MGLU3 R$ 8,06 -7,36% ITUB4 R$ 22,81 -1,89% EURO R$ 6,35 +1,77% DÓLAR R$ 5,61 +0,73% BBDC4 R$ 20,42 -4,00% GGBR4 R$ 25,55 -2,63% PETR4 R$ 28,47 -3,88% IBOVESPA 102.224,26 pts -3,39% ABEV3 R$ 16,69 -3,13% VALE3 R$ 68,64 -2,64%
MGLU3 R$ 8,06 -7,36% ITUB4 R$ 22,81 -1,89% EURO R$ 6,35 +1,77% DÓLAR R$ 5,61 +0,73% BBDC4 R$ 20,42 -4,00% GGBR4 R$ 25,55 -2,63% PETR4 R$ 28,47 -3,88% IBOVESPA 102.224,26 pts -3,39% ABEV3 R$ 16,69 -3,13% VALE3 R$ 68,64 -2,64%
Delay: 15 min
Mercado

Por que Eletrobras (ELET3 e ELET6) e Energisa (ENGI11) tiveram os piores desempenhos da semana na Bolsa

Os três papéis registraram as maiores baixas no pregão da B3 na semana de 10 a 14 de agosto

Logo da Eletrobras
Logo da Eletrobras (Foto: Brendan McDermid/Reuters)
  • Ibovespa terminou a semana em baixa de 1,38%, aos 101.353,45 mil pontos
  • As três ações que mais perderam preço na semana foram Eletrobras (ELET3 e ELET6) e Energisa (ENGI11)

Com três pregões em baixa e dois em alta entre os dias 10 e 14 de agosto, o Ibovespa encerrou a semana com desvalorização acumulada de 1,38%, aos 101.353,45 mil pontos. A variação mensal também é negativa, em 1,51%. Por enquanto, o principal índice da B3 vai caminhando para o primeiro mês com variação negativa após alta nos quatro últimos.

Na semana, o dia de maior baixa foi na quinta-feira (13), com variação negativa de 1,62%. No pregão, o índice foi influenciado para baixo com investidores ainda preocupados com a condução do ajuste fiscal por conta da demissão dos secretários Salim Mattar e Paulo Uebel.

Na outra ponta, o melhor dia foi justamente nesta sexta (14), com leve valorização de 0,89%, após a divulgação de diversos balanços positivos e pelas declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre não ter a intenção de furar o teto de gastos.

As ações com as maiores baixas da semana foram Eletrobras (ELET3 e ELET6) e Energisa (ENGI11).

Confira a seguir o que influenciou o desempenho desses três papéis.

Eletrobras (ELET3): -9,51%

Com desvalorização de 9,51%, as ações da empresa encerraram a semana com a maior baixa do período, cotadas a R$ 34,08. Apesar de ter apresentado bons resultados referentes ao 2T20, os papéis da companhia tiveram grande desvalorização após a saída de Mattar e Uebel do ministério da Economia, o que causou temor no mercado de que a privatização da estatal possa ser adiada.

“Até o governo dar uma sinalização clara de que pretende continuar o processo, as ações vão operar com fraqueza”, disse Jorge Junqueira, da Gauss, ao Broadcast.

No mês, as ações da empresa têm baixa de 7,74% e no ano de 6,08%.

Eletrobras (ELET6): -9,27%

Com queda de 9,27%, os papéis da companhia encerraram a semana com a segunda maior desvalorização, cotadas a R$ 35,64. A ELET6, outro conjunto de ações da Eletrobras, caiu na semana pelo mesmo motivo da ELET3.

No mês, as ações da empresa têm desvalorização de 2,60% e no ano de 9,27%.

Energisa (ENGI11): -8,29%

Com variação negativa de 8,29%, as ações da empresa fecharam o top 3 das maiores baixas da semana, cotadas a R$ 45. O papel de um dos principais grupos privados de distribuição de energia do País teve grande desvalorização na semana após reportar prejuízo de R$ 88 milhões no 2T20.

O resultado foi 892,9% maior que o prejuízo do mesmo trimestre de 2019. Já o Ebitda recuou 11,2% ante ao mesmo período do ano anterior, para R$ 727,4 milhões.

No mês, as ações da empresa têm desvalorização de 8,44% e no ano de 15,44%.

*Com Estadão Conteúdo

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos