EURO R$ 6,04 +1,23% MGLU3 R$ 21,11 -0,94% DÓLAR R$ 5,09 +0,51% ITUB4 R$ 32,20 -2,13% PETR4 R$ 28,25 +0,43% ABEV3 R$ 18,64 -1,95% IBOVESPA 128.405,35 pts +0,27% GGBR4 R$ 28,95 -0,17% BBDC4 R$ 27,47 -1,75% VALE3 R$ 109,11 +3,03%
EURO R$ 6,04 +1,23% MGLU3 R$ 21,11 -0,94% DÓLAR R$ 5,09 +0,51% ITUB4 R$ 32,20 -2,13% PETR4 R$ 28,25 +0,43% ABEV3 R$ 18,64 -1,95% IBOVESPA 128.405,35 pts +0,27% GGBR4 R$ 28,95 -0,17% BBDC4 R$ 27,47 -1,75% VALE3 R$ 109,11 +3,03%
Delay: 15 min

Uma ação do presente para garantir o seu futuro

Louise Barsi é formada em economia e contabilidade e especialista em mercado de capitais. Analista CNPI, ela se dedica à empresa de educação digital Ações Garantem o Futuro, que foi criada para desmistificar a Bolsa de Valores para os investidores brasileiros.

Escreve às quartas-feiras, a cada 15 dias.

Louise Barsi

Quando você deve usar o seu caixa de oportunidades

O que você faria se 50% do seu patrimônio simplesmente desaparecesse?

dinheiro-ideias-investimentos
(Foto: Envato Elements_
  • Parece obvio afirmar que para ter sucesso na Bolsa basta que o investidor compre na baixa
  • O que muitos deixam de contar é que dificilmente você conseguirá enxergar essas oportunidades quando elas passarem por você

O que você faria se 50% do seu patrimônio simplesmente desaparecesse? Investidores de longo prazo se depararão com esse dilema por algumas vezes durante sua trajetória na Bolsa de Valores. Uma das mais emblemáticas que tive a chance de acompanhar e que vale a pena ser contada ocorreu entre os anos de 2012 e 2013, um passado não muito distante.

Distante suficiente, no entanto, para afirmarmos que o mercado tem sim memória curta. Como uma vez disse Warren Buffet, “o que aprendemos com a história é que as pessoas não aprendem com a história”. Parece obvio afirmar que para ter sucesso na Bolsa basta que o investidor compre na baixa. O que muitos deixam de contar é que dificilmente você conseguirá enxergar essas oportunidades quando elas passarem por você.

Provavelmente você se recorda da tempestade perfeita que começou a se formar sobre o país em meados de setembro de 2012. Na época Luiz Barsi tinha cerca de R$ 130 milhões de reais alocados em algumas poucas e boas ações do setor de energia. O ponta pé inicial da crise no segmento foi dado pela aprovação da MP 579, que em resumo obrigou as companhias elétricas a renovarem antecipadamente suas concessões por taxas 20% menores, em troca de uma indenização.

O objetivo era obviamente fazer um agrado ao eleitor com uma conta de luz mais barata no fim do mês à base da canetada. Os custos dos insumos, por outro lado, estavam em franca trajetória de alta e não demorou para que o governo percebesse que não teria capacidade de subsidiar por muito mais tempo a tarifa e ressarcir as empresas.

Na época me recordo do pânico que tomava conta dos noticiários, as principais elétricas da carteira chegaram a cair mais de 60% em pouco menos de um ano. Meu pai não se desesperou com o tombo, ao contrário, voltou a comprar e em uma entrevista icônica ainda prometeu um beijo na boca da Dilma como forma de retribuição.

Um dos trechos menos polêmicos, mas não menos importantes dizia: “Realmente, o cenário piorou muito, e o maior problema é que ainda não dá para calcular o impacto que essa mudança de regras terá no caixa das companhias. Mas nenhum país vive sem energia elétrica e, depois da queda dos últimos meses, as ações ficaram cotadas à um preço muito interessante. É assim que se ganha dinheiro no mercado. ”

Importante notar que todas as recomendações de instituições relevantes do mercado naquele período optaram pela veemente venda dos ativos. Barsi assistiu seus R$ 130 milhões se transformarem em pouco mais de R$ 59 milhões ao final de 2013, mas também assistiu esse montante atingir R$ 427 milhões em 2021, além de responsável por aproximadamente 25% de todo seu fluxo recorrente em dividendos.

Conseguem perceber semelhança com os acontecimentos dessa semana? (fazer o link sobre MP da CSLL dos bancos)

Onde quero chegar: talvez hoje estejamos vivendo exatamente um desses momentos de oportunidade que geralmente não conseguimos enxergar no curto prazo. A diferença é que no setor bancário a banda toca completamente diferente, há uma certa facilidade no repasse desse percalço “extra” que o aumento da CSLL (o segundo em dois anos) representará na lucratividade das instituições financeiras.

Portanto, se você é daqueles investidores que torcem para que o preço de uma boa ação pagadora de dividendos caia, prepare-se para dar um beijo em Bolsonaro. As oportunidades que o jacaré abocanhou nos últimos pregões foram comentadas com exclusividade aos nossos assinantes do AGF Prime. Bons aportes!

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos