DÓLAR R$ 5,12 -0,92% MGLU3 R$ 21,61 +0,75% BBDC4 R$ 25,04 +2,88% EURO R$ 6,06 -0,75% IBOVESPA 126.604,10 pts +1,60% PETR4 R$ 27,80 +2,39% ITUB4 R$ 31,16 +4,49% GGBR4 R$ 30,85 +0,62% ABEV3 R$ 17,16 +1,42% VALE3 R$ 117,39 +2,81%
DÓLAR R$ 5,12 -0,92% MGLU3 R$ 21,61 +0,75% BBDC4 R$ 25,04 +2,88% EURO R$ 6,06 -0,75% IBOVESPA 126.604,10 pts +1,60% PETR4 R$ 27,80 +2,39% ITUB4 R$ 31,16 +4,49% GGBR4 R$ 30,85 +0,62% ABEV3 R$ 17,16 +1,42% VALE3 R$ 117,39 +2,81%
Delay: 15 min
Mercado

Entenda como a Black Friday vai impactar as ações de varejistas

No tradicional dia de promoções, investidores também buscam bons negócios

E-commerce, varejo online, vendas online
Foto: Pixabay
  • Analistas explicam que é dado como certo investidores ficarem de olho no desempenho das companhias que podem se beneficiar com a data especial, como as do setor de varejo;
  • Se já vinham performando bem desde o início da pandemia, é normal então que as expectativas sejam altas em uma data caracteristicamente de boas vendas. Tanto que os seguidores do E-Investidor votaram por uma análise do setor;
  • Caso os resultados do dia de promoções apresentem bons números, é possível que o apetite de investidores por esses papéis aumentem, concordam os analistas.

A black friday já virou uma data cativa na agenda de consumidores ávidos por descontos, assim como as empresas que estão em busca de aumentar suas vendas e receitas. Quem também não perde de vista a sexta-feira de descontos, que este ano acontecerá em 27 de novembro, é o mercado de capitais. Analistas explicam que é dado como certo investidores ficarem de olho no desempenho das companhias que podem se beneficiar com a data especial, como as do setor de varejo.

“A black friday afeta todas ações de varejo, incluindo empresas ligadas indiretamente ao setor, como shopping centers, meios de pagamento e crédito ao consumidor”, explica Gustavo Akamine, analista da Constância Investimentos.

Foram as varejistas, inclusive, que largaram na frente na corrida de recuperação econômica após o baque da pandemia de covid-19, iniciada no Brasil em março. Se já vinham performando bem, é normal então que as expectativas sejam ainda mais altas em uma data caracteristicamente de boas vendas. Tanto que os seguidores do E-Investidor votaram por uma análise do setor.


“O varejo foi um dos setores que teve a recuperação mais rápida desde o início da pandemia, e o auxílio emergencial pode até contribuir para um melhor resultado durante a black friday”, avalia Ricardo França, analista de research da Ágora Investimentos.

Mas é fato que o grande sucesso aconteceu para as varejistas com maior presença no e-commerce, que avançou o equivalente a anos durante alguns meses da pandemia, em substituição ao comércio físico, fechado na quarentena. O reflexo disso foi visto na Bolsa, em ações de companhias como B2W (BTOW3), Magazine Luiza (MGLU3) e Via Varejo (VVAR3), que dispararam nos meses de crise e ainda acumulam alta no ano.

“As empresas com canais digitais mais desenvolvidos tendem a ter melhor desempenho”, reforça Akamine. “A expectativa é que este ano terá um novo recorde de vendas, mas com atenção a descontos, margens e créditos concedidos de maneira que não afetem margens e rentabilidade num ambiente mais competitivo”, completa o analista da Constância.

Qual deve ser o impacto para as ações?

Por mais que esteja se aproximando, com data prevista para a sexta-feira (27), a black friday ainda não está no centro do radar de investidores, ao menos na avaliação de Lucas Carvalho, analista da Toro Investimentos.

“Neste momento o mercado está de olho nessa injeção de recursos muito grande de investidores estrangeiros, na nova administração nos Estados Unidos, nas reformas voltando à tona no Congresso Nacional. Então o mercado não mirou tanto para a black friday ainda”, justifica Carvalho.

Em geral, os efeitos são mais perceptíveis nas ações após a divulgação dos resultados, normalmente em dezembro. Ainda assim, não há de se descartar a possibilidade de movimentos na curva desses papéis alguns dias antes da sexta-feira de descontos.

“Como o mercado está sempre se antecipando aos fatos, chegando próximo ao evento, as ações podem até ter uma performance melhor. Mas é em cima de uma expectativa que pode ou não se confirmar no balanço”, explica França.

Caso os resultados do dia de promoções apresentem bons números, é possível que o apetite de investidores por esses papéis aumentem, concordam os analistas.

Quais papéis podem se beneficiar?

Quando a questão é quem deve sair na frente na black friday, Via Varejo e Magazine Luiza são os dois cases mais ressaltados pelos analistas. “Olhando para a exposição ao e-commerce, a nossa preferência é pela VVAR3. É um papel que nós temos recomendação de compra”, diz o analista da Ágora.

Para França, a Magazine Luiza, que vem surpreendendo de forma positiva nos últimos resultados, também pode alimentar uma boa expectativa em relação a esse período. Já a B2W, para ele, seria uma opção mais de longo prazo.

Já Carvalho atribui à Via Varejo um “excelente caso de turnaround”, onde a companhia atingiu uma penetração online muito grande, por volta dos 40% no terceiro trimestre. Além disso, a varejista dona das Casas Bahia e Ponto Frio, tem investido em aquisições de empresas tecnológicas, mirando no omnichannel, ou seja, na conexão do varejo físico com o on-line.

“Quando a gente faz a avaliação e fragmenta a receita bruta da companhia, nota-se que o crescimento da receita online foi mais de 278% na comparação do terceiro trimestre de 2020 contra o terceiro trimestre de 2019. É um crescimento absurdo”, diz Carvalho.

O analista da Toro também reforça a atuação consolidada da Magalu no setor, por ser uma empresa que “sabe fazer o e-commerce acontecer”. “Mais de 50% das suas vendas vêm do canal digital. Então ela já está mais consolidada nesse sentido. A Via Varejo está buscando avançar mais nessa linha”, compara Carvalho.

Independentemente das escolhas na tomada de decisão, Akamine lembra de alguns cuidados específicos na análise das companhias durante o dia de promoção. “O investidor deve analisar outros fatores como experiência de uso, interface de usuário, escalabilidade e pós venda dos canais digitais dos varejistas e marketplaces. Pode também monitorar índices como o Reclame Aqui, realizar consultas em motores de pesquisa e download e avaliação de apps”, diz o analista da Constância.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos