EURO R$ 5,23 -0,60% MGLU3 R$ 3,97 -1,24% DÓLAR R$ 5,18 +0,21% ABEV3 R$ 15,98 +2,77% BBDC4 R$ 19,89 +0,76% ITUB4 R$ 27,22 -0,48% PETR4 R$ 33,45 +2,11% GGBR4 R$ 24,38 -1,34% IBOVESPA 113.818,80 pts +0,10% VALE3 R$ 68,05 -0,26%
EURO R$ 5,23 -0,60% MGLU3 R$ 3,97 -1,24% DÓLAR R$ 5,18 +0,21% ABEV3 R$ 15,98 +2,77% BBDC4 R$ 19,89 +0,76% ITUB4 R$ 27,22 -0,48% PETR4 R$ 33,45 +2,11% GGBR4 R$ 24,38 -1,34% IBOVESPA 113.818,80 pts +0,10% VALE3 R$ 68,05 -0,26%
Delay: 15 min
Mercado

Credit Suisse: debate sobre preços atrapalha venda de refinarias

O banco também destacou que o período eleitoral pode pesar na atratividade do negócio

Credit Suisse: debate sobre preços atrapalha venda de refinarias
Refinaria da Petrobras em Betim, localizada na grande BH (Foto: Geraldo Falcão/Petrobras)
  • Historicamente monopólio da Petrobras, o parque de refino brasileiro começou a ter sua venda planejada no governo Michel Temer, quando o então presidente da Petrobras Pedro Parente anunciou a venda de 25% das refinarias, mas não foi para frente
  • A Petrobras anunciou na segunda-feira (27), que reiniciou os processos de venda da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco, da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (REPAR), no Paraná, e Refinaria Alberto Pasqualini (REFAP), no Rio Grande do Sul
  • O preço dos derivados estão altos em relação ao petróleo (spread crack), o que aumenta a margem do refinador

Por Denise Luna – Se por um lado o momento é favorável para a Petrobras retomar a venda de parte do seu parque de refino, devido aos altos spreads obtidos com o preço de derivados no mercado global, por outro, o Brasil se encontra em ano eleitoral e vive um debate acalorado sobre o segmento, o que pode afastar investidores. A avaliação foi feita pelo Credit Suisse nesta terça-feira (28).

Historicamente monopólio da Petrobras, o parque de refino brasileiro começou a ter sua venda planejada no governo Michel Temer, quando o então presidente da Petrobras Pedro Parente anunciou a venda de 25% das refinarias, mas não foi para frente. Com a posse de Roberto Castello Branco na estatal, em janeiro de 2019, foi anunciada a venda de metade da capacidade de refino, ou 1,1 milhão de barris por dia, em oito refinarias.

Até o momento, apenas a Refinaria de Mataripe, na Bahia, ex-Landulpho Alves, conseguiu ser vendida, e já existe reclamação dos seus controladores sobre os preços praticados pela estatal no mercado interno.

A Petrobras anunciou na segunda-feira (27), que reiniciou os processos de venda da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco, da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (REPAR), no Paraná, e Refinaria Alberto Pasqualini (REFAP), no Rio Grande do Sul, além dos ativos logísticos integrados a essas refinarias.

Para o Credit Suisse, se as vendas forem bem-sucedidas, os riscos da empresa diminuem para o investidor, pois a pressão sobre os preços serão mitigados pelos outros agentes privados. Além disso, reduziria necessidades futuras de capital para o downstream (refino), concentrando mais investimentos no upstream (exploração e produção), principal foco da empresa.

O banco observou, em relatório, que das sete refinarias restantes, três pequenas já possuem contrato assinado – Reman (AM) para Atem; SIX, de xisto, para a F&M; e a Lubnor para a Gepar – , enquanto a Regap, que refina 166 mil barris por dia e Minas Gerais, está na fase vinculante.

No entanto, o banco destacou que o Brasil está em período eleitoral e o debate em torno do tema pode pesar na atratividade do negócio. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, líder nas pesquisas eleitorais, é contrário à venda das refinarias o que poderia comprometer a venda das unidades. Por outro lado, o preço dos derivados estão altos em relação ao petróleo (spread crack), o que aumenta a margem do refinador.

“Embora o potencial comprador provavelmente avalie o ativo com crack spreads normalizado (longo prazo), o negócio pode se mostrar muito atraente em termos de fluxo de caixa de curto prazo, se tais spreads persistirem”, afirmou o banco.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos