Mercado

Magazine Luiza (MGLU3): investidor deve comprar a ação após empresa dar lucro?

Analistas gostam do resultado, mas dizem que papel pode ter volatilidade por causa do setor varejista

Magazine Luiza (MGLU3): investidor deve comprar a ação após empresa dar lucro?
Loja do Magazine Luiza (MGLU3). (Foto: Divulgação/Magazine Luiza )
  • Analistas dizem que resultado do Magazine Luiza mostrou melhora na rentabilidade
  • Recuo de 0,1% nas vendas do Magalu foi ponto negativo
  • Papel do Magalu pode encontrar volatilidade por causa do setor varejista

O Magazine Luiza (MGLU3) divulgou na noite de segunda-feira (18) o balanço referente ao quarto trimestre de 2023. Para os analistas da XP Investimentos, GTF Capital, Ativa Investimentos, Monte Bravo e Genial Investimentos, a companhia reportou um resultado sólido e com uma evolução positiva, mesmo com os ventos contrários do setor de varejo.

A companhia da família Trajano reportou um lucro líquido R$ 212,2 milhões no quarto trimestre de 2023, uma reversão do prejuízo de R$ 35,9 milhões do mesmo período de 2022. Já na base ajustada, o resultado foi de um lucro líquido de R$ 101,5 milhões, outra melhora na comparação com o prejuízo líquido ajustado de R$ 15,2 milhões.

Na visão dos analistas da XP Investimentos, o grande destaque do trimestre foi o crescimento da rentabilidade, medida pela margem bruta ajustada, que foi de 27,8% no quarto trimestre de 2022 para 30,3% no quarto trimestre de 2023, um crescimento de 2,5 pontos porcentuais na base anual.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

“Essa melhora reflete o impacto do repasse da diferença entre as alíquotas interna e interestadual (DIFAL) nas vendas de mercadorias em conjunto com a maior penetração dos serviços, que impulsionaram o resultado da companhia”, afirmam Danniela Eiger, Gustavo Senday e Laryssa Sumer, que assinam o relatório da XP.

Já Artur Horta, especialista em investimentos da GTF Capital, comenta que o resultado foi em linha com o esperado. Ela lamenta que o faturamento da companhia, medido pelo GMV (Volume Bruto de Mercadoria em inglês), teve um leve recuou de 0,1% na base anual.

O GMV foi de R$ 17,95 bilhões do quarto trimestre de 2022 para R$ 17,94 bilhões no quarto trimestre de 2023. “O ano de 2023 foi fraco no ponto de vista do faturamento. No entanto, os números mostram que a companhia está no caminho certo para ter rentabilidade positiva”, aponta Horta. Ele reforça que o crescimento da margem bruta ajustada em 2,5 pontos porcentuais foi o grande destaque do balanço.

Bruno Benassi, especialista em ações na Monte Bravo Corretora, diz acreditar que a leve redução de 0,1% no faturamento da empresa já era algo a ser esperado, visto que a base de comparação do ano anterior é com a Copa do Mundo, período em que a empresa vendeu muitos televisores.  Ele relata que os números do quarto trimestre mostram que o Magalu de fato está virando o jogo. “O quarto trimestre de 2023 realmente é um ponto inflexão do Magazine Luiza, que passou por uma forte turbulência no último ciclo de alta de juros”, relata Benassi.

A Genial Investimentos também reconhece que o resultado apresentou uma evolução positiva da companhia ao longo dos últimos trimestres, mesmo com as adversidades no segmento varejista, que passa por um cenário de alta competição com Mercado Livre e Amazon ganhando espaço em volume de vendas.

Publicidade

No entanto, os analistas comentam que a empresa deixou a desejar no nível 1P. Esse nível é conhecido como comércio eletrônico de primeira parte. Nesse caso, o Magalu compra produtos, estoca, determina preços, vende em sua loja virtual e cuida de toda a logística de entrega.

Nesse quesito, a companhia apresentou uma queda de 7,8% nas vendas na comparação entre o último trimestre de 2023 e o último trimestre de 2022. Para a Genial, isso aconteceu em meio a um cenário ainda desafiador para o consumo de bens duráveis, que possuem tickets maiores e compõem categorias core da oferta 1P do Magalu.

“Apesar de estarmos mais pessimistas quanto ao crescimento de vendas 1P nos próximos 2 anos – o qual deve acontecer de forma mais lenta que o esperado anteriormente –, entendemos que a companhia tem mostrado um ótimo trabalho em relação à rentabilidade, trimestre após trimestre”, dizem
Iago Souza, Vinicius Esteves e Nina Mirazon, que assinam o relatório da Genial.

O que esperar do Magalu e das ações em 2024?

Para os analistas, as expectativas deste ano para a empresa são otimistas. Artur Horta, da GTF Capital, afirma que a empresa está apresentando avanços na eficiência e na rentabilidade. Além disso, a companhia também fez uma capitalização de R$ 1 bilhão, que deve apresentar um alívio para as despesas financeiras da empresa ao olhar para o ciclo de queda de juros, aponta o especialista.

Já a Genial Investimentos estima que a empresa deve continuar crescendo no mercado on-line em categorias de maior ticket médio. Essa estratégia reduz o impacto da concorrência, uma vez que as vendas de outras companhias desse segmento são mais concentradas em itens de valores menores.

“Com o marketplace se consolidando como destaque de crescimento de receita e injetando margem bruta “na veia”, projetamos que esse movimento continue ao longo de 2024. Estimamos que Magalu apresente uma margem bruta de 30,2%, se aproximando da rentabilidade apresentada em 2016, quando o indicador chegou ao patamar de 30,6%”, explicam Souza, Esteves e Mirazon.

Publicidade

Já Benassi, da Monte Bravo Corretora, reforça que o cenário macro também deve ajudar a varejista, visto que a expectativa do mercado é de uma redução gradual da taxa básica de juros da economia, a Selic. Segundo o mais recente boletim Focus, a Selic deve encerrar 2024 em 9% ao ano, uma redução de 2,25 pontos porcentuais em relação aos atuais 11,25% ao ano.

Os especialistas da Monte Bravo e o da GTF Capital acreditam que a ação do Magazine Luiza está atrativa para o investidor, desde que ele não se importe com a volatilidade do mercado e pense a longo prazo. “A ação pode apresentar um bom desempenho ao longo do ano, mas vale lembrar que essa é uma tese de alto risco e que pode ter forte volatilidade”, afirma Benassi.

É justamente por isso que a Ativa Investimentos manteve a sua recomendação neutra para o papel. “Reconhecemos que a empresa vem entregando resultados marginalmente melhores. No entanto, o setor desafiador pesa em nossas análises e mantemos nossa recomendação neutra”, afirma Pedro Serra, que assina o relatório da Ativa.

A corretora tem preço-alvo de R$ 4,20, uma potencial alta de 100% na comparação com o fechamento de segunda-feira (18), quando o papel encerrou o pregão a R$ 2,10.

A Genial elevou o preço-alvo da ação de R$ 2,10 para R$ 2,60 após a divulgação do balanço, o que significa uma potencial alta de 23,81% em relação ao fechamento de segunda-feira. Todavia, a corretora não mudou a recomendação de manter para compra, por considerar que o papel está caro.

Publicidade

“Apesar de entendermos que Magalu é uma empresa de crescimento e que, por isso, ela pode negociar a múltiplos mais elevados, não nos sentimos confortáveis em elevar para compra uma empresa que, em nossas atuais estimativas, negocia a múltiplos elevados”, salientam os analistas da Genial.

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos