ITUB4 R$ 23,54 -4,25% MGLU3 R$ 12,42 +0,89% DÓLAR R$ 5,65 +0,00% EURO R$ 6,58 -0,01% BBDC4 R$ 20,45 -3,91% GGBR4 R$ 26,73 +0,72% IBOVESPA 106.296,18 pts -1,34% PETR4 R$ 27,18 -1,13% ABEV3 R$ 15,00 -1,39% VALE3 R$ 76,08 +1,05%
ITUB4 R$ 23,54 -4,25% MGLU3 R$ 12,42 +0,89% DÓLAR R$ 5,65 +0,00% EURO R$ 6,58 -0,01% BBDC4 R$ 20,45 -3,91% GGBR4 R$ 26,73 +0,72% IBOVESPA 106.296,18 pts -1,34% PETR4 R$ 27,18 -1,13% ABEV3 R$ 15,00 -1,39% VALE3 R$ 76,08 +1,05%
Delay: 15 min
Mercado

Victoria’s Secret faz acordo e não será mais vendida

A Sycamore planejava comprar 55% da empresa por US$ 525 milhões

Victoria's Secret vitrine Londres
Lingerie da Victoria's Secret em vitrine de Londres, no Natal de 2018: empresa vai à Justiça para poder ser vendida. (Toby Melville/ Reuters)
  • A Sycamore planejava comprar 55% da Victoria’s Secret por US$ 525 milhões
  • A transação era esperada para fechar no segundo trimestre
  • L Brands e Sycamore disseram que resolveriam o litígio e que nenhuma das partes pagaria taxas de rescisão

(Sapna Maheshwari, The New York Times) – O plano de vender a Victoria’s Secret a uma empresa de private equity foi rescindido mutuamente na segunda-feira (5) depois que o comprador, Sycamore Partners, tentou desistir do acordo porque afirmou não concordar com as medidas adotadas pela marca de lingerie em resposta à pandemia de coronavírus.

A L Brands, que também é dona da Bath & Body Works, concordou em fevereiro em vender a maioria da Victoria’s Secret para a Sycamore Partners por cerca de US$ 525 milhões.

A transação era esperada para fechar no segundo trimestre. Mas como a pandemia obrigou a Victoria’s Secret e muitos outros varejistas a fechar temporariamente lojas e funcionários, Sycamore teve dúvidas. A empresa tentou primeiro renegociar a compra e depois entrou com uma ação para rescindir o contrato, alegando que a L Brands havia violado os termos do acordo. L Brands respondeu, chamando a tentativa de “inválida”.

Em comunicado divulgado na segunda-feira, Sarah Nash, diretora da L Brands e presidente da empresa, citou o “ambiente de negócios extremamente desafiador” para os varejistas como parte de sua decisão de pôr um fim ao acordo.

“Nosso conselho acredita que é do melhor interesse da empresa, de nossos acionistas e associados concentrar nossos esforços inteiramente na navegação nesse ambiente para enfrentar esses desafios e posicionar nossas marcas para o sucesso, em vez de entrar em litígios dispendiosos e distraídos para forçar uma parceria com a Sycamore ”, disse Nash.

L Brands e Sycamore disseram que resolveriam o litígio e que nenhuma das partes pagaria taxas de rescisão. A decisão é uma surpresa, já que os advogados da L Brands aparentemente foram responsáveis ​​pela inclusão do surto no contrato de aquisição. A linguagem do acordo dizia essencialmente que, mesmo que ocorresse uma pandemia, a Sycamore seria legalmente obrigada a concluir o negócio.

Após o fechamento da venda, o plano era que a L Brands continuasse sendo uma empresa pública constituída pela Bath & Body Works, enquanto a Sycamore trabalhava para reviver a Victoria’s Secret como uma empresa privada.

Mudanças na liderança

A aquisição teve grandes implicações para a empresa e seu executivo-chefe, Leslie H. Wexner, um magnata do varejo de 82 anos que recentemente enfrentou sérias questões sobre sua liderança. Surgiram perguntas sobre a cultura interna da empresa e o relacionamento de Wexner com o investidor Jeffrey Epstein, um criminoso sexual condenado. Wexner deveria deixar o cargo de CEO e presidente após o fechamento da venda e manter um assento no conselho da L Brands. Esperava-se que Nash se tornasse a presidente da L Brands.

Na segunda-feira, a L Brands disse que planejava avançar com o estabelecimento da Bath & Body Works como uma “empresa pública pura” e estava tomando as “medidas necessárias” para preparar a Victoria’s Secret para operar como uma empresa separada. Ele também disse que Wexner deixaria o cargo como planejado. Andrew Meslow, atual executivo-chefe da Bath & Body Works, se tornará o CEO da L Brands.

Stuart Burgdoerfer, que atualmente é diretor financeiro da L Brands, foi nomeado presidente executivo interino da Victoria’s Secret, com efeito imediato. Ele continuará sendo o CFO da L Brands e se reportará a Meslow e Nash.

As mudanças de liderança entrarão em vigor a partir de 14 de maio, dia da reunião anual de acionistas da empresa. A empresa disse que compartilharia detalhes adicionais sobre sua estratégia durante sua próxima teleconferência de lucros em 21 de maio.

“A empresa continuará a tomar medidas proativas para gerenciar adequadamente os custos e despesas para garantir liquidez à luz da pandemia de covid-19 em andamento, além de continuar a tomar medidas para melhorar o desempenho das marcas”, disse a L Brands no comunicado.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos