MGLU3 R$ 8,06 -7,36% DÓLAR R$ 5,61 +0,73% ITUB4 R$ 22,81 -1,89% EURO R$ 6,35 +1,77% BBDC4 R$ 20,42 -4,00% PETR4 R$ 28,47 -3,88% IBOVESPA 102.224,26 pts -3,39% GGBR4 R$ 25,55 -2,63% ABEV3 R$ 16,69 -3,13% VALE3 R$ 68,64 -2,64%
MGLU3 R$ 8,06 -7,36% DÓLAR R$ 5,61 +0,73% ITUB4 R$ 22,81 -1,89% EURO R$ 6,35 +1,77% BBDC4 R$ 20,42 -4,00% PETR4 R$ 28,47 -3,88% IBOVESPA 102.224,26 pts -3,39% GGBR4 R$ 25,55 -2,63% ABEV3 R$ 16,69 -3,13% VALE3 R$ 68,64 -2,64%
Delay: 15 min
Mercado

Como ficam as recomendações para Taesa após divulgação do balanço?

Com números abaixo das expectativas do mercado, as instituições têm indicação neutra para os papéis

conta-luz-aneel-energia-eletrica-transmissao
(Foto Marcelo Min/Estadão)
  • Para o BTG, a receita líquida de R$ 423 milhões e o Ebitda regulatório de R$ 302 milhões vieram alinhados às projeções do banco, superando em 12% e 17%, respectivamente, os números do quarto trimestre de 2019
  • A XP, por sua vez, tem uma avaliação negativa dos resultados da companhia 
  • O Credit Suisse também avaliou os resultados operacionais regulatórios ligeiramente fracos

Na quarta-feira (3), a Taesa (TAEE11) divulgou os resultados do quarto trimestre de 2020. Com números abaixo das expectativas do mercado, as recomendações são neutras para o papel da empresa brasileira de transmissão de energia elétrica.

Para o BTG, no último trimestre de 2020, a receita líquida de R$ 423 milhões e o Ebitda regulatório de R$ 302 milhões vieram alinhados às projeções do banco, superando em 12% e 17%, respectivamente, os números do quarto trimestre de 2019.

“O lucro líquido totalizou R$ 94 milhões, ficando abaixo de nossos números por conta de despesas financeiras acima do esperado e menor linha de equivalência patrimonial”, escreve João Pimentel, analista do BTG. O banco tem recomendação neutra para o papel TAEE11 e preço-alvo de R$ 32.

A XP, por sua vez, tem uma avaliação negativa dos resultados da companhia, considerando o Ebitda ajustado de R$ 334 milhões, 8,5% abaixo da estimativa de R$ 364,8 milhões da casa.

“No entanto, destacamos como positivo que a empresa manteve sua prática de distribuição de proventos nos patamares elevados, refletindo o forte potencial de geração de caixa da companhia e o menor perfil de risco do setor de transmissão de energia”, escrevem Gabriel Francisco e Maira Maldonado, analistas da XP. A casa permanece com recomendação neutra para Taesa, com um preço-alvo de R$ 32.

Nesta quinta-feira (4), o diretor presidente da empresa, André Augusto Telles Moreira, afirmou que a companhia tem boas perspectivas de entregar obras de projetos em andamento em 2021, “bem antes” do cronograma da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O objetivo é potencializar ainda os retornos dos empreendimentos.

O Credit Suisse também avaliou os resultados operacionais regulatórios ligeiramente mais fracos do que o esperado pelo consenso de mercado. A justificativa é por conta dos custos gerenciáveis ​​mais elevados, apesar da contribuição de novos ativos, receitas de reforço e ajuste anual da RAP (Receita Anual Permitida) favorável pela inflação.

“Os resultados financeiros perderam as estimativas devido a piores despesas financeiras”, ressaltam Carolina Carneiro, Rafael Nagano e João Rodrigues, analistas do banco suíço.

Entre os destaques positivos, o CS cita o aumento da receita líquida regulatória da Taesa, de 12,8% na comparação anual, devido a fatores como a aquisição da São João, São Pedro e Lagoa Nova (antiga Rialma). O banco também manteve a recomendação neutra para a ação da companhia, com preço-alvo de R$ 29,70, o que indica uma queda potencial de 3,41% em relação aos R$ 30,75 negociados no pregão desta quarta-feira (3).

Até às 17h20 desta quinta (4), o papel TAEE11 era negociado na B3 com alta de 5,14%, aos R$ 32,33. No mês, as ações acumulam alta de 5,83%, e no, desvalorização de 3,00%.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos