EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Mercado

Enquete Bradesco BBI projeta mais 3 milhões de desempregados em dezembro

Bradesco BBI consultou 100 gestores para ter projeções

Foto: Divulgação/Envato
  • Gestores acreditam que a taxa de desemprego vai subir para 14,4% ao final do ano
  • Para a maioria, o retorno das atividades econômicas no Brasil será de julho em diante
  • O setor aéreo é o que mais preocupa os gestores

Quando o Brasil poderá retomar a normalidade da atividade econômica? Quais setores vão se recuperar mais rapidamente? Qual será a taxa de desemprego em dezembro? E em que patamar estará o Ibovespa no fim do ano? Ninguém tem bola de cristal, mas o Bradesco BBI consultou 100 representantes das principais gestoras de recursos do País, entre os dias 30 de março e 1º de abril, para apresentar previsões para os mercados em meio à turbulência causada pela pandemia do coronavírus.

Entre os experientes investidores há o consenso de que a Bolsa vai se valorizar até o fim do ano, mas a recuperação da economia será bem gradual. Na média, eles acreditam que o Ibovespa atinja 86 mil pontos em dezembro, o que representaria uma valorização de 20% com relação ao nível atual – nesta quinta-feira o índice fechou o dia em 72.253,46 pontos, com alta de 1,81%.

Para Ricardo França, analista da Ágora Investimentos, após o tombo de 36,9% sofrido no 1º trimestre, é natural que exista uma expectativa de alta da Bolsa até o fim do ano. Mas o especialista praticamente descarta que o Ibovespa ultrapasse a marca dos 100 mil pontos ainda em 2020.

“Vimos a Bolsa derreter em março. Dificilmente voltará para o patamar pré-coronavírus em curto prazo”, diz França. Em janeiro, o índice chegou a 119 mil pontos.

Outro dado do levantamento que chamou a atenção se refere à taxa de desemprego. Na média, os entrevistados imaginam que, ao final do ano, a porcentagem suba para 14,4%, atingindo 15,3 milhões de pessoas pelas projeções. Isto significaria mais 3 milhões de pessoas sem emprego ao fim do ano. No trimestre encerrado em fevereiro, a taxa estava em 11,6%, com 12,3 milhões desempregadas.

Na enquete, 56% dos gestores consultados indicam que a volta à normalidade da maioria das atividades econômicas só ocorrerá depois de julho. Apenas 16% creem que isso ocorra até o fim de maio. 

Além disso, 57% dos participantes da pesquisa acreditam que só haverá desaceleração significativa do contágio do coronavírus no mundo a partir do final de maio. Cerca de 30% disse que isso pode acontecer até o fim de abril.

Sobre as medidas tomadas pelos bancos centrais e governos de todo o mundo, cerca de 56% dos gestores diz que não acredita que elas sejam suficientes para conter a atual crise.

Ricardo França concorda, mas avalia que, até agora, a maior parte dos países tem feito o possível para minimizar os impactos econômicos do coronavírus. “Ainda tem coisa por vir. Os governos e as autoridades monetárias devem continuar buscando soluções”, afirma.

Confira aqui o levantamento completo do Bradesco BBI

Em que setores apostar?

Ainda segundo o levantamento, apenas 13,3% dos gestores apostam que todos os setores econômicos voltarão à normalidade até o fim de 2020. As companhias aéreas são as que menos geram confiança de recuperação nesse prazo: 68,4% não as vê retornando ao patamar anterior até dezembro.

Já para o varejo, serviços de bares e restaurantes, construção civil, aluguel de imóveis e bens de capital a expectativa de cerca de 70% é que estejam em bom funcionamento até lá.

A pesquisa também mostrou os principais setores com bom potencial para compra e venda de ações nos próximos meses. Aqueles com maior propensão para venda são o varejo (16%), imobiliário (14,9%) e petróleo e gás (14,9%).

Para compra de aplicações, os mais cotados são o setor elétrico e os bancos, ambos com 20,2% da preferência. De forma curiosa, o varejo aparece em 3º nesse ranking, citado por 16% dos consultados.

O analista da Ágora explica que o setor sente diferentes efeitos com a crise: “O varejo tradicional sofre por causa da paralisação, mas as vendas on-line crescem”.

França aponta dois aspectos fundamentais que sustentam a compra de aplicações neste momento: resiliência e oportunidades com ações desvalorizadas. “Serviços do setor elétrico, varejo voltado para e-commerce e bancos são alguns exemplos dos setores que os investidores devem priorizar”.

Invista com o apoio de assessores especializados. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos