EURO R$ 6,07 +0,66% DÓLAR R$ 5,37 +0,48% ITUB4 R$ 26,66 -1,08% MGLU3 R$ 80,43 +1,30% BBDC4 R$ 21,67 -1,28% IBOVESPA 98.759,83 pts -0,40% PETR4 R$ 22,12 -0,09% GGBR4 R$ 16,03 -0,12% ABEV3 R$ 14,57 -0,48% VALE3 R$ 56,66 +0,43%
EURO R$ 6,07 +0,66% DÓLAR R$ 5,37 +0,48% ITUB4 R$ 26,66 -1,08% MGLU3 R$ 80,43 +1,30% BBDC4 R$ 21,67 -1,28% IBOVESPA 98.759,83 pts -0,40% PETR4 R$ 22,12 -0,09% GGBR4 R$ 16,03 -0,12% ABEV3 R$ 14,57 -0,48% VALE3 R$ 56,66 +0,43%
Delay: 15 min
Investimentos

Como se preparar para um mercado ainda mais difícil

Se você puder esperar, vale a pena manter estratégias mais agressivas

Foto com ampulheta e notas de dinheiro
O tempo é um fator determinante para ligar com o efeito da crise nos investimentos: o quanto você suporta sofrer? (Steve Buissine/ Pixabay)
  • Em um mercado volátil, colunista do New York Times pergunta: "Quanta dor você pode aguentar?"
  • Opções mais conservadoras são opção segura para reduzir a angústia com ações em queda
  • Se você puder esperar, vale a pena manter estratégias mais agressivas

(Jeff Sommer, The New York Times News Service) – Quando milhares de pessoas estão doentes e morrendo, o mercado de ações não é o problema mais urgente do mundo. Pode até ser impróprio se preocupar com isso. No entanto, a queda acentuada do mercado importa. Não apenas para investidores de fundos de hedge, mas para milhões de pessoas trabalhadoras que investiram suas economias nele, na esperança de gerar o suficiente para uma aposentadoria decente, uma educação, uma casa – enfim, para qualquer coisa importante na vida que custa dinheiro. 

O que acabamos de experimentar no mercado é um grande revés. Os primeiros três meses do ano foram os piores para o S&P 500 desde 2008 e o pior para a média industrial da Dow Jones desde 1987 (o Ibovespa teve o pior desempenho desde quando começou a ser medido, em 1968). Mas o que realmente conta é o que você realmente manteve em seu portfólio. Se você tivesse uma variedade bem diversificada de ações e títulos, provavelmente não teria perdido tanto – embora já tenha perdido mais do que pensa que pode suportar. Vale a pena reexaminar as estratégias clássicas de alocação de ativos. Ainda não é tarde para ajustar o curso. 

Quanta dor você pode aguentar? 

“Não é uma tarefa árdua”, David Booth, co-fundador da empresa Dimensional Fund Advisors, me disse por telefone esta semana. “Esta é a vida real, infelizmente ou não, e eu diria a alguém que está seriamente estressado com isso que talvez precise repensar sua estratégia e encontrar algo com o qual possa relaxar”. 

No final de dezembro, também conversei com Booth – o benfeitor para quem a Booth School of Business da Universidade de Chicago é nomeada – sobre sua abordagem ao investimento a longo prazo. Como Jack Bogle, fundador da Vanguard, eu recomendei o uso de fundos de índice de baixo custo. A chave, no entanto, para alcançar algum grau de conforto pessoal, é encontrar uma alocação de ativos apropriada para você. 

Como você consegue isso? Naqueles dias relativamente pacíficos, há apenas alguns meses, sugeri imaginar um declínio de mais de 50% no mercado de ações, como o terrível bear market de outubro de 2007 a fevereiro de 2009. Nesta cenário, perguntei, com que tipo de perdas você poderia conviver? Como se viu, isso não era uma questão teórica. Nesta semana, eu disse com tristeza: “Para muitas pessoas, esse tipo de dor já está aqui”. 

Considere uma abordagem conservadora 

Para alguém próximo da aposentadoria ou que já esteja lá, uma alocação clássica pode ser 25% de ações e 75% de títulos, disse ele. O componente de títulos robustos de uma carteira desse tipo visa a fornecer um buffer, fornecendo alguma receita, protegendo-o de perdas no mercado de ações. Aos 73 anos, essa é a receita que ele pessoalmente prefere. 

“Quero poder relaxar, esquecer o mercado e dormir à noite”, disse ele. “Para mim, esse tipo de portfólio me permite fazer isso.” 

Como o portfólio conservador de Booth está trabalhando este ano? “Eu já disse que não verifiquei. Vai dar tudo certo”, disse ele. “Esse é o ponto – configurar algo que você não precisa analisar para poder fazer outras coisas”. 

Eu procurei por ele e descobri que se saiu tão bem quanto o esperado. Um fundo com alocação de ativos 25-75 entre ações e títulos teve perda de 6%, contra 20% do S&P 500. Outro fundo igualmente conservador, com alocação de ativos bastante semelhante – ações de 30% e títulos de 70% – também perdeu cerca de 6%. Isso não me preocupa tanto, não para um investimento a longo prazo. Ainda assim, se você achar que as perdas são excruciantes demais, poderá reajustar vendendo ações e mantendo ainda mais títulos. 

“Levante dinheiro quando tudo estiver calmo”, disse Booth. “Troque dinheiro suficiente – e mantenha-o em um banco ou em um fundo do mercado monetário administrado de maneira conservadora – para que você possa enfrentar uma tempestade no mercado sem ter que fazer vendas sob pressão.”

Uma palavra: feios 

Investidores mais jovens, é claro, provavelmente têm muito mais que 25% de suas carteiras alocadas em ações. O fundo da data-alvo da Vanguard para as pessoas que planejam se aposentar em 2065, por exemplo, é alocado quase 90% em ações. As divisões de ações mais comuns são 70-30 e 60-40. 

Eu verifiquei o desempenho desses tipos de carteiras durante o pior período de crise no mercado americano, de 19 de fevereiro a 23 de março. Eles eram, em uma palavra, feios. Aqui estão os números de alguns fundos representativos e amplamente diversificados, de acordo com o FactSet:

  • Carteira de alocação global DFA dimensional 60/40 (ações de 60%, títulos de 40% e dinheiro): 24% negativos.
  • Vanguard Balanced (ações de 60%, títulos de 40% e dinheiro): 23% negativos.
  • Crescimento da Vanguard LifeStrategy (79% em ações, 21% em títulos e caixa): 29% negativos. 

Acho que estratégias mais agressivas serão recompensadas se você puder esperar. Mas, como Robert Shiller, economista de Yale, apontou recentemente no The New York Times, você pode ter que esperar um pouco. Simplesmente não podemos prever o mercado de curto prazo. 

Este não é o momento ideal para vender ações, porque os preços já caíram consideravelmente. Mas podem muito bem cair ainda mais. Se você já sabe, por experiência recente, que não poderia lidar com isso, Booth disse que, por todos os meios, vende e muda para investimentos com os quais pode viver. 

“A resposta de manual é encontrar uma alocação de ativos com a qual você possa conviver por um longo tempo”, disse ele. 

Mas as pessoas angustiadas não se importam com manuais. “Isso não é ciência”, disse ele. “É sobre comportamento humano. E se você está pirando, a primeira coisa que você precisa é encontrar uma maneira de se sentir confortável.”

Talvez isso signifique sair das ações, disse ele. Melhor ainda, acrescentei, é encontrar uma maneira de conviver com as ações. Isso pode significar que você precisa de uma abordagem mais conservadora do que esperava alguns meses atrás.

 

Jeff Sommer escreve Strategies, coluna de mercados, finanças e estratégia do The New York Times.

Invista utilizando as melhores plataformas de negociação. Cadastre-se na Ágora Investimentos
EURO R$ 6,07 +0,66% DÓLAR R$ 5,37 +0,48% ITUB4 R$ 26,66 -1,08% MGLU3 R$ 80,43 +1,30% BBDC4 R$ 21,67 -1,28% IBOVESPA 98.759,83 pts -0,40% PETR4 R$ 22,12 -0,09% GGBR4 R$ 16,03 -0,12% ABEV3 R$ 14,57 -0,48% VALE3 R$ 56,66 +0,43%
EURO R$ 6,07 +0,66% DÓLAR R$ 5,37 +0,48% ITUB4 R$ 26,66 -1,08% MGLU3 R$ 80,43 +1,30% BBDC4 R$ 21,67 -1,28% IBOVESPA 98.759,83 pts -0,40% PETR4 R$ 22,12 -0,09% GGBR4 R$ 16,03 -0,12% ABEV3 R$ 14,57 -0,48% VALE3 R$ 56,66 +0,43%
Delay: 15 min

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos