Últimas notícias

Bolsas de NY fecham mistas, com ganhos de bancos e petroleiras

No fechamento, o índice Dow Jones subiu 0,29%, a 3.3684,79 pontos

Bolsas de NY fecham mistas, com ganhos de bancos e petroleiras
O Charging Bull, estátua-símbolo de Wall Street. (Carlo Allegri/ Reuters)

As bolsas de Nova York fecharam mistas nesta terça-feira, à medida que ganhos de bancos e petroleiras compensaram parcialmente a pressão sobre tecnologia. Investidores se posicionaram para as divulgações de inflação ao consumidor (CPI) e da ata do Federal Reserve (Fed), marcadas para amanhã.

No fechamento, o índice Dow Jones subiu 0,29%, a 3.3684,79 pontos; o S&P 500 teve variação praticamente estável e ficou em 4.108,94 pontos; e o Nasdaq perdeu 0,43%, a 12.031,88 pontos. Por desempenho setorial, bancos tiveram mais um pregão de destaque, diante do contínuo arrefecimento do estresse recente sobre a saúde de instituições regionais.

Goldman Sachs avançou 0,74%, JPMorgan aumentou 0,49% e Citigroup se elevou 1,46%. A expectativa agora é para a temporada de balanços dessas empresas, que começa na próxima sexta-feira. O papel da Boeing, por sua vez, se valorizou 0,73%, após a informação de que as entregas de aviões da empresa superaram as da Airbus no primeiro trimestre pela primeira vez desde 2018. Já Ford ganhou 1,26%, depois que a montadora anunciou investimento bilionário em fábrica de veículos elétricos no Canadá.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Entre as gigantes de energia, Chevron subiu 0,55%, na esteira do fortalecimento do petróleo. Exxon Mobil aumentou 0,71%, de olho nas especulações sobre movimentos de compras por parte da companhia. Apesar do viés positivo dos negócios, incertezas persistem no horizonte de investidores.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou a previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) global este ano, de 2,9% a 2,8%. Para a entidade, as recentes turbulências bancárias amplificam os riscos em um cenário de aperto monetário. Amanhã, o CPI e a ata do Fed devem fornecer mais direcionamento nas aposta para os juros. Hoje, o presidente da distrital do BC americano em Nova York, John Williams, disse considerar “razoável” a expectativa por mais uma alta de 25 pontos-base em maio. Já o líder da regional de Chicago, Austan Goolsbee, defendeu maior “prudência” na avaliação dos riscos de bancos e no impacto para a política monetária.