Educação Financeira

Fraudador que inspirou filme com DiCaprio revela por que não usa cartão de débito

Frank Abagnale participou de evento de tecnologia, no Allianz Parque, em São Paulo

Fraudador que inspirou filme com DiCaprio revela por que não usa cartão de débito
Imagem: Adobe Stock

“Eu nunca tive um cartão de débito”. Por mais estranha que pareça, a afirmação pertence a um dos maiores fraudadores da história dos Estados Unidos, Frank Abagnale, que inspirou o filme “Prenda-Me Se For Capaz”, com Leonardo DiCaprio no papel principal.

Condenado a 12 anos de prisão na juventude por aplicar golpes em série, Abagnale passou a prestar consultoria para a Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês) e ao Departamento Federal de Investigação (FBI, em inglês), para crimes de fraude, falsificação e golpes financeiros.

Em evento da Unico, empresa especializada em identidade digital, realizado no Allianz Parque nesta terça-feira (14), Abagnale palestrou por cerca de 40 minutos e participou de coletiva de imprensa. Durante sua fala, afirmou que o cartão de crédito é a forma mais segura de se gastar dinheiro — além de rechaçar o uso de cartões de débito.

Publicidade

Conteúdos e análises exclusivas para ajudar você a investir. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

“Todos os dias eu gasto o dinheiro da operadora de cartões”, ironiza Frank. A razão para não desembolsar um centavo de sua conta bancária é simples: o risco e a exposição dos dados são da empresa — não dele. Enquanto isso, Abagnale jura que as informações de sua conta bancária estão a salvo e livre de vazamentos. “Vou fazer compras? Passo no crédito. O avião que me trouxe até aqui? Foi pago no crédito”, resume ele.

De acordo com o consultor de segurança, se o cartão de crédito for clonado, e US$ 1 milhão de dólares ‘torrados’ do dia para a noite, o dinheiro comprometido é da operadora. Mais do que isso: juridicamente, ele não pode ser responsabilizado pela fraude a partir do momento em que o crime for denunciado. Passa a ser um problema da empresa, que tem mais recursos para reaver a quantia gasta de forma indevida do que o cliente teria.

Além disso, se a conta bancária de um correntista for hackeada, e o saldo disponível zerado, o dinheiro afetado pela ação dos criminosos é do próprio cliente do banco. Isto é, ele ficará sem recursos imediatos para pagar contas ou fazer compras.