Últimas notícias

8 em cada 10 brasileiros possui uma dívida em seu nome, revela pesquisa

Dado faz parte de levantamento anual da CNC

8 em cada 10 brasileiros possui uma dívida em seu nome, revela pesquisa
(Foto: Envato Elements)

Em 2023, 77,8% das famílias brasileiras apresentavam alguma dívida em seu nome, seja dívida adimplente ou inadimplente, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Embora o ano tenha fechado com as famílias menos endividadas no período de 12 meses (77,6% em dezembro de 2023 contra 78% em dezembro de 2022), a última variação mensal apresentou alta de 1 p.p., com o indicador saindo de 76,6% em novembro de 2023.

Vale ressaltar que o indicador de endividamento das famílias começou a cair em julho de 2023, quando o indicador alcançou 78,1% contra 78,5% de junho de 2023.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Em relação ao PIB, as dívidas das famílias estão em torno de 30%, o que não é um percentual elevado quando comparado ao mercado americano, onde as dívidas das famílias representam 73% do PIB dos Estados Unidos, diz a pesquisa.

Pela ótica da renda, a parcela de endividados mostrou recuo para as famílias que recebem entre três e cinco salários mínimos, chegando ao percentual de 78,5%. Já a proporção de endividados no grupo com mais de dez salários mínimos de renda mensal subiu 0,6 p.p., alcançando 74,9%.

Entre os estados brasileiros, os cinco mais endividados foram Paraná, Minas Gerais e Espírito Santo, Roraima e Ceará. Do contrário, os menos endividados foram Goiás, Pará e Mato Grosso do Sul, Bahia e Alagoas.

Dois indicadores de inadimplência da Peic tiveram aumento em 2023, continuando a tendência estabelecida entre 2021 e 2022. A proporção média de famílias sem condições de pagar dívidas já atrasadas cresceu em maior intensidade (1,4 p.p.), alcançando 12,1% do total de consumidores brasileiros, a máxima histórica.

“Isso corrobora a importância de programas de renegociação de dívidas bem estruturados, como o Desenrola, que já demonstra resultado, com queda nesse indicador no último trimestre do ano, de 13% em outubro para 12,2% em dezembro do ano passado”, revela o material.

Publicidade