Publicidade

Mercado

Ações do setor de educação ensaiam retomada na Bolsa em junho

Vacinação, investimento em inovação tecnológica e aquisições impulsionam o setor, avaliam especialistas

Ações do setor de educação ensaiam retomada na Bolsa em junho
Sala de aula. Foto: Alex Silva/Estadão
  • No acumulado de junho, todos os papéis do segmento fecham em alta. Alguns chegaram a ultrapassar 10% de valorização
  • Para analistas do setor, a concorrência entre as empresas pode equilibrar possíveis altas de matrícula e mensalidade, embora a inflação e o desemprego possam aumentar custos, como salário de profissionais da área e material escolar
  • De olho no início de um novo semestre, as empresas preparam-se para uma retomada com investimentos em inovação e tecnologia

O setor educacional ainda é diretamente impactado pelo aumento da taxa de imunizados contra a covid-19. De olho no início de um novo semestre, as empresas preparam-se para uma retomada com investimentos em inovação e tecnologia, embora ainda exista a preocupação com a influência direta de altas na inflação e no desemprego.

No acumulado de junho, todos os papéis do segmento fecham em alta. Alguns chegaram a ultrapassar 10% de valorização.

Para analistas do setor, a concorrência entre as empresas pode equilibrar possíveis altas de matrícula e mensalidade, embora a inflação e o desemprego possam aumentar custos, como salário de profissionais da área e material escolar. Segundo Victor Hasegawa, gestor da Infinity Asset, o otimismo está aumentando com o aumento da vacinação no País. “Shopping e varejo sentiram impacto mais visível, inicialmente, mas o setor de educação vem crescendo por conta da retomada”, afirma.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

O maior crescimento mensal do setor foi da Cruzeiro do Sul Educacional (CSED3), com alta de 11,14% e ações cotadas a R$ 15,55. Em seguida, ficou a a rede Ser Educacional, com valorização de 11,07% e ações custando R$ 18,42.

O desempenho das ações de educação em junho

Empresa Ticker Cotação atual* Variação no dia Varição no mês
ANIMA ANIM3 R$ 13,93 1,68% 10,56%
BAHEMA BAHI3 R$ 78 0,91% 5,41%
COGNA COGN3 R$ 4,48 -1,97% 6,16%
CRUZEIRO EDU CSED3 R$ 15,55 -0,26% 11,14%
SER EDUCA SEER3 R$ 18,42 0,00% 11,07%
YDUQS PART YDUQ3 R$ 33,30 -2,15% 1,22%
Fonte: Broadcast. *Referente ao dia 29 de junho de 2021


De acordo com Rafael Antunes, sócio da Inove Investimentos, o mercado de educação começou a precificar as metodologias que vão se destacar no pós pandemia. Segundo ele, apesar do ensino presencial ainda ser a maior fonte de lucro das empresas, a possibilidade do ensino híbrido e à distância pode alavancar os próximos resultados. “Mesmo com a adaptação ao EAD, principalmente entre os maiores players do mercado, ainda há uma dependência grande da presença de alunos nas salas de aula”, comenta.

Para Hasegawa, o segundo semestre não tem um fluxo de novas matrículas tão intenso quanto no início do ano. Por isso, as expectativas para o início de 2022 são ainda maiores. “A pandemia deixou muito brasileiro desempregado, o que atrasou o plano de estudo para muita gente. Talvez a partir de janeiro as empresas consigam retomar os resultados que tinham antes da pandemia”, diz.

Segundo o especialista, o mercado começa a precificar as ações com a eliminação da “variável pandemia”, o que aumenta o otimismo para o setor no longo prazo. “Apesar da possibilidade de oscilação e de leves quedas, a reabertura pós-vacinação vai excluir um risco que foi decisivo para o resultado destas empresas desde o início da pandemia”, explica Antunes.

Inovação tecnológica e EAD

Apesar de a vacinação influenciar na melhora do setor, os sinais de investimentos para o desenvolvimento em inovação e tecnologia, principalmente por meio de aquisições, também impulsionaram as altas.

No dia 18 deste mês, a Yduqs (YDUQ3) divulgou a aquisição da edtech QConcursos. No fim de maio, o CEO da Ser Educacional (SEER3), Jânyo Diniz, afirmou que aquisições em edtechs estão sendo analisadas pela companhia. A Ânima, no fim de 2020, fez a aquisição do Grupo Laureate.

A expectativa do setor é que a digitalização cresça em todos os níveis. “Daqui a 10 anos, por conta dos avanços tecnológicos, a educação vai ser completamente diferente. A pandemia veio para acelerar, mas já é um fato considerado pelo mercado. As ações são precificadas justamente pensando em valores futuros”, explica Leo Monteiro, analista de research da Ativa Investimentos .

Publicidade

Para o head de análises da Ágora Investimentos, José Cataldo, o movimento de aquisições pós-crise é esperado não só no setor de educação, mas no mercado como um todo. Isso acontece, segundo ele, porque pequenas empresas não conseguem adaptar-se e acabam sendo compradas por companhias robustas. “Empresas maiores como Yduqs (YDUQ3) e Cruzeiro do Sul (CSED3) nos chamam atenção para o crescimento no médio e longo prazo por conta da capacidade de novas aquisições”, explica.

Cataldo sugere ainda que o financiamento estudantil é outro ponto que pode alavancar o setor, se considerar as perspectivas para 2022, sobretudo com a possibilidade de ensino à distância aumentar os índices educacionais com pessoas de baixa e média renda.

Web Stories

Ver tudo
<
>

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos