EURO R$ 6,22 -0,13% MGLU3 R$ 6,39 -7,39% BBDC4 R$ 21,30 +2,11% PETR4 R$ 31,95 +0,57% ITUB4 R$ 23,27 -0,13% IBOVESPA 107.937,11 pts -0,92% DÓLAR R$ 5,50 +0,00% ABEV3 R$ 14,70 +0,07% GGBR4 R$ 27,80 +1,24% VALE3 R$ 83,87 -1,22%
EURO R$ 6,22 -0,13% MGLU3 R$ 6,39 -7,39% BBDC4 R$ 21,30 +2,11% PETR4 R$ 31,95 +0,57% ITUB4 R$ 23,27 -0,13% IBOVESPA 107.937,11 pts -0,92% DÓLAR R$ 5,50 +0,00% ABEV3 R$ 14,70 +0,07% GGBR4 R$ 27,80 +1,24% VALE3 R$ 83,87 -1,22%
Delay: 15 min
Mercado

Dólar pode chegar a R$ 7,35 em 2021, diz UBS

O banco suíço desenhou três cenários para a cotação da moeda nos próximos dois anos

dólar
Foto: Pixabay
  • A casa desenhou três cenários possíveis para a cotação da moeda norte-americana
  • No mais pessimista, a divisa poderia fechar o ano cotada a R$ 5,75 e encerrar 2021 encostando nos R$ 7,35
  • No mais otimista, o dólar cairia para R$ 4,45 até o final do ano e para R$ 4,30 em 2021

Os economistas do UBS apresentaram um relatório com novas perspectivas para a trajetória do dólar no Brasil. A casa desenhou três cenários possíveis para a cotação da moeda norte-americana no País nos próximos dois anos. No mais pessimista deles, a divisa poderia fechar o ano cotada a R$ 5,75 e encerrar 2021 encostando nos R$ 7,35.

O banco suíço considerou que o desempenho do comércio está regredindo a níveis de 2002 e que o diferencial da taxa de juros (a distância entre a taxa básica brasileira e aquela praticada em países ricos) está em ligeiro viés de baixa. Por isso, os economistas estimam que um preço justo para o dólar seria de R$ 4,60 neste ano e R$ 4,50 em 2021.

No entanto, devido à pressão exercida pela atual situação de crise, o banco fixou seu cenário base com cotações de R$ 4,95 para 2020 e R$ 4,60 para 2021.

Além disso, como é praxe, os economistas alteraram algumas variáveis do cenário base para gerar outros dois panoramas. No mais positivo, o dólar cairia para R$ 4,45 até o final do ano e para R$ 4,30 em 2021.

No caminho mais negativo, o dólar subiria para R$ 5,75 ainda em 2020 e chegaria a R$ 7,32 no ano que vem. Tudo dependerá da maneira como a equipe econômica brasileira reagirá ao coronavírus.

“A crise atual gerará uma queda acentuada nas receitas tributárias e aumentará os gastos, levando a um agravamento da situação fiscal do País”, diz o relatório. “O caminho final a ser adotado dependerá crucialmente de o Brasil poder retomar os seus esforços em promover reformas após o auge da atual pandemia”, conclui o documento.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos