MGLU3 R$ 3,67 -1,61% EURO R$ 5,19 +0,75% BBDC4 R$ 19,68 +1,39% DÓLAR R$ 4,86 +0,00% ABEV3 R$ 13,98 -1,13% ITUB4 R$ 25,18 +1,45% PETR4 R$ 34,95 +2,28% IBOVESPA 108.487,88 pts +1,39% VALE3 R$ 81,37 +1,90% GGBR4 R$ 27,95 +3,33%
MGLU3 R$ 3,67 -1,61% EURO R$ 5,19 +0,75% BBDC4 R$ 19,68 +1,39% DÓLAR R$ 4,86 +0,00% ABEV3 R$ 13,98 -1,13% ITUB4 R$ 25,18 +1,45% PETR4 R$ 34,95 +2,28% IBOVESPA 108.487,88 pts +1,39% VALE3 R$ 81,37 +1,90% GGBR4 R$ 27,95 +3,33%
Delay: 15 min
Mercado

Bluefit adia estreia na Bolsa, mesmo com desconto de 20% na oferta

A operação terá de ser remodelada para reduzir as expectativas de arrecadação

Bluefit adia estreia na Bolsa, mesmo com desconto de 20% na oferta
Foto: Divulgação/Bluefit
  • Inicialmente estimada em R$ 600 milhões, a estreia agora deverá ser ter o valor reduzido e envolver apenas investidores institucionais, como fundos e fundações
  • A rede chegou a cortar o preço almejado em sua oferta em 20%, mas nem isso foi suficiente para atrair mais investidores

Depois do êxito da oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da rede de academias Smart Fit, do empresário Edgard Corona, a Bluefit, que ocupa a segunda posição no ranking de academias de baixo custo no Brasil, resolveu ir à Bolsa. A operação, cujo preço seria definido na última quinta-feira (23), terá de ser remodelada para reduzir as expectativas de arrecadação. Inicialmente estimada em R$ 600 milhões, a estreia agora deverá ser ter o valor reduzido e envolver apenas investidores institucionais, como fundos e fundações, apurou o Estadão.

Segundo fontes, a empresa decidiu esperar mais algumas semanas para reunir uma base mais firme de potenciais compradores de seus papéis. A Blueflit foi abatida pela alta volatilidade do mercado, situação agravada com o colapso da incorporadora chinesa Evergrande.

A rede chegou a cortar o preço almejado em sua oferta em 20%, mas nem isso foi suficiente para atrair mais investidores. Todo o dinheiro da oferta da Bluefit, quando ela ocorrer, irá para o caixa da empresa. Os recursos serão usados para abertura de lojas e também para eventuais aquisições.

A tentativa era de pegar carona na demanda do mercado pelo negócio de academias, com a leitura de que esse seria um dos setores mais beneficiados pelo avanço da vacinação contra a covid-19 e pela retomada da economia. Esse mercado ainda é muito pulverizado no País, o que abre oportunidades de crescimento. Estimativas de mercado apontam que as maiores redes têm menos de 20% de participação no setor.

Rede franqueada

A Bluefit foi criada em 2015, em Santo André, na Grande São Paulo. A rede começou a crescer em ritmo mais acelerado depois de um aporte do fundo Leste, em 2017. Hoje, são 102 academias, com outros 33 contratos já assinados para inaugurações. Desse total, 61 são unidades próprias.

A Smart Fit, primeira do setor, tem presença muito mais significativa. Encerrou o primeiro semestre do ano com 981 academias, alta de 15% em um ano. No Brasil, a terceira posição é da Selfit, com 63 unidades.

O mercado fitness brasileiro é um dos maiores do mundo, conforme dados da associação internacional IHRSA. Segundo levantamento mas recente, esse setor movimenta R$ 2,2 bilhões por aqui, com um total de 29 mil unidades e 10,3 milhões de alunos. No entanto, só 4,9% da população frequentam uma academia. As líderes do ranking global têm participação muito mais elevadas: Estados Unidos (21,2%), Canadá (16,7%) e Inglaterra (15,6%).

A equipe de análise da Suno acredita que o setor de academias tem potencial, mas vê o caso da Bluefit com ressalvas, já que para seu crescimento será necessário investimentos vultosos. “Quem comprar a ação pagará por um crescimento que pode não se concretizar”, segundo o documento, enviado a clientes. Por isso, o conselho aos clientes foi de que ficassem de fora do IPO.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos