ITUB4 R$ 23,80 -0,83% MGLU3 R$ 11,91 -3,48% DÓLAR R$ 5,56 +0,39% EURO R$ 6,46 +0,30% BBDC4 R$ 20,43 -1,59% IBOVESPA 107.207,08 pts -1,39% PETR4 R$ 28,90 -0,48% GGBR4 R$ 27,81 -0,54% ABEV3 R$ 15,23 -0,26% VALE3 R$ 76,67 -0,43%
ITUB4 R$ 23,80 -0,83% MGLU3 R$ 11,91 -3,48% DÓLAR R$ 5,56 +0,39% EURO R$ 6,46 +0,30% BBDC4 R$ 20,43 -1,59% IBOVESPA 107.207,08 pts -1,39% PETR4 R$ 28,90 -0,48% GGBR4 R$ 27,81 -0,54% ABEV3 R$ 15,23 -0,26% VALE3 R$ 76,67 -0,43%
Delay: 15 min
Mercado

Bolha ou realidade? O que levou as bolsas americanas aos índices pré-pandemia

Em meio à recessão, S&P e Nasdaq retomaram os índices de fevereiro

Estátua Charging Bull
O Charging Bull, estátua-símbolo de Wall Street: recuperação em três meses. (Carlo Allegri/ Reuters)
  • O S&P 500 atingiu, na segunda-feira, o índice de fevereiro, antes de o coronavírus paralisar a economia americana
  • Compras de títulos públicos e empréstimos do governo deram aos investidores segurança para por dinheiro na bolsa
  • Dúvidas quanto à retomada da economia real põe em risco a manutenção do entusiasmo das bolsas no longo prazo

(Matt Phillips, The New York Times News Service) – E assim, voltamos ao ponto em que começamos. O S&P 500, um importante índice do mercado de ações, subiu na segunda-feira (8) acima do ponto em que estava no começo do ano, quando a pandemia paralisou a economia dos Estados Unidos, antes de mais de 110.000 americanos morrerem devido ao coronavírus e antes da morte de George Floyd pela polícia em Minneapolis desencadear protestos em todo o país.

Um rally de fim de dia empurrou o índice para um território positivo para 2020, apagando efetivamente um dos períodos mais tumultuados da história americana recente do registro financeiro. As ações subiram 1,2% no mesmo dia em que economistas disseram que os EUA entraram em recessão em fevereiro.

Embora a economia tenha começado a reabrir, é difícil exagerar o quão desastroso os últimos três meses foram e quais são as consequências a longo prazo para tudo, desde a natureza do trabalho até o futuro de certas indústrias. Dezenas de milhões de pessoas estão desempregadas, os ganhos corporativos despencaram e indústrias como turismo, varejo e entretenimento podem nunca se recuperar totalmente do golpe causado aos seus negócios.

Mas no mercado de ações, é como se a pandemia nunca tivesse acontecido.

“Os investidores parecem ter decidido que os últimos três meses foram apenas um pesadelo do qual estamos acordando”, disse Scott Clemons, estrategista-chefe de investimentos em private banking do Brown Brothers Harriman, um banco de investimentos.

Mercado ignorou uma onda de más notícias e subiu

Após algumas semanas iniciais de volatilidade, quando o mercado caiu 34%, seguiu-se uma onda quase diária de más notícias. Quando o Departamento de Comércio anunciou em 29 de abril que a economia encolheu a uma taxa anual de quase 5%, sua queda mais rápida desde a recessão de 2008, as ações subiram 2,7%. Há um mês, quando o Bureau of Labor Statistics publicou o que era essencialmente o pior relatório de emprego registrado, mostrando que mais de 20 milhões de empregos desapareceram em abril, quando o desemprego subiu para 14,7%, o maior desde a Grande Depressão, as ações subiram 1,7%.

Então, por que o mercado está se comportando dessa maneira?

Em grande parte, foram as ações do governo federal. Desde o início, o Federal Reserve ampliou sua rede de segurança financeira, anunciando que forneceria uma retaguarda usando seus poderes de empréstimos de emergência para comprar ativos da dívida municipal para corporativa com dinheiro recém-impresso. Além disso, começou a adquirir títulos garantidos pelo governo por meio de uma campanha de compra ilimitada. Isso teve o efeito de manter altos os preços dos títulos e os rendimentos, que se movem na direção oposta dos preços, baixos. E assim, os investidores, procurando melhores retornos, começaram a investir seu dinheiro no mercado de ações, criando pressão crescente sobre os preços.

“É a única maneira de explicar o que está acontecendo, é que as pessoas realmente acreditam que não há desvantagem na participação acionária”, disse James Montier, membro da equipe de gerenciamento de ativos de Grantham, Mayo, Van Otterloo & Co., uma empresa de gerenciamento de ativos com sede em Boston.

Recuperação dos mercados antecipa a da economia?

Desde 23 de março, a média industrial da Dow Jones aumentou 48%. O índice composto da Nasdaq, que pesa fortemente em tecnologia, aumentou 45% e fechou em um recorde recorde na segunda-feira, com investidores apostando que gigantes da tecnologia como Amazon e Microsoft estavam bem posicionados para se beneficiar da quarentena em todo o país. O S&P 500 também aumentou quase 45%.

“Entendo completamente a recuperação do mercado, acho que está adiantado”, disse Leon Cooperman, fundador da Omega Advisors, que em 2018 anunciou que se converteria em um escritório de família para gerenciar principalmente a fortuna pessoal do bilionário. “Está adiantado devido à política do governo de distribuir dinheiro de graça”.

Cooperman estava se referindo à enxurrada de dinheiro do Fed e do próprio governo que foi bombeada para a economia e os mercados.

Embora seja sabido que a atividade de mercado é um indicador importante de recuperação econômica – os investidores estão empolgados com a reabertura dos estados e os dados de emprego de maio – analistas céticos alertam que os investidores podem ter se tornado excessivamente otimistas.

“No momento, o mercado acha que teremos uma recuperação em forma de V e uma vacina até o final do ano e acho que ambas as visões são otimistas demais”, disse Byron Wien, observador de mercado de longa data e vice-presidente da grupo privado de riqueza em Blackstone.

Embora Wien acredite que a economia está se recuperando, ele acha que será um retorno lento ao normal.

Empresas só retomarão lucro pré-coronavírus em 2021

Os analistas de Wall Street não esperam que os lucros corporativos das empresas S&P 500 retornem aos níveis de 2019 antes de 2021. Mas a recuperação do mercado já efetivamente precificou todos esses ganhos, em parte, dizem alguns, por causa das ações do governo. Mesmo depois de contabilizar o apoio do governo, existem riscos significativos para os investidores que podem impedir as empresas do S&P 500 de gerar os lucros que geravam antes que o vírus chegasse às costas americanas.

Depois, há a perspectiva de uma segunda onda da pandemia, que poderia atrasar a economia mais uma vez. Mas, apesar desses desafios em potencial, os investidores do mercado parecem quase totalmente despreocupados.

“Acho que o mercado é melhor descrito como a maneira como as pessoas pensam sobre o segundo casamento”, disse Wien, 87 anos, que observa ações em Wall Street desde 1965. “É um triunfo da esperança sobre a experiência”.

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos