Investimentos

Investimentos via fundos brasileiros no exterior saltam 292% em 5 anos

Os valores direcionados para fora do País passaram de R$ 89,4 bi, em 2018, para R$ 350,9 bi, no começo de 2023

Investimentos via fundos brasileiros no exterior saltam 292% em 5 anos
Investir no exterior é importante para proteger os investimentos do chamado risco Brasil, segundo analistas. (Foto: Envato Elements)
  • Os investidores brasileiros têm procurado alternativas no exterior para diversificar a carteira e reduzir o risco diante de incertezas macroeconômicas no Brasil
  • Segundo levantamento realizado pelo sistema de análises financeiras Comdinheiro/Nelogica, a migração de recursos via fundos de investimentos cresceu 292% nos últimos cinco anos
  • Somente entre 2021 e 2022, o salto foi de 150%, indo de R$ 138,7 bilhões para R$ 347,2 bilhões em um ano

Os investidores brasileiros têm procurado alternativas no exterior para diversificar a carteira e reduzir o risco diante de incertezas macroeconômicas no Brasil. Segundo levantamento realizado pelo sistema de análises financeiras Comdinheiro/Nelogica, a migração de recursos via fundos de investimentos cresceu 292% nos últimos cinco anos.

Os valores direcionados para fora do País passaram de R$ 89,4 bilhões, em 2018, para R$ 350,9 bilhões, em 2023, considerando a data de 30 de janeiro. Somente entre 2021 e 2022, o salto foi de 150%, indo de R$ 138,7 bilhões para R$ 347,2 bilhões em um ano.

O estudo abrange todos os fundos brasileiros e leva em consideração dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da Associação Brasileira de Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), entre outras fontes do mercado financeiro.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Para Filipe Ferreira, diretor da Nelogica responsável por Comdinheiro, a pandemia de Covid-19 acelerou o processo. “Ao longo dos últimos anos, frente a cenários instáveis e incertos, o investidor começou a entender que era preciso algum tipo de diversificação fora do Brasil para diluir riscos”, destaca.

Antes, o investidor brasileiro preferia aplicar apenas no mercado doméstico, aderindo pouco ao direcionamento de recursos para ativos fora do país, de acordo com o executivo. Esse comportamento é descrito pelo mercado como home bias (viés doméstico).

Apesar de natural, a prática se mostra contrária às teorias financeiras de diversificação e redução de riscos. “Juros baixos no Brasil e uma crise sem precedentes, porém, reduziram esse viés e se passou a buscar mais segurança em aplicações vinculadas a dólar e nos Estados Unidos, como é comum no mundo inteiro”, explica Ferreira.

Segundo levantamento da XP realizado com mais de 10 mil clientes, sete em cada dez pessoas com aplicações no exterior querem aumentar sua exposição a investimentos internacionais em 2023, como é possível conferir nesta matéria.

Além da diversificação na carteira e da maior segurança, quem investe lá fora também busca se proteger de variações cambiais, conforme indicado pelo estudo da corretora.

Publicidade

Mesmo com a crise desencadeada pela falência do Silicon Valley Bank (SVB) nos Estados Unidos, especialistas recomendam que quem já possui posições no exterior mantenha essa aplicação deve mantê-las. O mercado acredita que se trata de uma volatilidade de curto prazo e projeta um cenário mais otimista, confiante nas medidas tomadas pelo Federal Reserve (Fed). Mais detalhes sobre o tema podem ser conferidos nesta reportagem.

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos