Últimas notícias

Petróleo fecha em alta, com bom humor nos mercados e dólar fraco

Brent para setembro subiu 1,02% na ICE

Petróleo fecha em alta, com bom humor nos mercados e dólar fraco
Bomba de petróleo em Midland, Texas, EUA 22/07/2018 REUTERS/Nick Oxford

Por Gabriel Caldeira – O petróleo avançou hoje, em sessão que terminou positiva após os contratos no mercado futuro chegarem a operar em baixa ao redor de 2% em Nova York e Londres. O apetite por risco nos mercados globais ajudou o óleo a se firmar em alta no começo da tarde. O recuo do dólar ante moedas fortes, como o euro e a libra, também apoiou a commodity, uma vez que a torna mais barata e atraente a operadores que negociam com outras divisas.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do petróleo WTI com entrega prevista para setembro fechou em alta de 1,33% (US$ 1,32), a US$ 100,74, e o do Brent para o mesmo mês subiu 1,02% na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 107,35.

“Os preços foram impulsionados pelo dólar mais fraco e pelo melhor sentimento do mercado em geral”, resume o Commerzbank, em relatório enviado a clientes. Segundo o banco alemão, há ainda o panorama de contínuo aperto da oferta global, após os EUA não receberem sinais claros de que a Arábia Saudita vai aumentar sua produção, após a viagem do presidente Joe Biden ao país.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Neste contexto, notícias que indicam retomada da produção da Líbia a patamares normais não tem pesado sobre os preços, diz o Commerzbank. Por lá, a petroleira estatal prevê aumento de 1,2 milhão de barris por dia (bpd) em sua oferta na próxima semana, após a troca de comanda na empresa abrir caminho para um acordo com protestantes, o que permite a retomada plena das atividades.

Quanto à perspectiva de maior prazo, o TD Securities avalia que os temores por recessão da economia global devem tirar parte do interesse por petróleo, mas o crescimento da demanda deve permanecer positivo em base comparativa anual. Além disso, “a contínua erosão da capacidade ociosa” deve evitar que o petróleo caia muito no futuro próximo, diz.