Comportamento

Vai comprar na Black Friday? Veja dicas para aproveitar as ofertas

Especialistas destacam que é preciso estar atento a possíveis fraudes

Vai comprar na Black Friday? Veja dicas para aproveitar as ofertas
A expectativa é que o comércio fature R$ 4,2 bilhões nesta Black Friday, a maior movimentação desde que a data foi incorporada ao calendário, em 2010 (Fonte: Pixabay)
  • O E-Investidor pediu a especialistas que dessem dicas sobre como usufruir melhor dos dias de promoção
  • A colunista do E-Investidor e psicóloga clínica Ana Paula Hornos diz que o limite da dívida deve ser de no máximo 30% da receita líquida, somando todos os parcelamentos de uma determinada compra
  • A empresa especializada em segurança na internet ClearSale apontou que houve uma alta de mais de 130% no número de tentativas de fraude no varejo virtual na Black Friday de 2021 na comparação com o ano anterior

Muitos brasileiros costumam aguardar a famosa Black Friday, que este ano ocorre em 25 de novembro, para comprar produtos que são tradicionalmente mais caros. Porém, nos últimos anos, diversas varejistas começaram a antecipar as ofertas para os clientes.

O E-Investidor pediu a especialistas que dessem dicas sobre como usufruir melhor dos dias de promoção, já que o Brasil passa por uma inflação alta (o IPCA no acumulado de 12 meses está em 6,47%) e os juros estão na casa dos dois dígitos (13,75%) – o que normalmente deixa o preço dos produtos e o crédito ao consumidor mais caro.

Marcia Tolotti, psicanalista e especialista em psicofinanças, diz que o ato de comprar libera ocitocina, um neurotransmissor que gera uma grande sensação de prazer. “Somando o prazer ao preço mais baixo e a urgência de aproveitar a oportunidade, temos uma bomba relógio de consumismo”. Dessa forma, é preciso avaliar com cuidado a decisão de compra. A analista destaca que o importante é não se endividar.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

A colunista do E-Investidor e psicóloga clínica Ana Paula Hornos diz que o limite da dívida deve ser de no máximo 30% da receita líquida, somando todos os parcelamentos de uma determinada compra. Ou seja, se alguém ganha R$ 5.000, deve gastar no máximo R$ 1.500. Já quem ganha R$ 3.000, deve usar apenas R$ 900.

“Se, por exemplo, uma pessoa comprou um carro financiado cuja parcela mensal é de R$ 3.000 e o salário é de R$ 10 mil, é recomendável que não gaste mais na Black Friday para não comprometer a renda pessoal”, diz Hornos.

A especialista declara ainda que é recomendável avaliar as obrigações financeiras que possui no longo prazo para saber se o dinheiro que será usado agora não fará falta no futuro. “É importante lembrar que o parcelamento também é uma forma de dívida. Se for inevitável, tenha certeza de que cabe no orçamento”, ressalta.

A psicóloga indica que o consumidor faça uma lista de produtos que o tem interesse em comprar e, em seguida, faça cadastro em sites para receber alerta de preços dos produtos antes da Black Friday.

Arthur Soares, educador financeiro da XP, afirma ser importante comprar apenas em sites confiáveis. A empresa especializada em segurança na internet ClearSale apontou que houve uma alta de mais de 130% no número de tentativas de fraude no varejo virtual na Black Friday de 2021 na comparação com o ano anterior.

Publicidade

De acordo com a plataforma Hostinger, há várias maneiras de saber se um site é seguro: conferir o domínio e a URL; pesquisar a reputação e o histórico do site; buscar pelo selo de segurança; consultar a política de privacidade, confirmar as informações de contato e ter um anti-vírus.

Outra recomendação de Soares é ficar atento aos preços, pois existem estabelecimentos que tendem a inflar o preço do produto antes da Black Friday e abaixam na data, voltando ao preço que era antes, dando a falsa sensação de que existiu um desconto. Como saída, ele sugere que o brasileiro faça o comparativo de preços antes e não compre “no susto”.

Já o Serasa aponta outro problema que tende a ocorrer na data: lojistas inserem taxas mais altas para os fretes na tentativa de compensar os descontos. A entidade recomenda que o cliente fique atento para o valor do frete e simule em mais de um site, incluindo o dos Correios.

A expectativa é que o comércio fature R$ 4,2 bilhões nesta Black Friday, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), um valor recorde desde que a data foi instituída no Brasil, em 2010.

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos