EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Comportamento

O pequeno banco que tem ajudado mais de 100 mil pequenas empresas na pandemia

Gilles Gade, CEO do Cross River Bank, conta como se tornou um dos maiores credores dos EUA

Gilles Gade, CEO e fundador do Cross River Bank (Foto: Sasha Maslov/The New York Times)
  • Em tempos normais, o Cross River é um parceiro praticamente invisível para dezenas de empresas
  • Mas o Cross River realizou empréstimos para mais de 106.000 empresas por meio do Paycheck Protection Program, o Programa de Proteção de Salários, peça central da lei federal de US$ 2 trilhões. Isso o coloca ao lado dos três maiores credores do país

(Stacy Cowley/ NYT News Service) – Do endereço no lado oeste do rio Hudson até o minúsculo balanço, o Cross River Bank não se parece em nada com os gigantes de Wall Street. Porém, como parte dos esforços do governo americano para evitar uma catástrofe econômica, ele está entre os gigantes. O Cross River realizou empréstimos para mais de 106.000 empresas por meio do Paycheck Protection Program, o Programa de Proteção de Salários, peça central da lei federal de US$ 2 trilhões. Isso o coloca ao lado dos três maiores credores do país: Bank of America, JPMorgan Chase e Wells Fargo.

O tamanho do Cross River – possui uma única agência, em Teaneck, Nova Jersey, e apenas alguns bilhões de dólares em ativos – significa que ele é geralmente descrito como um banco comunitário. Ele é tudo menos um credor de uma cidade pequena: o Cross River passou a última década criando um negócio lucrativo como um banco para as startups de tecnologia financeira que tentam competir com os bancos tradicionais.

Quando a pandemia do coronavírus interrompeu os negócios, o governo quis usar os bancos para distribuir US$ 660 bilhões em empréstimos perdoáveis – rapidamente – para pequenos empresários que tentavam pagar trabalhadores que poderiam ficar desempregados. O Cross River foi um dos mais rápidos e agressivos, trabalhando com dezenas fintechs para captar mutuários que não conseguiam chamar a atenção dos grandes bancos. “Isso está em nosso DNA”, diz Gilles Gade, fundador e CEO do Cross River Bank. “É exatamente para o que fomos criados.”

Em tempos normais, o Cross River é um parceiro praticamente invisível para dezenas de empresas como a Affirm, que oferece financiamento para compras on-line, e a Upgrade and Upstart, que faz empréstimos pessoais, que estão acostumadas a empréstimos de alto volume e baixo dólar.

Mas o Programa de Proteção de Salários foi uma oportunidade em uma escala totalmente nova, com pequenas empresas em todo o país solicitando centenas de milhões de dólares em ajuda emergencial. Mais de 30 empresas canalizaram alguns ou todos os seus mutuários através do Cross River, incluindo grandes empresas como a Intuit, popular fabricante do software de contabilidade QuickBooks, e a Kabbage, um credor on-line para pequenas empresas. Outros tomadores de empréstimos que queria atender seus clientes chegaram por meio de nichos de negócios como o Divvy, uma ferramenta de gerenciamento de despesas, e o Womply, um sistema de marketing para pequenas empresas.

O papel do Cross River é nos bastidores

Jessica Smith solicitou um empréstimo assim que o programa de ajuda começou, no início de abril, mas foi esquecida, disse ela, por seu credor original. Então, ela se voltou para a Pearl Capital, que havia usado anteriormente, e pediu um adiantamento de dinheiro para o seu Bella Vita Salon e Spa, em Saugatuck, Michigan. “Soube que fui aprovado no dia seguinte”, disse Smith. Quando os documentos de fechamento do empréstimo chegaram, o nome do Cross River estava neles. O dinheiro dela chegou uma semana depois. Ela reabriu na penúltima semana de junho e planeja usar seu empréstimo para pagar seus trabalhadores.

O empréstimo médio por meio do programa de salário é de cerca de US$ 111.000, mas os do Cross River são muito menores: US$ 44.062 em média, de longe o mais baixo dos 15 maiores credores do programa, de acordo com dados da Small Business Administration, que supervisiona o programa.

Esses pequenos empréstimos se somam

O Cross River emprestou um total de US$ 4,7 bilhões – quase o dobro dos ativos que o banco possuía há menos de três meses, segundo dados regulatórios. Em um empréstimo médio, o banco cobra uma taxa do governo de cerca de US$ 2.200, parte da qual é compartilhada com a empresa que trouxe o cliente. Gade iniciou o Cross River, com sede em Fort Lee, Nova Jersey, em 2008, depois de mais de uma década trabalhando em Wall Street. Isso incluiu uma passagem como diretor financeiro da First Meridian Mortgage, que operou por alguns anos como Trump Mortgage depois de licenciar o nome do futuro presidente. (Gade saiu logo após a mudança de nome e disse que não tinha vínculos com o presidente Donald Trump ou seu governo.)

O plano era comprar ativos de risco a baixo custo após a Grande Recessão, mas surgiu uma nova oportunidade em 2010. Uma fintech, a GreenSky, fez um acordo com a Home Depot para oferecer aos clientes financiamento para projetos de reparo e renovação, mas precisava de um parceiro com a empresa.

Uma carta bancária para fazer os empréstimos

Foi a primeira incursão do banco em um novo mercado lucrativo: agora ele empresta tudo, desde bicicletas ergométricas da Peloton a funerais, depois vende os empréstimos de volta às empresas de tecnologia que as originaram. Esse modelo de negócios é conhecido no setor financeiro como “alugue uma carta” – os bancos atendem às rigorosas demandas regulatórias do setor, enquanto os fintechs fornecem as interfaces brilhantes.

Gade vê as fintechs que usam o Cross River como satisfazendo as necessidades dos clientes que os credores tradicionais ignoraram. E para ele, o Programa de Proteção de Salários era a necessidade final não atendida. Nos primeiros dias do programa, muitos tomadores de empréstimos lutavam para entrar. Muitos bancos restringiam seus empréstimos a clientes existentes, penalizando aqueles sem relacionamentos anteriores – um problema específico para os proprietários de empresas minoritárias. Algumas fintechs queriam fazer empréstimos, mas o governo demorou a conceder permissão.

Por meio de seus parceiros e de seu próprio site, onde ele aceitou qualquer candidato qualificado, o Cross River começou a obter milhares de empréstimos. A Gusto, que processa folhas de pagamento para cerca de 100.000 pequenas empresas, era um desses parceiros. Demorou menos de 24 horas para conectar os sistemas da Gusto aos do Cross River e assinar um contrato, disse Megan Niedermeyer, chefe de assuntos legais e de conformidade da Gusto. “Ser capaz de fazer isso no meio de uma crise foi impressionante”, disse ela.

Como ser grande mesmo sendo um pequeno

Processar um alto volume de empréstimos era apenas parte do desafio. O Cross River também precisava de dinheiro. Os empréstimos feitos por meio do Programa de Proteção de Salários são quase isentos de risco para os bancos – eles são garantidos contra inadimplência e devem ser perdoados se os mutuários cumprirem as regras do programa – mas os credores precisam antecipar o dinheiro e esperar meses para que o governo os pague. O Federal Reserve prometeu criar uma maneira de os bancos terem acesso a dinheiro para emprestar, mas os detalhes não estavam definitivos quando o programa começou. Portanto, se o Cross River queria emprestar bilhões de dólares, precisava encontrar dinheiro para fazê-lo.

O banco comprou anúncios on-line no início de abril promovendo certificados de depósito de alto rendimento de 12 e 24 meses, com taxas de até 2,25% – cerca do dobro da média do setor na época. Isso gerou US$ 250 milhões. O Cross River também pagou taxas altas para atrair cerca de US$ 1 bilhão em depósitos de longo prazo de fintechs como Betterment e Wealthfront, dando-lhe acesso a dinheiro imediato. “Nós levantamos uma tonelada de depósitos e construímos um baú de guerra”, disse Gade. “Foi muito caro.”

Mas o desafio valeu a pena, disse Gade. “Todo empréstimo que enviamos, estamos salvando empresas”, disse ele. “Estamos economizando contracheques – estamos salvando vidas. É realmente assim que encaramos.”

Bem informado você investe melhor. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% PETR4 R$ 23,34 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos