Publicidade

Negócios

Como nova alta de juros nos EUA afeta o dólar e a bolsa no Brasil

Alta nos juros americanos faz investidores priorizarem ativos seguros, nos EUA, em detrimento dos emergentes

Como nova alta de juros nos EUA afeta o dólar e a bolsa no Brasil
Alta do dólar é uma das consequências do aperto monetário nos EUA. (Foto: Envato)
  • O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) decidiu manter o ritmo de aperto monetário nos Estados Unidos e elevou a taxa de juros do país em 75 pontos-base nesta quarta-feira (27)
  • Esse cenário gera dois movimentos principais para o Brasil: redução do fluxo de capital gringo na B3 e aumento do dólar. E ambos já estão acontecendo

Enquanto o mercado global acompanha com cautela o aperto monetário nos Estados Unidos – que nesta quarta-feira (27) elevou a taxa de juros norte-americana em 75 pontos-base para o intervalo entre 2,25% e 2,5% –, os investidores brasileiros têm ainda uma outra preocupação. De que forma a desaceleração da economia dos EUA, e até uma possível recessão, vai impactar o mercado doméstico?

O novo aumento na taxa de juros dá indícios de que a economia norte-americana entrará em recessão. Mas qual o tamanho da crise que tal situação pode causar? Esta reportagem mostra o que o mercado espera de uma recessão nos EUA.

O movimento começou a ser sentido no Ibovespa nos últimos meses, com pregões de muita volatilidade, acompanhando as quedas das bolsas norte-americanas. Por mais que o Brasil tenha antecipado o ciclo de juros e já vislumbre o final das altas na Selic, a taxa básica de juros da economia doméstica, a alta nos juros dos EUA torna os ativos brasileiros menos atraentes aos olhos do investidor estrangeiro.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Para Marcus Labarthe, sócio-fundador da GT Capital, o momento é de “volta aos Estados Unidos”, com o capital global retornando para onde se sente mais protegido. “Vemos os títulos brasileiros a patamares pouco vistos e ainda sim com dificuldades de atrair capital internacional. Isto é reflexo do medo com o futuro”, afirma.

Esse cenário gera dois movimentos principais para o Brasil: redução do fluxo de capital gringo na B3 e aumento do dólar. E ambos já estão acontecendo.

De dezembro de 2021 a março deste ano, a entrada de capital estrangeiro na bolsa de valores brasileira foi bastante positiva. De lá para cá, porém, o movimento se reverteu. O único mês em que a entrada de recursos estrangeiros no País superou a saída foi junho por causa da privatização da Eletrobras, explica Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

“Quando começou a ficar mais claro que os EUA iam precisar subir mais a taxa de juros, o fluxo estrangeiro vira para o negativo. A continuidade do aperto monetário lá atrai mais recursos para os Estados Unidos e acaba afastando um pouco dos mercados emergentes”, afirma Cruz.

Mas não é só os juros que estão afastando os gringos do investimento no Brasil. Na visão da gestora global Janus Henderson, tem um outro fator que impede uma alocação maior no País; veja a entrevista completa.

Publicidade

A proximidade das eleições também entrou no caminho. Fabio Louzada, economista, analista CNPI e fundador da Eu me Banco, afirma que propostas como a PEC Kamikaze, que libera gastos bilionários do governo às vésperas do pleito, aumentam os temores com a situação fiscal do Brasil. Outro fator que colabora para essa fuga do capital estrangeiro.

“Isso alimentou o temor do mercado em relação à percepção de risco fiscal e furo do teto de gastos. Diante desse cenário de insegurança, o investidor prefere migrar para outras economias”, diz.

Com a saída dos estrangeiros, quem sofre é o Ibovespa, que amarga quedas e vem lutando para se manter na faixa dos 100 mil pontos desde que o Fed iniciou o aperto monetário nos EUA. Nos primeiros meses do ano, a alta dos preços internacionais de commodities ajudaram a sustentar as altas no índice, assim como valorizar o real frente ao dólar. Mas o cenário foi se ajustando conforme o medo nos mercados globais aumentou.

Marcus Labarthe, da GT Capital, explica que poucas ações conseguem se beneficiar nesse cenário, mas aquelas empresas que conseguem repassar ao consumidor a alta nos preços em seus produtos são mais beneficiadas. “Vejo com destaque setores de seguros, como BB Seguridade (BBSE3), e os exportadores atrelados ao dólar , como Suzano (SUZB3). Os menos beneficiados são os setores que têm maior dificuldade em repassar a alta da matéria prima e da inflação, como varejo e construção civil”, diz.

Dólar pode continuar em alta

Quem também tende a jogar contra os investidores brasileiros é o dólar. Desde junho, a moeda norte-americana vem acentuando as altas frente à brasileira, chegando a bater os R$ 5,50 na última semana.

E a decisão do Fed em aumentar os juros pode contribuir para manter a moeda dos EUA em alta. “Há uma crescente preocupação com uma possível recessão que pode ser causada pelo aumento de juros lá fora. Em um cenário desse, com aversão a risco, medo global de uma possível recessão, há uma corrida por ativos seguros como o dólar”, diz Felipe Steiman, gerente comercial da B&T Câmbio.

Publicidade

A tendência é que a moeda norte-americana continue valorizada, ao menos até que o banco central dos EUA comece a dar indícios de uma redução nos juros por lá. “ A partir do momento em que o Fed indicar que deve diminuir o ritmo, o dólar deve dar uma aliviada.”, diz Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

Web Stories

Ver tudo
<
>

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos