EURO R$ 6,20 +0,24% ITUB4 R$ 27,82 -2,98% DÓLAR R$ 5,29 +0,00% MGLU3 R$ 16,57 +1,22% ABEV3 R$ 15,74 -2,29% BBDC4 R$ 20,02 -3,90% GGBR4 R$ 24,60 -6,89% IBOVESPA 111.439,37 pts -2,07% VALE3 R$ 86,15 -2,22% PETR4 R$ 24,93 -5,36%
EURO R$ 6,20 +0,24% ITUB4 R$ 27,82 -2,98% DÓLAR R$ 5,29 +0,00% MGLU3 R$ 16,57 +1,22% ABEV3 R$ 15,74 -2,29% BBDC4 R$ 20,02 -3,90% GGBR4 R$ 24,60 -6,89% IBOVESPA 111.439,37 pts -2,07% VALE3 R$ 86,15 -2,22% PETR4 R$ 24,93 -5,36%
Delay: 15 min
Mercado

Por que esse crash da bolsa de valores é diferente dos anteriores?

Diferente de bolhas, a crise atual afeta setores incapazes de gerar lucro sob bloqueio

A Bolsa de Nova York em 1930
A Bolsa de Nova York no pregão de 1º de janeiro de 1930, no auge do crash de 1929, que deu origem à Grande Depressão.(Stringer/ AFP)
  • O impacto sobre os dividendos supera qualquer crise anterior
  • Diferente de bolhas, a crise atual afeta setores incapazes de gerar lucro sob bloqueio
  • A intervenção governamental é a maior já vista. E ninguém sabe onde vai parar
  • Qualquer movimento errado para recuperar os mercados pode resultar em mais mortes

(Aaron Brown, Bloomberg/ Washington Post) – Nos dias 8 e 9 de abril, judeus de todo o mundo se reuniram – talvez via Zoom para muitos – em busca da Páscoa. Parte do ritual é o Ma Nishtana, ou as quatro perguntas, todas começando: “Por que essa noite é diferente das outras noites?” Investidores de todas as religiões, ou nenhuma, fariam bem em se perguntar: “Por que esse crash da bolsa de valores é diferente de outros crashs da bolsa de valores?”

Haverá menos dividendos do que em qualquer crise anterior

  • Os mercados esperam que os dividendos nos próximos 21 meses sejam metade do que era esperado no final de 2019.
  • Nos anos 2000, houve uma redução de 6,3% nos dividendos reais em 36 meses (ou seja, o total de dividendos pagos foi 6,3% menor que o esperado, após a inflação, no período).
  • Na década de 1970, houve uma queda de 5,8% em 45 meses.
  • Mesmo na Grande Depressão, os dividendos reais caíram apenas 26,7% em 47 meses.

Existem duas razões óbvias para o declínio sem precedentes esperado dos dividendos. A primeira é que a pandemia de coronavírus já está causando um declínio muito mais acentuado nos fluxos de caixa de curto prazo para as empresas do que está prejudicando suas perspectivas de longo prazo. Segundo, as regulamentações governamentais e as condições de resgate provavelmente incluirão restrições rígidas aos dividendos.

Por que isso importa

As duas grandes incertezas para as ações são quanto tempo e quão profunda será a depressão induzida pela interrupção da atividade econômica e como será a economia depois da retomada. As expectativas de dividendos referem-se apenas ao primeiro, mas os investidores de longo prazo devem se concentrar no segundo.

A incerteza sobre dividendos pode resolver rapidamente, e os futuros prevêem um crescimento muito rápido depois. As ações geralmente caem rapidamente e sobem lentamente, mas os futuros de dividendos sugerem que essa recuperação de ações pode ocorrer tão rapidamente quanto a quebra.

O Covid-19 é um tsunami mais forte até que a visão de Warren Buffett

Esta é uma recessão exógena. Por mais dolorosas que sejam, a maioria das recessões esvazia as bolhas e elimina a madeira morta. As empresas e os setores mais atingidos são os que foram supervalorizados e os que estão em declínio a longo prazo.

As recessões são tipicamente endógenas, causadas pelo funcionamento interno da economia. Mas esse colapso está atingindo setores principalmente com base na capacidade de gerar lucros sob condições de bloqueio, o que não tem relação com avaliações passadas ou perspectivas de longo prazo. Como Warren Buffett disse: “Somente quando a maré baixa, você descobre quem está nadando nu”.

Mas o Covid-19 é mais um tsunami do que uma maré; portanto, preste atenção em breves visões para encontrar os nadadores nus.

Por que isso importa

Os principais eventos similares no passado são grandes guerras. A recuperação do colapso do coronavírus, tanto na economia quanto no mercado financeiro, pode parecer mais com o período pós-Segunda Guerra Mundial do que com as recuperações mais recentes. Outro possível paralelo é o rescaldo do choque do petróleo de 1973 – 1975.

Palavra aos sábios: esses dois períodos surpreenderam a maioria dos economistas e levaram a reavaliações completas da teoria econômica. Além disso, ao contrário das recuperações anteriores, não podemos contar que as bolhas tenham sido esvaziadas e a madeira morta retirada. O acidente não foi causado por bolhas ou empresas senescentes, por isso não os atingiu desproporcionalmente, para que eles possam sobreviver ao estresse.

Nunca os governos interferiram tanto

A escala da intervenção do governo é sem precedentes. Como um colapso do mercado financeiro, este mal chega ao Top 10 desde 1900, mas a reação do governo já excedeu a do colapso de 2008 e os gastos não parecem ser feitos em lugar algum. Somente a resposta à Grande Depressão parece maior como uma porcentagem do PIB, e isso só começou a valer mais de quatro anos após o colapso do mercado de ações.

Por que isso importa

Os investidores podem querer prestar menos atenção ao valor de suas carteiras hoje e mais ao valor que o dinheiro terá quando tudo acabar. Os gastos com estímulo encontrarão o caminho para os preços ao consumidor? Preços de ativos? Ou ser ensopado de impostos? Ou outra coisa?

Os poderes agora apreendidos no interesse da saúde pública serão mantidos para outros fins governamentais depois que o vírus estiver sob controle? As restrições aos pagamentos aos investidores – os limites de dividendos e recompras – combinados com os impostos sobre a riqueza e outras ideias que possam impulsionar a crise causarão mais danos às carteiras do que a própria queda?

Há, literalmente, vidas em jogo. Muitos vão morrer nesta crise

Muita gente vai morrer. Talvez mais do que nas grandes guerras. Uma das razões pelas quais eu entrei em finanças é que, se você errar, ninguém morre. Qualquer dinheiro que você perder hoje, poderá ganhar amanhã.

Embora seja verdade que a vida das pessoas pode ser arruinada por colapsos financeiros e as taxas de mortalidade subirem nas recessões que se seguem, a alternativa ao boom e à explosão parece ser a estagnação, não aumentando continuamente a prosperidade. Economias dinâmicas e livres são mais perturbadoras do que as planejadas, mas levam a expectativas de vida mais longas e vidas mais ricas.

Por que isso importa

Porque a vida importa. Mas, mesmo do ponto de vista estritamente financeiro, pode-se esperar que um episódio fatal provoque mudanças sociais e econômicas mais longas e profundas do que apenas dinheiro.

O ataque terrorista em setembro de 2001 não foi um grande evento financeiro comparado ao colapso da bolsa de valores iniciado 18 meses antes, mas teve um efeito consideravelmente mais econômico. A Primeira Guerra Mundial, a Segunda Guerra Mundial e a Guerra do Vietnã levaram a profundas mudanças culturais que definiram gerações. É claro que guerras e pandemias não são a mesma coisa, mesmo que matem um número semelhante de pessoas. No entanto, qualquer evento que tire vidas está em uma categoria diferente daquela que apenas faz alguns investidores chorarem.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos