus maiores concorrentes, passando por quatro CEOs da Grande China nos últimos anos.

Por outro lado, as chefias da China no UBS Group AG e no Morgan Stanley passaram mais de duas décadas em suas empresas. Rivais como UBS e Goldman Sachs têm cerca de duas vezes o pessoal na China como o Credit Suisse, enquanto bancos globais como JPMorgan Chase e Citigroup têm operações bancárias corporativas e de tesouraria mais amplas. Helman Sitohang, que dirige a divisão Ásia-Pacífico do Credit Suisse, disse que seus concorrentes podem ter “músculos e balanços maiores”, mas o foco nos mil bilionários da Ásia está valendo a pena. “Não queremos ser os maiores”, disse ele em encontro com investidores em dezembro. “Queremos ser os mais rentáveis”.

Sitohang elogiou Lu como uma das histórias de sucesso do banco. Lu fundou a Car Inc. em 2007 e a incorporou na maior empresa de aluguel da China. O Credit Suisse estava lá desde o início, tornando a empresa pública em Hong Kong em 2014, junto com o Morgan Stanley, e liderando três vendas de títulos nos EUA, totalizando quase US$ 1,2 bilhão. Lu então decidiu assumir a Starbucks na China, expandindo a Luckin para 4.500 lojas em apenas dois anos. Por um tempo, tornou-se um queridinho dos investidores norte-americanos, com as ações triplicando nos primeiros oito meses de negociação.

Enquanto o conselho da Luckin disse que está focando sua investigação no diretor de operações Jian Liu, Lu informou que a empresa foi muito rápida, tornando-se pública depois de apenas 18 meses no mercado. Liu não foi encontrado para comentar, nem funcionários da empresa. “Estou me culpando”, disse Lu ao National Business Daily na China, referindo-se ao rápido crescimento que criou “muitos problemas” para a empresa.

A ação permanece suspensa na Nasdaq enquanto se aguarda a revisão, com a última negociação em US$ 4,39 em 6 de abril, abaixo da alta de janeiro de US$ 51,38. Enquanto isso, os bônus conversíveis da empresa são negociados a apenas 24 centavos de dólar, um claro sinal de angústia.

Invista utilizando as melhores plataformas de negociação. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 -0,04% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 -0,04% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos