MGLU3 R$ 25,99 +1,96% DÓLAR R$ 5,47 +0,00% EURO R$ 6,66 +0,03% BBDC4 R$ 25,01 -1,84% ITUB4 R$ 29,27 -2,14% IBOVESPA 117.380,49 pts -0,80% PETR4 R$ 27,09 -1,67% ABEV3 R$ 15,15 -2,95% VALE3 R$ 93,17 -0,20% GGBR4 R$ 25,36 +1,36%
MGLU3 R$ 25,99 +1,96% DÓLAR R$ 5,47 +0,00% EURO R$ 6,66 +0,03% BBDC4 R$ 25,01 -1,84% ITUB4 R$ 29,27 -2,14% IBOVESPA 117.380,49 pts -0,80% PETR4 R$ 27,09 -1,67% ABEV3 R$ 15,15 -2,95% VALE3 R$ 93,17 -0,20% GGBR4 R$ 25,36 +1,36%
Delay: 15 min

Investimento não é cassino

Fabrizio Gueratto é especialista em investimentos, com mais de 15 anos de experiência, além de ser o apresentador e financista do Canal de YouTube 1Bilhão Educação Financeira, com mais de 300 mil inscritos e 12 milhões de visualizações em pouco mais de 1 ano de trabalho. Atualmente, com 36 anos de idade, Fabrizio é palestrante e autor do livro “De Endividado a Bilionário”.

Escreve às terças e quintas-feiras

Fabrizio Gueratto

CVC (CVCB3), Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4): O que a alta dessas ações representa para a B3?

A recuperação e valorização das empresas de turismo não faz de nenhum investidor um gênio. São as empresas que mais sofrem na pandemia.

Avião
(Foto: Envato Elements)
  • Após queda de 63% desde o começo do ano, as ações da CVC avançaram quase 10% na última quarta-feira;
  • A Azul demonstrou forte avanço na B3 desde o início de novembro;
  • No começo do mês, as ações da Gol apresentavam preço médio de R$ 15,60. Já na segunda-feira, as ações apresentavam alta de 2,4%.

O mês de novembro foi marcado por uma forte alta nas ações da Azul (AZUL4), Gol (GOLL4) e CVC (CVCB3). Os resultados são advindos do crescente otimismo quanto a evolução do desenvolvimento de vacinas contra o novo coronavírus (covid-19). Além disso, recentemente, a empresa americana Moderna anunciou que solicitará o uso emergencial da vacina ao FDA, órgão de controle sanitário americano. Após o término da fase 3 de testes, a farmacêutica informou que o imunizante apresenta 94,1% de eficácia. Além desta, diversas outras vacinas ao redor do mundo estão na fase final de testes.

CVC (CVCB3)

As notícias chegam como um alento ao setor do turismo, sendo este um dos ramos mais afetados pela pandemia. Como reflexo da expectativa positiva frente ao início da recuperação do mercado, a Standard and Poor’s elevou o rating nacional da agência de viagens CVC de CCC- para B. Ao comentar a recategorização, a S&P argumentou que a decisão se deve à “conclusão das negociações com credores e sinais de recuperação da indústria”.

Após queda de 63% nas ações da empresa desde o começo do ano, a CVC (CVCB3) voltou a flertar com o mercado. Na última quarta-feira, as ações avançaram quase 10%, sendo negociadas a R$ 17,95. Já nesta segunda-feira, as ações fecharam com alta de 1,56%, sendo negociadas a R$ 18,23.

Azul (AZUL4)

A tendência também se concretiza em outras empresas do setor de turismo. A companhia aérea brasileira Azul (AZUL4) demonstrou forte avanço na B3 desde o início de novembro. Alguns dos mesmo fatores que movimentaram a recategorização da CVC, também impulsionaram a compra de ações da Azul pela empresa BlackRock.

A gigante em gestão de investimentos já chegou a possuir quase 15% da companhia aérea em 2018, porém, após sucessivas vendas, a participação chegou a 4,95% no começo de 2020. Agora, neste fim de ano, a BlackRock voltou a ampliar seu investimento em ações da Azul, tornando-se dona de um total de 5,11% das ações da empresa. A Azul fechou nesta segunda-feira, com alta de 3,06%, sendo negociadas a R$ 38,02.

Gol (GOLL4)

Outro caso de expansão notável, a companhia aérea Gol também demonstrou altas significativas desde o começo de novembro. Ainda no começo do mês, as ações da Gol (GOLL4) apresentavam preço médio de R$ 15,60. Já na segunda-feira, as ações da Gol apresentavam alta de 2,4%, sendo que suas ações estavam sendo comerciadas à R$ 23,52. Isso representa uma valorização de quase R$ 8.

A recuperação e valorização das empresas de turismo não faz de nenhum investidor um gênio. São as empresas que mais sofrem na pandemia, tanto do ponto de vista econômico, pela redução de viagens corporativas e de turismo, assim como pelo receio das pessoas de estarem em um ambiente fechado como um avião. Vale ressaltar que, os casos no Brasil estão aumentando assustadoramente e pode, em breve, ter novas restrições que causarão maiores estragos.

As companhias aéreas e empresas de turismo sobreviveriam por mais 6 meses de restrições? Talvez.

Leia a matéria sobre o prejuízo da CVC (CVCB3) aqui.

Assista ao vídeo exclusivo sobre o impacto da segunda de covid-19:

 

Invista com o apoio de conteúdos exclusivos e diários. Cadastre-se na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos