EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Comportamento

Como o vírus transformou a maneira como os americanos gastam seu dinheiro

Surpreedentemente há declínio nos gastos com saúde

Prateleiras vazias na rede americana Walmart (Foto: Carlos Osorio/Reuters)
  • Em questão de semanas, os pilares da indústria americana praticamente pararam
  • Como as pessoas gastam determina quais empresas sobrevivem e quem tem um emprego
  • Uma das maiores mudanças ocorreu nos gastos com supermercado, que aumentaram quando os restaurantes fecharam e as pessoas começaram a ficar em casa

(Lauren Leatherby e David Gelles/NYT News Service) O coronavírus alterou profundamente a vida e a economia nos Estados Unidos. Entre os efeitos mais imediatos da crise? Mudanças radicais na maneira como as pessoas gastam seu dinheiro. Em questão de semanas, os pilares da indústria americana praticamente pararam. Aviões, restaurantes e arenas ficaram subitamente vazios. Em muitos estados, as empresas consideradas não essenciais – incluindo varejistas de artigos de luxo e campos de golfe – foram fechadas. “Este é o declínio mais acentuado nos gastos de consumo que já vimos”, disse Luke Tilley, economista-chefe da Wilmington Trust.

Este artigo é baseado em uma análise de dados do Earnest Research, do New York Times, que rastreia e analisa as compras com cartão de crédito e débito de quase 6 milhões de pessoas nos Estados Unidos. Embora os dados não incluam transações em dinheiro e, portanto, não reflitam todas as vendas, eles fornecem uma imagem instantânea do impacto do vírus na economia. Algumas empresas como Walmart, Amazon e Uber Eats tiveram picos de compras. Mas os clientes de muitas outras empresas simplesmente pararam de gastar, mostram os dados. Como as pessoas gastam determina quais empresas sobrevivem e quem tem um emprego. Nas últimas semanas, mais de 16 milhões de trabalhadores no país entraram com pedido de auxílio desemprego. E sem o fim do surto à vista, é provável que os gastos do consumidor sejam fundamentalmente diferentes nos próximos meses.

Aqui está um olhar sobre como isso já está mudando. As vendas de supermercado estão aumentando, pois as pessoas cozinham em casa. Uma das maiores mudanças ocorreu nos gastos com supermercado, que aumentaram quando os restaurantes fecharam e as pessoas começaram a ficar em casa a partir de março. Em um período de sete dias que terminou em 18 de março, as vendas de supermercados aumentaram 79% em relação ao ano anterior. Havia execuções em muitos artigos básicos, incluindo massas, farinha, papel higiênico e sabão. Alimentos processados ​​e enlatados estão de volta à moda. Entre 26 de março e 1º de abril, as vendas aumentaram 7%. Entre os maiores vencedores: serviços de entrega de compras on-line e empresas de kits de refeições.

Os gastos com viagens caíram quando as pessoas se acocoram. Na direção oposta, os pedidos de estadia em casa emitidos em todo o país nas últimas semanas ajudaram a dizimar o setor de viagens. Os gastos em companhias aéreas, hotéis, cruzeiros e aluguel de carros praticamente pararam. Sites de reservas de viagens on-line como Expedia, Airbnb e Priceline viram suas vendas caírem. E está apenas piorando. As vendas no setor de viagens caíram rapidamente no mês passado, com as receitas da semana encerrada em 1º de abril caindo 85% em relação ao mesmo período do ano anterior.

As vendas de restaurantes despencaram

Nas crises anteriores, empresas de serviços como restaurantes se saíram relativamente bem. Não desta vez. Com o distanciamento social, a maioria dos restaurantes em todo o país recebeu ordens para fechar as portas. Refeições sofisticadas, refeições informais e fast food foram atingidas, com empresas de Momofuku a McDonald’s sentindo a dor. (Alguns restaurantes estão oferecendo comida para viagem, e agregadores de entregas como a Seamless perceberam um aumento nas vendas.) Além de contribuir para um aumento recorde nos pedidos de auxílio desemprego, as ruínas do setor de restaurantes provavelmente agravará os problemas econômicos mais amplos do país. “A economia de serviços tem sido tradicionalmente a coisa que ajudou a impedir que a desaceleração fosse muito baixa”, disse Tilley. “Nesse caso, a interrupção forçada dos gastos do consumidor está precipitando a crise econômica”.

Os gastos com mídia e entretenimento são variados, com muitos perdedores e alguns vencedores. Existem alguns pontos positivos na categoria de entretenimento e mídia. No entanto, muitas das diversões favoritas dos americanos estão simplesmente fora dos limites, por enquanto. Os cinemas estão fechados. Os parques temáticos estão fechados. Clubes e salas de concerto ficaram em silêncio. As empresas que estão se beneficiando incluem empresas de videogame como Twitch e Nintendo. Os serviços de streaming, incluindo Netflix e Spotify, também estão obtendo ganhos.

No geral, as compras estão em baixa, principalmente nas lojas físicas. Mesmo antes do coronavírus, o setor de varejo estava cambaleando, enquanto lutava para se adaptar ao surgimento de marcas de comércio eletrônico e descontos. A crise atual piorou ainda mais as coisas, principalmente nas lojas físicas. Lojas de departamento, fast fashion, lojas de tênis e outras empresas do setor tiveram uma queda nas receitas nas últimas semanas.

Como grande parte do país para de viajar para o trabalho, os gastos com transporte despencaram, com ruas e metrôs estranhamente vazios. Para muitos, trabalhar em casa significou o fim do deslocamento. Como resultado, táxis, empresas de carona como Uber e Lyft, serviços de transporte coletivo e estacionamento sofreram quedas acentuadas nas vendas. Empresas de compartilhamento de scooters como Lime e Bird, que estavam em expansão, sofreram golpes potencialmente fatais. E com menos carros na estrada, as vendas de carros e as peças de automóveis também caíram.

Os gastos com saúde, paradoxalmente, também caíram. Atualmente, ninguém vai à academia. Isso é uma má notícia para empresas de fitness, como 24 Hour Fitness e SoulCycle. Ninguém sai muito, ponto final, o que também é lamentável para empresas de beleza, como Sephora e Great Clips. No momento, os gastos estão diminuindo amplamente no setor de saúde, já que aqueles que realizam procedimentos eletivos, dentistas e especialistas que não trabalham na resposta ao coronavírus estão fazendo menos negócios. Alguns hospitais, confrontados com receitas mais baixas do trabalho não emergencial, concederam ou cortaram o pagamento de médicos, enfermeiros e outros funcionários. “Surpreendentemente, vimos um declínio nos gastos com saúde”, disse Tilley, “mesmo nesse ambiente”.

Bem informado você investe melhor. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos