EURO R$ 5,53 -0,29% MGLU3 R$ 2,43 -0,40% ITUB4 R$ 23,58 +0,98% BBDC4 R$ 18,17 +1,79% DÓLAR R$ 5,23 -0,21% IBOVESPA 100.763,60 pts +2,12% VALE3 R$ 78,05 +5,19% GGBR4 R$ 23,50 +1,94% PETR4 R$ 27,98 +6,96% ABEV3 R$ 13,72 +0,95%
EURO R$ 5,53 -0,29% MGLU3 R$ 2,43 -0,40% ITUB4 R$ 23,58 +0,98% BBDC4 R$ 18,17 +1,79% DÓLAR R$ 5,23 -0,21% IBOVESPA 100.763,60 pts +2,12% VALE3 R$ 78,05 +5,19% GGBR4 R$ 23,50 +1,94% PETR4 R$ 27,98 +6,96% ABEV3 R$ 13,72 +0,95%
Delay: 15 min
Mercado

Fechamento de mercado: Ibovespa fecha em baixa com realização de lucros na contramão do exterior

Fechamento de mercado: Ibovespa fecha em baixa com realização de lucros na contramão do exterior
(Foto: Pixabay)
  • Após um final de semana de intensas negociações, a aprovação do fundo de recuperação europeu de 750 bilhões de euros para ajudar os países do bloco mais afetados pela pandemia do Coronavirus impulsionou os mercados no exterior
  • O acordo renovou as expectativas em relação à recuperação da economia global e com isso as bolsas na Europa fecharam em alta
  • Nos EUA, balanços corporativos positivos ajudaram a aquecer os negócios, com destaque para os resultados da IBM e Coca-Cola. Porém, os principais índices acionários em NY não seguiram um viés único, com o Nasdaq perdendo fôlego após renovar máxima intraday histórica durante a manhã
  • No Brasil, apesar do exterior positivo e do encaminhamento da proposta inicial da Reforma Tributária ao Congresso, o Ibovespa fechou em baixa, sinalizando uma realização de lucros

Após um final de semana de intensas negociações, a aprovação do fundo de recuperação europeu de 750 bilhões de euros para ajudar os países do bloco mais afetados pela pandemia do coronavírus impulsionou os mercados no exterior. O acordo renovou as expectativas em relação à recuperação da economia global e com isso as bolsas na Europa fecharam em alta.

Nos EUA, balanços corporativos positivos ajudaram a aquecer os negócios, com destaque para os resultados da IBM e Coca-Cola. Porém, os principais índices acionários em Nova York não seguiram um viés único, com o Nasdaq perdendo fôlego após renovar máxima intraday histórica durante a manhã.

No Brasil, apesar do exterior positivo e do encaminhamento da proposta inicial da Reforma Tributária ao Congresso, o Ibovespa fechou em baixa, sinalizando uma realização de lucros.

Ao término da sessão, o índice tinha queda de 0,11% aos 104.310 pontos. Já no mercado de câmbio, o Real teve hoje boa performance, ajudado também pela recuperação dos preços do petróleo. O dólar frente ao real recuou 2,44% cotado aos R$ 5,21.

Setores em Foco

Bancos:

Como testemunham os crescentes preços das ações, as empresas de tecnologia vêm transbordando de novos negócios durante a pandemia de coronavírus. Para os bancos, houve um despertar tecnológico especial: para os méritos da computação em nuvem. Após anos, muitos abandonaram sua abordagem cautelosa dos serviços baseados na nuvem e se inscreveram com entusiasmo para terceirizar o armazenamento de dados e outras atividades que exigem poder de computação de alta intensidade.

Somente nos últimos dias, a Amazon Web Services fechou um grande acordo com o HSBC, enquanto o Google anunciava parcerias com o Goldman Sachs e o Deutsche Bank. Porque agora? Algumas das razões são óbvias. À medida que os bancos são pressionados pelos custos financeiros do período de isolamento social – um declínio na atividade econômica, uma explosão de perdas com empréstimos – eles estão aproveitando qualquer oportunidade para cortar custos. Os serviços em nuvem tendem a ter preços atrelados a utilização, em vez de se comprometer com bilhões de dólares em investimentos iniciais.

Nossa visão: A pandemia está claramente pressionando os bancos pesados a repensar e reconsiderar a maneira como eles estão fazendo negócios. Por um lado, um maior grau de trabalho remoto está exigindo que os bancos tenham infraestruturas de TI mais ágeis e flexíveis, conceitos que contrariam suas preocupações de longa data sobre confiabilidade e solidez de seus próprios sistemas. Revisitar isso significará uma mudança material na infraestrutura e nos sistemas legados em que os bancos confiam há muito tempo. Definitivamente, não é uma tarefa fácil. Por outro lado, a adoção do trabalho remoto também está fazendo com que as redes de filiais pareçam desatualizadas mais rapidamente do que as pessoas pensariam. Em outro artigo interessante, o RBS diz à maioria dos funcionários para trabalhar em casa até 2021, e temos a decisão de um banco britânico controlado pelo estado de adiar o retorno aos escritórios. Claramente, todos os grandes bancos estão repensando a necessidade de ter redes enormes, enquanto os clientes fazem mais remotamente e os novos concorrentes oferecem
experiências digitais. Em nossa opinião, o negócio bancário está mudando para sempre e isso exigirá que os bancos tenham uma abordagem extremamente diferente daqui para frente.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos