MGLU3 R$ 6,75 +0,45% EURO R$ 6,09 -0,21% BBDC4 R$ 22,17 +0,09% DÓLAR R$ 5,43 +0,00% PETR4 R$ 33,87 +2,67% ABEV3 R$ 15,00 -0,46% IBOVESPA 111.289,18 pts +0,98% ITUB4 R$ 24,37 +1,08% GGBR4 R$ 27,88 +1,79% VALE3 R$ 84,30 +0,29%
MGLU3 R$ 6,75 +0,45% EURO R$ 6,09 -0,21% BBDC4 R$ 22,17 +0,09% DÓLAR R$ 5,43 +0,00% PETR4 R$ 33,87 +2,67% ABEV3 R$ 15,00 -0,46% IBOVESPA 111.289,18 pts +0,98% ITUB4 R$ 24,37 +1,08% GGBR4 R$ 27,88 +1,79% VALE3 R$ 84,30 +0,29%
Delay: 15 min
Ana Paula Hornos, colunista do E-Investidor (Foto: Divulgação)

Mente sã em bolso são

Ana Paula Hornos é mediadora, palestrante e produtora de conteúdo sobre finanças e comportamento. Dedicada à psicologia, educação financeira e orientação profissional, com mais de 20 anos de experiência como executiva e empresária, trabalha assessorando pessoas na formulação e alcance de seus objetivos. Mestranda em psicologia e graduada em Engenharia, ambas pela USP, com MBA em finanças pelo Insper e especializações pela FGV e IMD, foi diretora de grandes empresas nacionais como o Grupo Pão de Açúcar e membro de Conselho de Administração da Essencis Ambiental. É autora da coleção ‘Educação Financeira e Valores’, de apoio didático escolar para educação financeira de crianças e adolescentes e do livro infanto-juvenil ‘Crise Financeira na Floresta’. Atualmente também professora na FGV-IDE e na Casa do Saber.

Escreve às segundas-feiras, a cada 15 dias.

Ana Paula Hornos

Fake news trazem prejuízos para a vida do investidor

Notícias falsas impulsionam ou derrubam artificialmente o preço de ações e causam estragos

Foto: @pixabay
  • No mundo dos investimentos, o jargão “rumores” é usado como sinônimo de fake news. Já ouviu a expressão de que a ação sobe no boato e cai no fato?
  • Será mesmo que fake news devem fazer parte de nossas vidas como algo natural? Qual o impacto delas para a economia, para os investimentos, para o bolso e para a vida em geral?

Na manhã de segunda-feira (13), o mercado de criptomoedas acordou agitado. Um informe publicado pelo distribuidor de releases GlobeNewswire dizia que a esquecida moeda Litecoin seria aceita em lojas do Walmart a partir de 1º de outubro. A rede de supermercados negou essa fake news horas depois, mas o valor da Litecoin já havia explodido, enquanto Bitcoin e outras Altcoins sofreram com a volatilidade.

No Brasil, a praga das fake news contamina vários setores: na saúde com as vacinas; no mundo dos famosos – como a polêmica com Paolla Oliveira; ela negou ter dito que, caso o presidente Jair Bolsonaro se reeleja, só restará a prostituição para as atrizes da Globo –; no mundo da política; em transações com jogadores de futebol e até mesmo envolvendo a classe dos caminhoneiros.

No mundo dos investimentos, o jargão “rumores” é usado como sinônimo de fake news. Já ouviu a expressão de que a ação sobe no boato e cai no fato? Como exemplos, entre muitos, podem ser citados o recente rumor sobre a aquisição de Lojas Marisa por Lojas Americanas ou a fusão com a Renner, e um mais antigo envolvendo a Petrobras e novas reservas. Especulações, notícias não confirmadas ou falsas provocam cenários voláteis, aumentam o risco, impulsionam ou derrubam artificialmente o preço de ações e causam estragos para pessoas, empresas e países.

Será mesmo que fake news devem fazer parte de nossas vidas como algo natural? Qual o impacto delas para a economia, para os investimentos, para o bolso e para a vida em geral?

“Fiquei magoado, não por me teres mentido, mas por não poder voltar a acreditar-te”, disse o filosofo Friedrich Nietzsche (1844-1900). A confiança é uma necessidade do ser humano, pela qual são estabelecidos os vínculos e laços de afeto. Suas matérias primas são a transparência, integridade e a coerência. Quebrar a confiança causa no outro um sofrimento tão profundo como a dor física de uma ferida, pois são mecanismos equivalentes para o cérebro.

Em psicologia, confiança é entendida como a crença na probidade moral, na sinceridade de alguém, como a expectativa de que um indivíduo, grupo ou instituição aja de forma esperada, com certa regularidade e previsibilidade. A confiança será mais ou menos reforçada, em função de atos ou fatos.

Fake news abalam a confiança! Sentimentos coletivos de insegurança em relação ao futuro podem provocar que algum temido evento aconteça, como uma profecia autorrealizável. Como os mercados produtivo e financeiro trabalham com projeções futuras e como nós, seres humanos, estamos frequentemente antecipando o futuro mentalmente, expectativas alimentam a tomada de decisão e tornam realidade o que antes era apenas especulação.

Pessoas agem conforme suas crenças persistentes mesmo que estas sejam retiradas. Seguem interpretando novas informações de maneira tendenciosa, o que pode provocar em um grupo distanciamento de visões e polarização de opiniões. É o viés cognitivo de confirmação colaborando para abalar a confiança e fazer gente perder dinheiro com isso. Não é à toa que índices de confiança são monitorados, como o Índice de Confiança do Consumidor e o Índice de Confiança Empresarial, e que agências de classificação de risco dos países levam em consideração marcadores de confiança.

Em termos práticos, a falta de evidências, fake news, incertezas, especulações, rumores, ou condutas não confiáveis podem levar você a decisões erradas, a rupturas de relacionamentos e problemas financeiros; podem levar empresas a temer investimentos ou a perder seu valor no mercado; podem impactar países em suas taxas de juros, de emprego, em seu crescimento e estabilidade.

É fundamental, em nossas vidas pessoais, financeiras e como cidadãos, fazermos nossa parte, checando fontes, buscando informação em lugares seguros, apoiando iniciativas de combate a notícias falsas e ajudando a impedir que elas se espalhem.

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos