ITUB4 R$ 23,54 -4,25% MGLU3 R$ 12,42 +0,89% DÓLAR R$ 5,65 +0,00% EURO R$ 6,58 -0,01% BBDC4 R$ 20,45 -3,91% GGBR4 R$ 26,73 +0,72% IBOVESPA 106.296,18 pts -1,34% PETR4 R$ 27,18 -1,13% ABEV3 R$ 15,00 -1,39% VALE3 R$ 76,08 +1,05%
ITUB4 R$ 23,54 -4,25% MGLU3 R$ 12,42 +0,89% DÓLAR R$ 5,65 +0,00% EURO R$ 6,58 -0,01% BBDC4 R$ 20,45 -3,91% GGBR4 R$ 26,73 +0,72% IBOVESPA 106.296,18 pts -1,34% PETR4 R$ 27,18 -1,13% ABEV3 R$ 15,00 -1,39% VALE3 R$ 76,08 +1,05%
Delay: 15 min
Últimas notícias

Petróleo opera perto da estabilidade mesmo com nova variante da covid

Os contratos futuros do Brent para setembro subiram 0,04 dólar a 74,14 dólares por barril às 10h42

Plataforma de Petróleo
Plataforma de Petróleo. Foto: Pixabay

(Reuters) – Os preços do petróleo operam estáveis ​​nesta segunda-feira, 26, com a disseminação da variante Delta da covid-19 alimentando temores sobre a demanda futura para o combustível, embora a oferta da commodity pareça estar restrita pelo restante do ano.

Os contratos futuros do Brent para setembro subiram 0,04 dólar a 74,14 dólares por barril às 10h42 (horário de Brasília), enquanto o petróleo dos EUA (WTI) caiu 0,11 dólar para 71,96 dólares por barril.

Ambos os benchmarks caíram mais de 1 dólar o barril nas negociações anteriores.

Os casos de coronavírus continuaram a aumentar no fim de semana, com alguns países relatando aumentos diários recordes e ampliando as medidas de isolamento que poderiam desacelerar a demanda por petróleo.

A China, maior importadora de petróleo do mundo, também registrou aumento nos casos de Covid-19.

Além disso, a repressão de Pequim ao uso indevido de cotas de importação combinada com o impacto dos altos preços do petróleo pode levar o crescimento das importações da China ao seu nível mais lento em duas décadas este ano, apesar de um aumento esperado nas taxas de refino no segundo semestre.

A forte demanda dos EUA e as expectativas de oferta restrita ajudaram os dois contratos a se recuperarem de uma queda de 7% na segunda-feira passada.

Os mercados globais de petróleo deverão permanecer deficitários, apesar da decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, conhecidos como Opep+, de aumentar a produção durante o resto do ano.

“Parece que há uma batalha dentro do complexo de energia entre o déficit de abastecimento predominante projetado pela Opep+ e a ameaça da variante Delta da Covid-19 em regiões com baixas taxas de vacinação”, disse o analista da StoneX, Kevin Solomon.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos