ITUB4 R$ 23,22 -5,15% MGLU3 R$ 12,04 -2,98% DÓLAR R$ 5,72 +1,03% EURO R$ 6,65 +1,04% BBDC4 R$ 20,06 -5,60% IBOVESPA 103.735,64 pts -3,71% GGBR4 R$ 26,60 +0,15% PETR4 R$ 26,09 -4,95% ABEV3 R$ 14,76 -2,51% VALE3 R$ 76,11 +1,26%
ITUB4 R$ 23,22 -5,15% MGLU3 R$ 12,04 -2,98% DÓLAR R$ 5,72 +1,03% EURO R$ 6,65 +1,04% BBDC4 R$ 20,06 -5,60% IBOVESPA 103.735,64 pts -3,71% GGBR4 R$ 26,60 +0,15% PETR4 R$ 26,09 -4,95% ABEV3 R$ 14,76 -2,51% VALE3 R$ 76,11 +1,26%
Delay: 15 min
Últimas notícias

Vale e siderúrgicas conduzem Ibov de volta para mais de 112 mil pontos

Às 12h06, o Ibovespa mostrava valorização de 1,68%, aos 112.104,07 pontos

Painel eletrônico exibe cotações da Bolsa de Valores brasileira
Painel da B3. (Amanda Perobelli/ Reuters)

Ações de Vale e de siderúrgicas lideravam nesta quarta-feira (22) os ganhos do Ibovespa, refletindo alívio com medidas na China para tentar debelar efeitos de possível quebra da gigante imobiliária Evergrande, enquanto o foco do mercado se voltava para novidades de política monetária nos Estados Unidos e no Brasil.

Às 12h06, o Ibovespa mostrava valorização de 1,68%, aos 112.104,07 pontos. O giro financeiro da sessão somava 12,26 bilhões de reais.

Notícias de que a Evergrande fez acordo para evitar um calote a credores na quinta-feira (23) e de que o governo chinês organiza assumir a companhia e cindi-la tiraram o maior peso recente dos ativos de risco, elevando cotações de commodities e de índices de ações pelo mundo.

Com isso, investidores voltavam a concentrar as preocupações no que indicará o Fed, autoridade monetária dos Estados Unidos, após sua reunião nesta tarde, podendo “sinalizar algo sobre a retirada de estímulos no finalzinho do ano”, afirmou Alvaro Bandeira, economista-chefe do banco digital Modalmais, em nota.

No plano doméstico, a agenda econômica mais importante do dia é a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que após o fechamento deve anunciar alta de 1 ponto na taxa básica de juro, a 6,25% ao ano, segundo consenso do mercado.

DESTAQUES

– VALE disparava 4,2%, com as cotações do minério de ferro reagindo diante do alívio com o caso Evergrande e seus possíveis desdobramentos para o setor imobiliário chinês e, claro, das exportações da companhia para aquele mercado. Assim, o corte do preço alvo do ADR da companhia pelo Bank of America e pela Jefferies ficou em segundo plano.

– Pelo mesmo caminho iam as siderúrgicas, com Usiminas avançando 8,35%, GERDAU acelerando 6,75%, e CSN, com ganho de 3,48%.

– EMBRAER tinha acréscimo de 5,2%, liderando os ganhos do setor aéreo, em meio a repetidos sinais de recuperação do segmento, além de planos de expansão para mobilidade urbana nos próximos anos. AZUL crescia 6,6% e GOL era elevada em 4,4%.

– BANCO PAN puxava a fila do setor financeiro, subindo 5%, seguida por BANCO INTER, com avanço de 4,15%. ITAÚ UNIBANCO tinha incremento de 2,1% e BRADESCO era valorizada em 2%.

– PETROBRAS era apreciada em 2,5%, por sua vez refletindo o aumento da cotação do barril do petróleo. PETROBRIO ganhava 4,1%.

– VIA ia na contramão, caindo 2,4% e devolvendo parte da escalada na véspera quando anunciou que atingiu mais de 100 mil vendedores terceiros em sua plataforma em agosto. As perdas atingiam boa parte do setor ligado a consumo doméstico, com MAGAZINE LUIZA em baixa de 0,7%.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos