ITUB4 R$ 24,76 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% MGLU3 R$ 14,56 +2,54% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% GGBR4 R$ 28,17 +0,21% ABEV3 R$ 15,53 -0,26% PETR4 R$ 29,60 -0,10% VALE3 R$ 80,68 +1,41%
ITUB4 R$ 24,76 +2,15% EURO R$ 6,33 -1,15% MGLU3 R$ 14,56 +2,54% DÓLAR R$ 5,46 +0,00% IBOVESPA 114.647,99 pts +1,29% BBDC4 R$ 21,28 +5,24% GGBR4 R$ 28,17 +0,21% ABEV3 R$ 15,53 -0,26% PETR4 R$ 29,60 -0,10% VALE3 R$ 80,68 +1,41%
Delay: 15 min
Mercado

China diz a Evergrande para evitar calote de títulos em dólar

Os reguladores disseram que a empresa deveria se comunicar proativamente com os credores

china-eua
Foto: Rustamxakim/Shutterstock
  • O Wall Street Journal noticiou separadamente nesta quinta-feira (23) que as autoridades chinesas estavam pedindo aos governos locais que se preparassem para possível quebra da Evergrande
  • O presidente da Evergrande, Hui Ka Yan, instou seus executivos na noite de quarta-feira (22) a garantir a entrega de propriedades de qualidade e o resgate de seus produtos de gestão de fortunas

Reguladores chineses pediram ao China Evergrande Group para evitar um calote de curto prazo em seus títulos denomidados em dólar, informou a Bloomberg Law nesta quinta-feira (23), data em que a endividada incorporadora imobiliária deve fazer pagamento de juros de sua dívida “offshore”.

Em uma reunião recente com a Evergrande, os reguladores disseram que a empresa deveria se comunicar proativamente com os detentores de títulos para evitar inadimplência, mas não deu uma orientação mais específica, informou a agência.

O Wall Street Journal noticiou separadamente nesta quinta-feira (23) que as autoridades chinesas estavam pedindo aos governos locais que se preparassem para possível quebra da Evergrande, citando autoridades familiarizadas com as discussões.

Os governos locais foram obrigados a reunir grupos de contadores e especialistas jurídicos para examinar as finanças em torno das operações da Evergrande em suas respectivas regiões, disse o jornal.

Eles também foram obrigados a conversar com incorporadoras estatais e privadas locais para se prepararem para assumir projetos e formar equipes de aplicação da lei para monitorar a ira pública e os chamados incidentes em massa, um eufemismo para protestos, disse o WSJ.

Um porta-voz da Evergrande, a segunda maior incorporadora imobiliária da China, se recusou a comentar as duas reportagens.

O presidente da Evergrande, Hui Ka Yan, instou seus executivos na noite de quarta-feira (22) a garantir a entrega de propriedades de qualidade e o resgate de seus produtos de gestão de fortunas, que normalmente são mantidos por milhões de investidores individuais na China.

Ele não mencionou a dívida “offshore” da empresa.

Analistas disseram que as medidas enfatizaram a pressão política sobre a Evergrande, cujos passivos chegam a 2% do Produto Interno Bruto (PIB) da China, para conter as consequências de sua crise de crédito e proteger pequenos investidores em detrimento dos credores profissionais.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos