EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min
Comportamento

O vírus quebrou em 40 dias a disciplina que investidor construiu em 40 anos

Entenda por que os disciplinados também sofrem na crise

Imagem da Bolsa de Valores de Nova York, em 9 de março de 2020: ritmo vertiginoso de altas e quedas causado pelo coronavírus. (Mark Abramson/ The New York Times)
  • Colunista do New York Times narra como nem mesmo os anos de experiência o prepararam para a crise do coronavírus
  • Vontade de comprar nos momentos de baixa esbarrou no medo de olhar para o saldo da carteira de investimentos
  • "Observar-se com menos dinheiro é doloroso. Você se sente tolo, envergonhado"
  • "Uma das coisas mais difíceis é separar o seu dinheiro do seu ego e identidade"

(James B. Stewart – The New York Times) – É manhã de quinta-feira, 19 de março, 2020. Quatro semanas da explosão do coronavírus. O índice industrial Dow Jones abriu em queda de 700 pontos, após ir abaixo de 20.000 pontos no dia anterior. Diminuiu 30% em um mês, a queda mais acentuada de todos os tempos, ainda pior do que durante a Grande Depressão. A queda foi nauseante. No entanto, é hora de comprar ações com base em regras que desenvolvi ao longo de décadas de investimento. Para fazer isso, preciso logar na minha conta de corretagem. Quando o fizer, o primeiro número que verei será o atual valor de mercado do meu portfólio. Isolado em uma fazenda na zona rural de Nova York, cercado pelo deserto, não vejo o número há dias. Não quero olhar agora. Decido que é melhor verificar a previsão do tempo. E depois há e-mails para acompanhar. Uma hora depois, eu não fiz nada. Estou paralisado. 

Possuo ações há quase 40 anos. Vivi, sobrevivi e até prosperei em quatro crashes. Então eu deveria estar preparado. No entanto, olhando para as últimas semanas, reconheço que violei a maioria das minhas regras testadas pelo tempo. Vagando entre otimismo e desespero, à medida que as más notícias aumentavam e minha vida cotidiana diminuía, deixei as emoções influenciarem minhas decisões. Farei de novo esta manhã. 

Uma queda insondável

Comprei pela primeira vez um fundo mútuo de ações durante o verão de 1982, assim que economizei dinheiro suficiente para investir. Meu pai, gerente de vendas da Cadillac para as afiliadas locais de rádio e TV da NBC, acreditava muito no mercado de ações e confiava em mim.  Aconteceu que 1982 foi um ótimo ano para comprar, não que eu tenha percebido na época. Durante anos, desfrutei do reforço positivo de um mercado em constante crescimento. Eu adorava procurar meu fundo mútuo nos jornais.

Nos cinco anos seguintes, o mercado triplicou. Em 19 de outubro de 1987, eu estava visitando meu irmão, que passava um semestre na França. Quando deixei meu hotel em Estrasburgo na manhã seguinte, notei que as primeiras páginas das bancas exibiam manchetes informando que o Dow havia caído “23”. 

Eu me perguntava por que o mercado dos EUA era notícia de primeira página na França. Eu olhei mais de perto e vi os 23 precederem um símbolo de porcentagem. O Dow caiu 508 pontos insondáveis ​​em um dia. Em termos percentuais, foi o pior dia do mercado de ações de todos os tempos.

Senti um forte desejo de recuperar o que restava de minhas modestas economias vendendo. Mas eu estava longe e não tinha escolha a não ser esperar. Quando voltei aos Estados Unidos, o mercado pareceu se estabilizar. Mas a volatilidade logo voltou.

Em uma dessas oscilações, entrei em pânico e vendi todo o meu fundo. Em setembro de 1989, o mercado havia recuperado todas as suas perdas. Eu assisti do lado de fora, esperando em vão por um bom tempo para voltar.  Prometi nunca mais entrar em pânico. Fiz uma regra – nunca vender nas férias – e um corolário: nunca compre nas férias.

Isso me ajudou muito no bull market da década seguinte, alimentado pelo boom da tecnologia. Foi ainda mais impressionante do que nos anos 80. Muitas vezes eu ouvia personal trainers na academia gabando-se de suas ações de tecnologia favoritas. A noção de diversificação era amplamente desconhecida para mim. No início de 2000, quando a bolha tecnológica estourou e a próxima queda ocorreu, eu estava totalmente investido e permaneci assim. Eu assisti enquanto o valor dos meus investimentos diminuía. Parei de olhar para as mesas de ações, o que pelo menos proporcionava algum conforto psicológico. Coloquei minhas declarações mensais em papel no lixo fechado. Mas pelo menos aderi ao meu princípio de 1987: não vendi. 

Após o mercado de baixa de dois anos, refinei minha estratégia. Imaginei que se comprasse sempre que a média do mercado caísse 10% em relação à sua alta anterior – a definição padrão de correção – e depois comprasse um pouco mais após cada queda subsequente de 10%, nunca estaria comprando no topo do ciclo.

Não pensei nisso como o momento do mercado, uma vez que não fiz previsões de onde o mercado estava indo. Minha estratégia era uma variação da prática agora generalizada de reequilíbrio de portfólio – vender algumas classes de ativos e comprar outras para manter uma alocação estável. Eu coloquei esse sistema em prática durante a crise financeira de 2008. Lembro-me de reações chocadas em outubro, quando – com o mercado em queda e outros se gabando de que eles tinham a previsão de sair – eu disse que estava comprando. 

Meu momento não era perfeito. O mercado caiu 10% em cinco ocasiões – então eu tive muitas oportunidades de aumentar minhas posições em ações. O último ocorreu em março de 2009. Em retrospectiva, o primeiro desses 10% de declínio foi um tempo tolo para comprar, já que o mercado caiu mais 40%. Mas colhi os ganhos mesmo com as compras antecipadas durante o bull market que terminou naquele mês. Em 2009, não precisava me preocupar em voltar ao mercado. Eu já estava lá. 

O que é outro susto de vírus?

Homem com máscara para se prevenir do coronavírus circula por Wall Street. (Spencer Platt/ Getty Images/ AFP)

Houve apenas cinco correções de 10% desde então, e cada uma foi uma oportunidade de compra para mim. Nenhuma foi seguida por um segundo declínio de 10%. A última dessas correções ocorreu no final de 2018. Com o dinheiro acumulado na minha conta, eu me perguntava quando, se alguma vez, teria outra oportunidade. Eu fiquei impaciente. 

Em 19 de fevereiro, o S&P 500 fechou em um recorde. Ninguém parecia ver um mercado em baixa ou recessão no horizonte, mesmo quando múltiplos de ações oscilavam em níveis recordes e um vírus estranho começou a se espalhar. Até uma semana depois.

As ações caíram lentamente no início, depois ganhando força. Em 25 de fevereiro, o S&P 500 havia caído 7,6% em relação ao seu pico.

Do ponto de vista financeiro, não estava preocupado com o vírus. As infecções estavam se estabilizando na China. Houve alguns casos nos Estados Unidos, a maioria em um único lar de idosos no estado de Washington. Todo mundo estava dizendo que tínhamos melhores cuidados médicos, melhor qualidade do ar e meios mais eficazes para impedir a sua propagação do que a China. 

Como investidor, eu vivi muitos sustos de vírus – SARS, MERS, gripe suína, Ebola – e seus estragos não tiveram impacto discernível nas ações dos EUA. Mesmo a devastadora epidemia de aids teve pouco efeito na economia mais ampla ou no mercado em expansão. Então, eu comprei ações (um fundo de índice amplo) em 25 de fevereiro, pulando na minha própria meta de compra de 10%.

Minha ansiedade reprimida e otimismo dominaram minha estratégia disciplinada. Não tomei uma decisão consciente de violá-la. Eu nem sequer pensei nisso na minha pressa de tirar proveito do que presumi que seria uma oportunidade passageira. As ações caíram um pouco mais no dia seguinte. 

Então, em 27 de fevereiro, o S&P caiu quase 5%. Agora, o mercado estava oficialmente em uma correção, a mais rápida de sua história, uma queda de 12% em relação ao pico da semana anterior. O coronavírus se espalhou globalmente, inclusive para os Estados Unidos. Eu percebi que deveria ter esperado. Eu me senti tolo e culpado por violar minhas regras. Jurei não fazê-lo novamente. 

A maior queda desde a segunda-feira negra

Mas como me senti inteligente na segunda-feira seguinte. O S&P subiu quase 5%, em meio a rumores de que o Federal Reserve estava prestes a cortar as taxas de juros. A alta durou pouco. Até o final da semana, a S&P havia apagado os ganhos de segunda-feira. A essa altura eu também estava preocupado, mas não sou especialista em doenças infecciosas. Eu imaginei que as ações tinham precificado os riscos. 

O que eu sabia era que agora eles estavam profundamente envolvidos em uma correção, e então comprei mais. Minha compra pode ter sido prematura na primeira vez, mas agora eu estava de volta aos trilhos, aderindo ao meu manual. Em um momento de crescente incerteza em tantas frentes, senti como se estivesse assumindo o controle do meu destino. Foi a última vez que a compra de ações foi boa, como se eu estivesse aproveitando uma oportunidade fugaz. Logo se tornou uma fonte de profunda ansiedade. 

No primeiro final de semana de março, as manchetes eram sobre a disseminação explosiva do vírus na Itália. Fotos de praças desertas levaram a gravidade da situação. O que parecia uma ameaça distante agora parecia perto de casa. Se isso não bastasse, a Rússia e a Arábia Saudita decidiram iniciar uma guerra de preços do petróleo no momento em que a demanda estava em colapso. Os preços do petróleo despencaram, arrastando todo o setor de energia. 

Eu esperava que fosse uma segunda-feira ruim nos mercados, mas foi ainda pior. Circuit breakers entraram em ação para interromper um dia caótico. A S&P fechou o dia em 7%, a maior queda desde a Segunda-feira Negra em 1987. 

Juntei coragem para olhar para minha conta de corretagem. Fiquei chocado: a parcela das ações caiu muito mais do que as médias do mercado americano. Meu fundo internacional de índices de ações caiu 20% em relação ao pico de fevereiro, e o fundo para mercados emergentes perdeu um quarto de seu valor. Pensei em minha experiência 33 anos antes, quando entrei em pânico nas manchetes de Estrasburgo. Tentei me lembrar de que, além da volatilidade de curto prazo, a trajetória de longo prazo do mercado sempre subiu. Quando o mercado cai, é hora de pensar em comprar mais ações – um tempo que veio muito antes do que eu esperava. 

Wall Street na sexta-feira, 13 de março. Um dos piores dias da história da Bolsa de Nova York. (Lucas Jackson/ Reuters)Na quinta-feira, 12 de março, depois que o presidente Donald Trump proibiu a maioria das viagens aéreas entre os Estados Unidos e a Europa continental e depois que as economias do mundo começaram a fechar, a carnificina no mercado de ações foi ainda pior do que na segunda-feira. 

O S&P caiu 10%, deixando-o 27% abaixo do pico algumas semanas antes. De acordo com minhas próprias regras, era hora de comprar. Eu quase não notei. Eu estava ocupado cancelando férias planejadas na próxima semana para as Ilhas Virgens. Comecei a ponderar a perspectiva de meu próprio isolamento, algo que alguns dias antes parecia impensável. Pior, um amigo na Espanha, um saudável homem de 40 anos que eu acabei de visitar em novembro, ficou gravemente doente com o vírus. Ele estava em coma em um hospital de Madri. Eu estava preocupado com a propagação da doença. Eu não estava pensando no mercado de ações ou no meu patrimônio líquido em rápido declínio.

Recorde de volatilidade

A estátua da Fearless Girl, um dos símbolos de Wall Street. (Angela Weiss/ AFP)

Minha estratégia de negociação não pretende ser rígida, apenas racional. Não importa se faltou um ou dois pontos percentuais aqui ou ali, ou se meu tempo está um pouco fora ou se assuntos mais importantes têm precedência – como eles têm agora. Mais dois amigos me disseram que estão com o vírus.

Ainda assim, durante os dias seguintes, quando refleti sobre a marcha dos eventos durante algumas longas caminhadas por uma estrada rural, reconheci que estava ficando sem desculpas por inação. Eu sabia que deveria comprar novamente, com o S&P permanecendo bem abaixo da minha meta de 20%. Mas as negociações foram mais voláteis do que qualquer coisa que eu já vi. 

A S&P registrou um recorde de sete dias seguidos de oscilações de 4% ou mais. Naquela sexta-feira, 13 de março, as bolsas de valores promoveram um rallie no final da tarde, quando Trump prometeu novas medidas para conter o vírus e fortalecer a economia. O S&P 500 fechou quase exatamente 20% abaixo do seu pico. Ainda não fiz nada. Foi tão bem. 

Na segunda-feira, o mercado entrou em colapso, apagando todos os ganhos de sexta-feira. O Dow caiu abaixo do marco de 20.000 pela primeira vez em três anos. Os mercados caíram 30%. Estava na hora de eu comprar. Tendo pulado a “oportunidade” de compra de 20%, eu sabia que era hora de acelerar. Mas eu não faria isso em um dia em que os mercados estivessem em queda livre. De qualquer forma, voltei a evitar o site da minha corretora. No dia seguinte, o mercado de ações saltou mais alto. Senti uma forte tentação de comprar, tomado pela noção de que o pior poderia ter acabado. 

Preocupava-me que estivesse perdendo o fundo por mais uma vez não agir de acordo com minha estratégia. Mas a janela de 30% havia se fechado e eu me lembrei de que minha regra é nunca comprar em um dia útil. O dia seguinte trouxe boas notícias: novas infecções na China caíram para zero. Mesmo assim, os mercados da manhã afundaram, novamente acionando minha meta de compra de 30%. Desta vez eu estava determinado a agir. E ainda assim eu demorei. Eu verifiquei as notícias, o clima, meus e-mails. Eu disse a mim mesmo que isso era um absurdo. Se eu olhei ou não, o valor do meu portfólio era o que era. Então eu olhei. 

Foi ruim, mas não quase o choque da última vez (talvez porque os declínios percentuais agora sejam traduzidos para valores mais baixos em dólares). Eu ainda tinha bastante dinheiro em mãos, pois os juros e dividendos haviam se acumulado nos últimos anos. Então entrei e comprei. Não direi que me senti eufórico, mas me senti melhor do que em semanas, pelo menos com minhas finanças pessoais. 

Eu reuni a coragem de encarar a verdade, por mais sombria. Eu agi de acordo com um plano. Eu tinha mais dinheiro, se necessário, para o próximo declínio de 10%. Minha confiança renovada sobreviveu à próxima queda, que ocorreu no dia seguinte. 

‘Vergonha, tolice, como você estragou tudo’

Nesta semana, descrevi minhas recentes lutas de investimento para Frank Murtha, sócio-gerente da empresa de consultoria MarketPysch e especialista em finanças comportamentais. Ele disse que nada que eu lhe contei que era incomum, mesmo entre investidores experientes. Minha relutância em olhar para meu portfólio era comum, disse ele. 

“Observar-se com menos dinheiro é doloroso”, disse ele. “Não é apenas que você é mais pobre. Você também se sente envergonhado, tolo, como se tivesse estragado tudo. Uma das coisas mais difíceis é separar o seu dinheiro do seu ego e identidade.” 

Ele me deu crédito por reunir coragem para enfrentar a realidade e depois comprar. “Nada alivia a ansiedade mais do que agir”, disse ele. “Você pode realizar pequenas ações que atendam à necessidade emocional de fazer algo sem colocar suas finanças em risco indevido.” 

As ações são um dos poucos ativos que psicologicamente se tornam mais difíceis de comprar à medida que se tornam mais baratos. “Todas as decisões de compra são reforçadas negativamente”, disse Murtha. 

Até ele perdeu a grande oportunidade de compra em março de 2009. “Eu estava com muito medo”, disse ele. Pelo menos, não cometi o que Murtha considera o erro mais sério, que é vender em um declínio acentuado. “É aí que as pessoas realmente se machucam”, disse ele. 

“Depois de sair, a influência emocional funciona contra você. Ou o mercado cai ainda mais, o que confirma seu medo. Ou aumenta, e você não deseja comprar depois de vender. Então fica cada vez mais longe de você. As pessoas não percebem o quão difícil é voltar. “

O mercado disparou. Não senti euforia. Nada do que vivenciei no passado me preparou para a velocidade desse colapso do mercado. O declínio após o pico das ações em março de 2000 durou até outubro de 2002 – 2 anos e meio. O bear market mais recente, iniciado em 2007, durou 17 meses. 

Ninguém sabe quanto tempo esse mercado em baixa vai durar. Estou ciente disso: durante o mercado de baixa anterior, o S&P nunca caiu mais de 50% em relação ao pico de 2007. Mesmo na Grande Depressão, o pior mercado em baixa de todos os tempos, o S&P caiu 86%. Pequeno conforto, talvez, mas nunca chegou a zero. E após essas quedas acentuadas, o mercado não apenas se recuperou, mas acabou atingindo recordes. 

Esta semana trouxe boas notícias. Meu amigo na Espanha saiu do coma. Os médicos dizem que sua recuperação será lenta, mas estão otimistas. Na terça-feira, o mercado disparou, seguido por mais dois dias de ganhos. Desta vez, não senti euforia. Alguns dos maiores rallies ocorreram no meio dos piores mercados em baixa. Meu próximo objetivo é quando o S&P cair 40% do seu pico. Eu posso estar comprando novamente em breve.

 

James B. Stewart é colunista do New York Times e autor de nove livros. Em 1988, ele venceu o Prêmio Pulitzer, o mais importante do jornalismo mundial. É professor de negócios do jornalismo na Universidade de Columbia.

Bem informado você investe melhor. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
EURO R$ 6,13 +0,07% DÓLAR R$ 5,37 +0,00% ITUB4 R$ 27,37 -0,26% MGLU3 R$ 81,39 -0,13% BBDC4 R$ 22,70 +0,00% IBOVESPA 101.790,54 pts +1,34% PETR4 R$ 23,34 +0,00% ABEV3 R$ 14,30 +0,07% GGBR4 R$ 16,65 +0,60% VALE3 R$ 61,79 +0,00%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos