Tempo Real

Haddad: Vamos perseguir meta de déficit primário entre 0,5% e 1% do PIB

O ministro da Fazenda apresentou uma série de medidas que poderiam reverter o déficit

Haddad: Vamos perseguir meta de déficit primário entre 0,5% e 1% do PIB
Fernando Haddad, ministro da Fazenda. Foto: Wilton Junior/Estadão

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira (12) que o governo vai perseguir neste ano uma meta de déficit primário entre 0,5% e 1% do Produto Interno Bruto (PIB). “Não há crescimento sustentável com déficit de 2% do PIB”, afirmou.

Haddad apresentou uma série de medidas que poderiam reverter o déficit, mas alertou que pode haver “frustração” nesse objetivo devido a “bombas de efeito retardado” do governo anterior.

Com o anúncio de medidas feito hoje, a Fazenda prevê reversão do déficit primário de R$ 231,55 bilhões estimado para este ano. Considerando uma reestimativa de receita no Orçamento de R$ 36,40 bilhões, ações permanentes de receitas, recursos extraordinários e medidas de redução de gastos, o resultado primário no fim do ano seria de superávit de R$ 11,13 bilhões, ou 0,10% do PIB.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

“Se tudo acontecer como planejado, as medidas de arrecadação zeram o déficit”, declarou Haddad.

Web Stories

Ver tudo
<
Novo aumento da gasolina? Entenda porque Petrobras pode mexer de novo no preço dos combustíveis
Bancos digitais: confira 5 contas que melhor pagam seus clientes
O que é BPC? Por que governo quer fazer pente-fino neste benefício social?
Mega-Sena: como aumentar minhas chances de vencer?
Mega Millions: como os brasileiros podem apostar?
Como identificar as notas antigas do real que saíram de circulação?
Quanto tempo dura a pensão por morte na união estável?
Saque-aniversário do FGTS: até quando nascidos em julho podem sacar o benefício?
MEI: últimos dias para aderir ao DET e evitar multas; veja como fazer
Quer investir em IA? Conheça o novo ETF que segue Nvidia e AMD
Não deixe na gaveta: notas antigas de Real saem de circulação; o que fazer?
Quem tem união estável tem direito à pensão por morte?
>